O golpe está no ar

Heródoto Barbeiro (*)

O presidente articula um golpe de estado. Todos sabem de seu posicionamento ideológico, radicalmente contrário à esquerda.

Incentiva uma campanha que há o risco do Brasil se tornar uma ditadura socialista como as que são implantadas na Rússia e seus satélites. Ele acusa o processo eleitoral de ser viciado e de sofrer uma possível fraude a favor do candidato apoiado pelas esquerdas. O sistema está desgastado, diz ele.

Em nome da preservação das instituições tradicionais, da família e do cristianismo movimenta as forças que o apoiam. O presidente é acusado de tentar impedir a realização das eleições gerais do próximo ano, quando expira o seu mandato, de acordo com a constituição brasileira em vigor

Há uma radicalização política no país. Os grupos políticos se juntam na esquerda e na direita. Há exemplos de sobra no mundo, principalmente na Europa, de governos de orientação socialista e fascista, O confronto é, acima de tudo, ideológico, ainda que boa parte da população brasileira não tenha ideia o que isto significa. O centro político, praticamente, desaparece.

Com o fim do domínio dos maiores estados, São Paulo e Minas Gerais, o campo moderado não tem um candidato com musculatura eleitoral para enfrentar a eleição do ano que vem, quando o atual presidente deve se candidatar a mais um quadriênio.
Em ano pré- eleitoral, o governo deveria estar cuidando de arrancar o país da crise econômica ainda reflexo do desarranjo financeiro do planeta e não se envolver no processo eleitoral antecipado. O debate está cada vez mais radicalizado tanto no Congresso Nacional como na imprensa de uma forma geral.

Há os que alimentam o medo da população da instalação de um regime ateu e os proprietários de terras de perderem suas propriedades com uma reforma agrária sem indenização. Os grupos políticos de esquerda aparelham as fábricas e as organizações ligadas aos trabalhadores. O presidente constitucional Getúlio Vargas deixa claro que não vai descer do poder em nome da defesa dos ideais nacionalistas e tradicionais.

Divulga insistentemente que abafou um levante comunista no nordeste e rechaçou um ataque dos integralistas ao palácio presidencial no Rio de Janeiro. O cenário está montado. Ou ele ou o comunismo. Os jornais publicam o falso Plano Cohen um passo a passo de como os comunistas tomariam o poder. É o que vai se chamar no futuro de fake news.

Com o apoio dos liberais, militares e integralistas, Vargas anula a constituição, manda prender a oposição, enfraquece o Congresso, acaba com os partidos políticos e implanta, em 1937, a ditadura do Estado Novo.

(*) – É jornalista, comentarista da Record News e Nova Brasil FM (www.herodoto.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap