Interesse Público

Heródoto Barbeiro (*)

A ideia é aperfeiçoar mecanismos de monitorar pessoas especialmente ligadas ao governo e ao poder judiciário.

Uma reafirmação que o papel da mídia é de fiscalizar o poder, ou manter a postura de Watch dog. Todos que servem o Estado devem ter consciência que podem ter suas conversas gravadas e se tiverem interesse público, divulgadas para todos. Uma facilidade com o advento das redes sociais e um tempo onde não se consegue mais segurar informação. Assim, juízes, procuradores, políticos, ministros e governantes de qualquer nível podem ser monitorados e seus diálogos divulgados.

É claro que ninguém é ingênuo ao acreditar que a cada publicação há geração de crise política, com ameaças de um lado e outro e envolvimento da população muito mais emocional do que racional. A primeira questão a ser avaliada é: a quem beneficia o processo de vazamento de conversas confidenciais? À democracia dizem uns, à oposição totalitária, dizem outros. Os debates e embates nas redes sociais ganham cada vez mais velocidade e ferocidade.

O editor do site que divulga informações confidenciais, obtidas de maneira ilegal, através de escutas clandestinas ou acesso a documentos considerados secretos pelo Estado. Mas a justificativa é que o jornalista tem compromisso com o que está escrito na constituição e não com o governo que está no poder ou a algum grupo de pressão. Os constitucionalistas reafirmam que privacidade é um direito do cidadão.

Ela pode ser violada tanto pelo Estado como por grupos interessados em enfraquecer o governo. O perigo é a facilidade de acesso para hackers de toda espécie movidos pelo mais diferentes objetivos. Graças ao aperfeiçoamento dos invasores é possível um monte de desvios entre eles casos de rapazes que vigiam namoradas, vídeos de nudez ou descobertas de infidelidade conjugal que podem render chantagens de toda espécie.

Uma vez obtida a informação ilegal nada mais pode impedir que ela circule nas mais diversas plataformas e pode mesmo achegar a assassinar reputações. Em geral, primeiro o internauta forma opinião sobre os personagens citados, depois, se houver possibilidade vai investigar se o que teve acesso é ou não uma fake News.

As pessoas mentem na web até a quem amam nas conversas particulares. Imaginam que nunca nada vai ser divulgado, especialmente depois de apagadas nos aplicativos, supostamente seguros da espionagem dos hackers. O que importa mesmo são os chamados metadados, ou seja registros perfeitos de atividades da vida privada, como fotos postadas, para quem o espionado liga , que site acessa e o que compra através do e-commerce.

Autoridades e cidadãos comuns esquecem que com o celular ligado podem facilmente ser hackeados e ter o conteúdo nas mãos de estranhos. Não existe uma maneira segura cem por cento de fugir do monitoramento de grandes corporações e governos diz Edward Snowden em entrevista a Veja.

Para ele o vazamento da Lava Jato é útil – e pouco importa de onde veio a informação. Enquanto alguns países desativam programas de vigilância, como nos Estados Unidos, mas a Alemanha autorizou formas de vigilância em massa e a China está começando a usar o reconhecimento facial indiscriminado.

Essa prática se espalha rapidamente ao redor do mundo e ninguém sabe se a criptografia vai ser capaz de enfrenta–lá.

(*) – É âncora e editor chefe do Jornal da Record News em multiplataforma (www.herodoto.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap