Uma agenda de inovação para empresários brasileiros

Fernando Aguirre (*)

No meio da discussão sobre novas tecnologias, desafios e oportunidades para empresários, qual é a acessibilidade deste novo mundo para empresas pequenas e médias?

Uma visão cartesiana impõe uma limitação inicial a este mercado, que possui orçamentos menores para investimentos em projetos de inovação. Menor receita, menor orçamento. Mas isso está no rol de necessidades reais e de forma consciente? A transformação digital é para todos ou para quem tem acesso ao capital em larga escala?

Consideremos os modelos de receita exponencial de startups e empresas calcadas em tecnologia, com acesso ao cliente universal e quase ilimitado, em que os recursos para provimento do serviço estão sob domínio do próprio mercado e são compostos de informação sobre desejos e necessidades desse mesmo cliente.

Propositadamente, uso o exemplo mais conhecido: os aplicativos de transporte. São empresas que surgiram de empreendedores e acabam se tornando unicórnios. Qualquer pequeno empresário deseja tornar sua empresa grandiosa.

O número de empresas com estas características ainda é reduzido por algumas razões: mercado inadequadamente explorado e clientes com necessidades a serem satisfeitas; pouquíssimas empresas com potencial de sucesso em escala exponencial, por (falta de) velocidade para entrar no mercado ou por investimentos já realizados.

O mercado empreendedor brasileiro é rico em atividades industriais com grande capital investido. Como permitir que as empresas sobrevivam às transformações? Quais são as opções de uma pequena e média empresa (PME) para crescer?

Será que uma grande empresa não tem mais riscos e mais a perder ao fazer movimentos maiores de mudança? Em outras palavras, mover um transatlântico é muito mais difícil do que uma PME. Em interações com o mercado, vemos que o maior desafio é conhecimento. Tanto do empresário, para entender como este novo mundo funciona, quanto na ausência de mão de obra qualificada.

A velocidade é muito importante e precisa ser desenvolvida a partir de fatores de capacitação. Em primeiro lugar, o modelo mental adequado. Baseados em nossa pesquisa “Retratos de Família”, as empresas de menor porte, familiares, oferecem menos atrativos para aquisição e retenção de talentos.

Em segundo lugar, está o investimento em novas competências e aquisição de perfis de talentos rejuvenescidos. As novas competências devem se pautar por buscar real conhecimento das necessidades do mercado-alvo da empresa e como este mercado poderá ser melhor atendido, ampliado e fidelizado.

O empreendedor precisa cuidar da agenda de pessoas, atraindo gente adequada. O foco em atrair pessoas corretas é remédio para vários desafios, inclusive a possível ignorância sobre toda esta transformação que poderá impactar suas receitas de forma implacável.

(*) – É sócio de Mercados Regionais da KPMG no Brasil (www.kpmg.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap