119 views 3 mins

Segurança de marca: como enfrentar a concorrência desleal na internet

em Artigos
sexta-feira, 19 de abril de 2024

Diego Daminelli (*)

Na era digital, as empresas têm acesso a um vasto mercado online, repleto de oportunidades de crescimento e interação com os consumidores. Contudo, esse cenário também traz consigo desafios significativos, com a concorrência desleal surgindo como um dos problemas mais prementes e preocupantes no online.

A concorrência desleal, caracterizada por práticas comerciais ou estratégias empresariais que visam prejudicar ou difamar concorrentes, apresenta impactos ruins tanto para as empresas quanto para os consumidores. Do ponto de vista financeiro, as perdas podem ser consideráveis, com investimentos em estratégias de marketing desperdiçados e quedas nas receitas decorrentes de táticas desleais de competição.

A reputação da empresa também fica em risco com a possibilidade de perda de confiança por parte dos consumidores e danos à marca, que podem levar anos para serem reparados. O aumento nas demandas do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) e a perda da capacidade de atrair novos clientes também são consequências dessa prática prejudicial.

Um exemplo prático disso é a reprodução não autorizada de produtos ou apropriação indevida de propriedade intelectual. Para lidar com esses desafios, as empresas precisam adotar medidas proativas.

Isso inclui estar atualizado sobre as leis e regulamentações pertinentes, investir em segurança cibernética para monitorar ativamente a concorrência e proteger a propriedade intelectual, além de educar os funcionários sobre práticas seguras online. Serviços especializados de monitoramento online são essenciais para identificar e combater ameaças virtuais, garantindo a segurança da marca e a confiança dos consumidores.

Os consumidores também desempenham um papel importante na prevenção da deslealdade comercial. Ao verificar a autenticidade dos produtos, pesquisar avaliações online e estar atento a preços suspeitos, os clientes podem evitar cair em armadilhas. Optar sempre por comprar de empresas com reputação sólida e transparente é outra forma de proteger-se.

No contexto regulatório, os órgãos governamentais têm a responsabilidade de garantir um ambiente justo e equilibrado para as empresas e proteger os consumidores. Leis como a Lei da Propriedade Industrial e o Código de Defesa do Consumidor no Brasil visam combater práticas desleais e garantir a integridade do mercado online.

As fraudes no ambiente digital representam um desafio importante para empresas e consumidores. Mas com práticas éticas, transparência e cooperação entre as partes interessadas, é possível promover um ambiente digital justo e saudável para todos os envolvidos. A educação, a conscientização e a colaboração são essenciais para combater essa prática antiética.

(*) – É fundador e CEO da BrandMonitor, empresa líder em estratégias de monitoramento e proteção de marca (BrandMonitor)