82 views 4 mins

O papel de São Paulo no abastecimento nacional

em Artigos
quinta-feira, 02 de março de 2017

Sérgio Benassi (*)

O Entreposto da Ceagesp, que prestou relevante serviço, já não tem condições de fazer isso com eficiência.

A implantação de um novo entreposto hortifrutigranjeiro e de pescados em São Paulo, no bairro de Perus, em substituição à antiga Ceagesp, transcende à necessidade, diagnosticada de modo claro, de prover a maior metrópole brasileira com adequada estrutura logística e operacional para atender sua imensa demanda no abastecimento. Trata-se, também, de um projeto com alcance nacional.

Explico: o comércio atacadista de hortifrutigranjeiros da capital paulista tem significativa influência em todo o País. Por exemplo, quebras na produção de frutas, verduras ou legumes em outros estados podem ser supridas pelo mercado paulistano, que tem papel regulador. Outro fator importante é que alguns produtos estrangeiros somente são disponibilizados no Brasil devido à sua compra em escala por importadores que os distribuem a partir de São Paulo.

Os mercados regionais não têm volume para importá-los a preço competitivo e seriam privados de mercadorias como algumas uvas especiais, kiwi gold e outros itens. Espremido em meio à expansão urbana e populacional e gerido pelo Governo Federal, sem os investimentos necessários à sua modernização, o Entreposto da Ceagesp tornou-se obsoleto para atender ao volume médio de comercialização de 283 mil toneladas/mês ou 3,4 milhões anuais, bem como receber produtos de 1.500 municípios, 22 estados brasileiros e 19 países.

Nessa “cidade”, pela qual circulam 50 mil pessoas e 12 mil veículos por dia, feirantes, supermercadistas, peixarias, restaurantes e sacolões compram no atacado para abastecer os consumidores finais. Porém, suas condições são precárias, em termos de infraestrutura interna, trânsito e logística. Daí o significado da implantação de um novo entreposto no bairro de Perus, em área de quatro milhões de metros quadrados, para atender com eficácia à demanda do abastecimento. O NESP melhorará a eficiência logística e agilizará o frete, pois será servido pelas rodovias Anhanguera e Bandeirantes e ferrovia.

Assim, os custos da movimentação de mercadorias deverão ser reduzidos, com impacto no preço final dos produtos. Além disso, número expressivo de caminhões será retirado da área urbana, com melhoria do trânsito e mitigação das emissões de poluentes. As instalações serão comparáveis às dos modernos entrepostos das grandes cidades dos países desenvolvidos. Isso melhorará a condição de trabalho e higiene dos produtores e comerciantes que terão boxes no local.

Feirantes e pequenos e médios varejistas também serão beneficiados, pois passarão a contar com infraestrutura de abastecimento tão eficiente quanto as centrais logísticas das grandes redes atacadistas e supermercadistas. Melhorará muito, ainda, a eficiência das operações de abastecimento de outros estados, pois o NESP não será apenas de São Paulo, mas de todo o Brasil.

(*) – É permissionário na Ceagesp e presidente do NESP (Novo Entreposto de São Paulo).