90 views 4 mins

A Olímpiada é uma vitrine tecnológica para o Brasil

em Artigos
segunda-feira, 25 de julho de 2016

Renata Bassanetto (*)

Evento esportivo chama a atenção para as novidades da tecnologia e traz novos atrativos para o país.

O maior evento esportivo do mundo está prestes a acontecer no Brasil. O preparo para as Olímpiadas está movimentando diversos segmentos do mercado e seus profissionais, e o setor de Tecnologia da Informação é um deles. Foram necessários anos de intenso planejamento para incluir e gerenciar soluções voltadas à segurança, à agilidade, ao andamento dos jogos e ao rendimento dos atletas.

Foram mais de 200 mil horas de testes em 44 ensaios técnicos, realizados entre agosto de 2014 e maio de 2016. Os testes mediram o tempo de resposta dos recursos humanos e dos sistemas para cada proposta de simulação: desde fatores climáticos, ataques contra a segurança e mudanças de agenda de jogos. Um dos testes realizados foi uma grande novidade em tecnologia nos Jogos Olímpicos: pela primeira vez, o sistema de credenciamento e o portal de administração de voluntários serão feitos via nuvem.

Além de aprimorar a estrutura tecnológica do país para receber esse evento, as Olimpíadas também geraram empregos para a área. Só em março deste ano, foram abertas cerca de 500 vagas voltadas à Tecnologia da Informação. Esse processo, que encerra-se em agosto, possui vagas técnicas e de suporte.

Em relação à tecnologia diretamente ligada aos desempenhos esportivos, a fabricante de relógios suíços Omega é a responsável pela cronometragem e pelos resultados dos Jogos Olímpicos desde 1932. Para esse controle, a empresa utiliza dois sistemas ao mesmo tempo, com backup. Uma das novidades tecnológicas da marca é a nova versão da câmera photo-finish (câmera olho mágico usada no atletismo), que agora registra 10 mil fotos por segundo em linha vertical.

Também no atletismo, pela primeira vez, haverá um sensor que para o tempo de prova de cada competidor que cruza a linha de chegada. Na natação, além do já conhecido touch pad (o atleta para o tempo de prova na chegada com as mãos em um sensor), a novidade será um dispositivo dentro da piscina que informa a contagem de voltas, que até então exigia que o competidor olhasse para fora da piscina.

Além dos sistemas de gestão e controle de desempenho, os Jogos Olímpicos também contarão com novidades tecnológicas em aparelhos mobile, em aplicativos e recursos de áudio e vídeo. Um exemplo disso é o sistema de câmeras de segurança da Panasonic, que conta com reconhecimento facial a partir de uma foto previamente registrada. Esse reconhecimento permite captar até mesmo a quantidade, sexo e idade das pessoas.

Outra novidade é um sistema de sinalização interativa, que permite ao usuário receber informações sobre eventos e esportes que irá assistir, apenas por aproximação de seu ticket a uma TV equipada com esse sistema. Essas inovações exemplificam a importância da tecnologia para o esporte e também para o país.

Espera-se que as Olímpiadas agreguem no desenvolvimento do segmento e aprimorem a capacidade estrutural do Brasil para receber eventos de grande porte.

(*) – É assistente comercial da DBACorp (www.dbacorp.com.br).