J. B. Oliveira

“Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”

                                                                                                                                                     J. B. Oliveira

 Foi há um bom tempo. Uma articulista de um jornal diário de São Paulo escreveu em sua coluna “Panorama” um texto sobre um livro então lançado versando sobre – nas palavras dela – “Aquele acentozinho enjoado chamado crase”.

Não pude deixar passar. De imediato, datilografei-lhe (naquele tempo não se digitava, pois não existiam PCs... Havia alguns computadores, mas eram imensos, instalados em CPD – Centro de Processamento de Dados – igualmente imensos, nas empresas) minhas ponderações. Dizia a ela que “aquele acentozinho enjoado chamado crase” era tão enjoado que nem se chamava crase! Crase era o nome de um fenômeno gramatical. O nome do acento (se preferirem, “sinal diacrítico”) era – e ainda é – acento grave. É um acento agudo invertido, na contramão (`)! Atualmente ele serve apenas e tão-somente para sinalizar a crase. No passado, ele era utilizado também para indicar a sílaba subtônica!

Está bem, está bem, vamos explicar: anteriormente à Lei 5765/1971, sempre que uma palavra recebesse um sufixo iniciado por “z” ou por “mente”, o acento agudo (´) transformava-se em grave (`), como nos casos: café = cafèzinho; cafèzal. Só = sòmente. Aí ocorria, consequentemente, o deslocamento da sílaba tônica. Nos exemplos aqui vistos, a tônica que era FÉ, em café, passava a ser ZI e ZAL nas palavras derivadas cafèZInho e cafèZAL. A mesma coisa acontecia entre SÓ e sòMENte. Pois bem, como as palavras em português só podem ter uma sílaba tônica, a ex-tônica passava a se chamar sílaba subtônica (tronava-se, assim, uma sílaba que sofreu um um impeachment...).

 

Mas afinal, se o acento grave só indica a crase, o que então é CRASE?

 

Crase é simplesmente a FUSÃO de dois “As”, sendo o primeiro a PREPOSIÇÃO “A” e o segundo o ARTIGO DEFINIDO A (ou seu plural AS) ou ainda a letra “A” inicial de alguns pronomes demonstrativos. Portanto – sem que me entendam mal – a crase nada mais é do que um “A” fundido!

Isso se dá porque há verbos e nomes que pedem a presença da preposição A (dizia-se antigamente: palavras regidas da preposição A). Alguns exemplos: verbo IR = quem vai vai A algum lugar; verbo OBEDECER = quem obedece obedece A alguém ou a alguma coisa; verbo ASSISTIR (no sentido de ver, presenciar) = quem assiste assiste A alguma coisa. O adjetivo ÚTIL = o que é útil é útil A alguém ou a alguma coisa; o advérbio FAVORAVELMENTE = favoravelmente A alguém ou a alguma coisa.

Aí está o primeiro A – que é preposição. Se na palavra seguinte vier o outro A (ou AS) – que é artigo definido feminino, teremos a FUSÃO dos dois: um sobre o outro. E esse fenômeno – que se chama CRASE – é indicado pelo assento grave.

Assim: Vou A + A praia = Vou À praia. O militar obedece A + AS = ÀS normas da disciplina e hierarquia. O trabalho honesto é útil A + A = À prosperidade honrada. O juiz decidiu favoravelmente A + A = À ré.

Refiro-me A + Aquele = Àquele autor. Dirijo-me A + Aqueles = A + Aqueles políticos.

 

A crase será de rigor, ainda, nos casos de locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas (locução = duas ou mais palavras usadas em lugar de...). Adverbiais: às vezes; à noite; às 3 horas. Prepositivas: à frente; à beira de; à exceção. Conjuntivas: à medida que; à proporção que.

Outro uso é em relação a horas definidas: às duas horas; às quinze horas; às vinte e duas horas. Não se aplicará em caso de hora genérica: passarei em seu escritório a uma hora qualquer...

Há que se lembrar que seu uso se estende também aos casos em que estejam subentendidas as expressões “à maneira de” ou “à moda”: serviço à francesa (à moda); bigodes à Carlitos (à maneira de).

Por fim um lembrete: a não ser no caso visto acima – “bigodes à Carlitos” – a crase não ocorre diante de nomes masculinos, e isso é fácil de concluir: crase é a fusão da preposição A com o artigo feminino definido A (ou AS)! O nome masculino pedirá evidentemente o artigo masculino O ou OS!

Simples assim!

*J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..b">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..b

Mais artigos...

  1. “O pior cego é o que não quer ver”
  2. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  3. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  4. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  5. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  6. Línguas parecidas...I
  7. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  8. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  9. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  10. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  11. A prolixidade castigada...
  12. Pó... ou Vida?
  13. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  14. Codificação e decodificação
  15. Grama: no jardim ou na balança?
  16. Uma arroba de história...
  17. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  18. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  19. HÁ 39 ANOS...
  20. IMPROVISO!
  21. Recordar é viver...
  22. Variações do mesmo tema ...
  23. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  24. Afinal, é Este ou Esse?
  25. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  26. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  27. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  28. Comunicação e Relacionamento Humano
  29. Línguas parecidas
  30. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  31. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  32. No princípio era o Verbo
  33. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  34. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  35. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  36. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  37. Travas e entraves da comunicação
  38. A vírgula... ah! a vírgula!
  39. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  40. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  41. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  42. Juizeco e Chefete...
  43. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  44. O xis da questão...
  45. Inibição! Como e porque surge!
  46. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  47. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  48. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  49. COMO É QUE É MESMO?
  50. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  51. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  52. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  53. Oratória Negocial
  54. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  55. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  56. A velha questão do “VOCÊ”...
  57. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  58. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  59. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  60. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  61. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  62. PLEONASMO NOS OLHOS
  63. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  64. UM MAGNO EQUÍVOCO
  65. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  66. BRIGADO POR QUÊ?
  67. “DIGITATORE TRADITORE”
  68. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  69. NÓS E A PÁTRIA
  70. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  71. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  72. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  73. Por conta dos vícios de linguagem...!
  74. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES
  75. No novo acordo, acentuação rima com recordação...
Mais Lidas