J. B. Oliveira

                Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...

 

                                                                                                                                                            * J. B. Oliveira

 

 

Na minha então pequena e provinciana Presidente Prudente havia três jornais: A Tribuna da Alta Sorocabana, O Imparcial e A Voz do Povo. Este último, fundado em 1928, por Jacob Blummer, pertencia à época a Mário de Almeida Moraes, marido de Virgínia de Moraes e pai de Cinira, mais tarde Cinira Arruda. Mário e Virgínia, excelentes locutores (ou “speakers”, como se dizia então) tinham as mais belas vozes do rádio.

A Voz do Povo era impressa numa enorme e ruidosa Marinoni, que ocupava imenso espaço no galpão em que se localizava a oficina. O processo de feitura do jornal era uma epopeia. Ou um parto! Formavam-se os textos juntando os caracteres tipográficos – correspondentes a letras – , um a um, num utensílio de madeira ou de metal composto por uma lâmina fixa com rebordos em ângulo, chamado componedor. Assim iam se formando as linhas e depois os blocos, que eram amarrados para formar as páginas.

Isso feito, vinha a parte da impressão propriamente dita, em que o pesado rolo corria sobre as formas na parte fixa da máquina, em que estavam as páginas – bem amarradinhas – e assim nascia mais uma edição do jornal. Só muitos anos mais tarde chegaria ao Brasil – mas não ao interior – o linotipo, processo que funde em bloco cada linha de caracteres, composta a partir de um teclado, como na máquina de escrever!

O pitoresco, nas nossas edições, é que as fotografias das personalidades da sociedade de Presidente Prudente eram sempre as mesmas, como se fossem fotos-padrão. Eram, literalmente, clichês! Ocorre que para se ter uma imagem fotográfica, primeiro tirava-se a foto, mandava-se revelar (coisa de laboratório) para só então enviá-la a São Paulo (pelos ônibus da Andorinha), onde seria feito o clichê.

Clichê, para quem não sabe, é uma placa de metal, geralmente zinco, gravada fotomecanicamente em relevo, obtida por meio de estereotipia, galvanoplastia ou fotogravura e destinada à impressão de imagens e textos em prensa tipográfica. Ora, o procedimento de ida e volta em relação à capital era tão demorado e complexo que se tornava preferível usar o retrato que já havia na oficina. O clichê.

Foi aí e assim que, em minha pré-adolescência, iniciei minha longa vivência no maravilhoso e apaixonante mundo da imprensa! Já aqui em São Paulo, voltei a cruzar com Mário Moraes, que editava um semanário intitulado Jornais Associados do Interior. Inteligentemente, ele havia idealizado um texto-padrão que sintetizava as principais notícias de interesse do Estado de São Paulo e o distribuía a diversos jornais do interior, que o encartavam como conteúdo.

Nomeou-me gerente desse sistema. Nesses mesmos anos 1960, eu escrevia para a Voz da Mocidade e, em julho daquele ano, fiz a cobertura jornalística do X Congresso da Aliança Batista Mundial, ocorrido no Maracanã. Tive a extraordinária oportunidade de entrevistar pessoas de várias partes do mundo, especialmente dos Estados Unidos, Rússia, Israel, Canadá, Hong Kong, Libéria e Paquistão. No encerramento, falou Billy Graham, com quem conversei pouco antes de seu pronunciamento, pedindo-lhe uma mensagem para a juventude brasileira. Atencioso, ele pegou uma folha de papel e escreveu “God bless you”!

Nos anos 1960-1970, fui editor das revistas HR e Horizonte Turismo. Entre 1980-1990, escrevi para o jornal “O Bandeirante”, enquanto continuava escrevendo para Voz da Mocidade. Nessa mesma época, mantive coluna na Tribuna da Magistratura, órgão oficial da APAMAGIS – Associação Paulista da Magistradura e redigi artigos para a Revista do Consórcio, da ABAC – Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio.

Mais tarde, por ocasião de minha gestão como presidente da API – Associação Paulista de Imprensa, nos anos 2006 a 2009, redigi o editorial Palavra do Presidente, artigos para nosso órgão 'Jornal da Imprensa Paulista'. A par disso, venho mantendo desde 2002 coluna na revista Apólice. Mais recentemente, passei a escrever também para as revistas CIST e FOX NEWS, e para os jornais Semanário da Zona Norte e o nosso JEN – 'Jornal Empresas e Negócios'. A partir de 2004, passei a responder como editor e jornalista responsável pelo Informativo Oficial do IRTDPJ-BRASIL Instituto de Registro de Títulos e Documentos e de Pessoas Jurídicas do Brasil.

Agora, coroando esse longo e prazeroso caminhar, com muita satisfação, passo a integrar os quadros da tradicional Imprensa Oficial do Estado – modelar e centenária instituição criada dois anos após a proclamação da República, em 28 de abril de 1891 – respondendo pelo honroso cargo de vice-presidente. Olhando para trás, através desses muitos anos de labuta jornalística, vejo como valeu cada esforço e quanto essa atividade me enriqueceu em conhecimentos, amizades, satisfação e alegrias! Concluo com Fernando Pessoa:

“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”!

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." data-mce-href="mailto:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." data-mce-href="mailto:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." data-mce-href="mailto:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Mais frases mal...ditas!
  2. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  3. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  4. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  5. AFILANDO AS FILAS!
  6. Direito de resposta
  7. Uma frase mal...dita!
  8. “Caso consigam serem os mais votados...”
  9. “O amor é forte como a morte”.
  10. Novos tempos na Política?
  11. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  12. “Eu quero é rosetar...”
  13. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  14. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  15. Influências americanas na língua italiana...
  16. Conteúdo e Forma
  17. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  18. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  19. Silêncio...
  20. Verbos diferentes para seres diferentes...
  21. E “O homem do tempo”, heim?
  22. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  23. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  24. O turismo descollorido
  25. Haviam ou havia?
  26. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  27. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  28. “O pior cego é o que não quer ver”
  29. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  30. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  31. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  32. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  33. Línguas parecidas...I
  34. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  35. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  36. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  37. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  38. A prolixidade castigada...
  39. Pó... ou Vida?
  40. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  41. Codificação e decodificação
  42. Grama: no jardim ou na balança?
  43. Uma arroba de história...
  44. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  45. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  46. HÁ 39 ANOS...
  47. IMPROVISO!
  48. Recordar é viver...
  49. Variações do mesmo tema ...
  50. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  51. Afinal, é Este ou Esse?
  52. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  53. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  54. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  55. Comunicação e Relacionamento Humano
  56. Línguas parecidas
  57. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  58. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  59. No princípio era o Verbo
  60. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  61. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  62. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  63. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  64. Travas e entraves da comunicação
  65. A vírgula... ah! a vírgula!
  66. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  67. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  68. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  69. Juizeco e Chefete...
  70. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  71. O xis da questão...
  72. Inibição! Como e porque surge!
  73. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  74. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  75. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  76. COMO É QUE É MESMO?
  77. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  78. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  79. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  80. Oratória Negocial
  81. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  82. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  83. A velha questão do “VOCÊ”...
  84. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  85. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  86. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  87. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  88. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  89. PLEONASMO NOS OLHOS
  90. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  91. UM MAGNO EQUÍVOCO
  92. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  93. BRIGADO POR QUÊ?
  94. “DIGITATORE TRADITORE”
  95. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  96. NÓS E A PÁTRIA
  97. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  98. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  99. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  100. Por conta dos vícios de linguagem...!

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP