205 views 3 mins

Drones controlados por Inteligência Artificial podem ter investimentosda ordem de US$ 6 bilhões

em Tecnologia
sexta-feira, 01 de setembro de 2023

O F-22 e o F-35 são duas das máquinas de guerra mais avançadas de que dispõe a USAF, a força aérea americana; seus preços unitários são, respectivamente, US$ 143 milhões e US$ 75 milhões.

Vivaldo José Breternitz (*)

Alegando preocupações com a China, o governo americano acaba de solicitar ao Congresso a aprovação de investimentos da ordem de US$ 6 bilhões ao longo dos próximos cinco anos para construir uma frota de aeronaves não tripuladas que vem sendo chamadas XQ-58A Valkyrie – cada uma delas custará “apenas” US$ 3 milhões e será operada por inteligência artificial.

O Valkyrie está sendo desenvolvido pela Kratos Defense & Security Solutions; a aeronave, de 9 metros de comprimento, pesa vazia 1.100 quilos e pode transportar até 550 quilos de armas e outros equipamentos.

A ideia básica é que o XQ-58 opere como uma aeronave de escolta em apoio ao F-22 e F-35 durante missões de combate, embora USAF pretenda que esse drone desempenhe outras funções, adaptando seus instrumentos e armamentos a cada missão. Isso pode incluir ações de vigilância e reabastecimento, além de enfrentamento a aeronaves inimigas em combate.

Protótipos do XQ-58 já estão sendo testados pela USAF, tendo um dos pilotos de teste que voou ao lado da mesma dito ser muito estranho voar próximo a uma máquina que toma suas próprias decisões. Apesar disso, a USAF faz questão de ressaltar que esse e os outros drones que opera ou que vier a operar permanecerão sob o comando de humanos.

O Congresso precisará aprovar os recursos necessários para que o projeto siga em frente e ao se falar em verbas, talvez valha lembrar o que disse Dwight Eisenhower ao deixar a presidência dos Estados Unidos em 1961: a sociedade precisa estar alerta e resistir às pressões do complexo militar-industrial.

Comandante das forças aliadas no front ocidental ao final da 2ª Guerra Mundial, Eisenhower devia saber o que estava falando.

(*) Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da FASTEC SP, consultor e diretor do Fórum Brasileiro de Internet das Coisas.