Parlamentares buscam ‘criminalizar investigadores’

Pedro Ladeira/Folhapress
  • Save

Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Brasília – O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) renunciou ontem (31), à cadeira de membro titular da CPMI da JBS. Em carta dirigida ao presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira, Randolfe disse que o grupo de trabalho busca dar um “golpe desavergonhado à Lava Jato”. E que os trabalhos têm como objetivo a “criminalização dos investigadores”, como forma de criar uma “cortina de fumaça” para a alteração da lei que regula a delação premiada.
“Um dos resultados certos dessa CPMI é, criando um ambiente de criminalização dos investigadores, fazer cortina de fumaça para justificar a alteração na Lei de Organizações Criminosas, que regula a temida ‘delação premiada’. Teme-se a delação por uma razão simples: diferente da quase totalidade do nosso sistema punitivo, ela funciona. Busca-se fabricar um pretexto exculpatório para esse golpe desavergonhado à Lava Jato”, afirmou.
No documento, Randolfe defendeu o “exemplar” trabalho do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. “O alvo da CPMI da JBS, da sua concepção aos dias de hoje, sempre foi um só: enxovalhar o Sistema de Justiça, desqualificando quem tem o dever constitucional de punir corruptos (magistrados, procuradores da República, promotores de justiça e integrantes da polícia), em socorro daqueles que se julgam acima da Lei”.
Ao final, o senador afirma ainda que “a construção da lápide da Lava Jato já está adiantada”. “A impunidade provavelmente se fará, mais uma vez, uma marca da nossa tragédia política”, complementou (AE).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap