76 views 2 mins

Geólogo perdeu 17 anos de pesquisas. “Vamos começar do zero”

em Manchete
terça-feira, 04 de setembro de 2018
Geologo temproario

Geologo temproario

As chamas consumiram 17 anos de trabalho do pesquisador que, agora, vai ter de recomeçar do zero.

Foto: Tânia Rêgo/ABr

O geólogo João Vagner Alencar Castro, professor do Museu Nacional, viu o momento em que seu laboratório explodiu durante o incêndio que destruiu a sede da instituição no último domingo (2). As chamas consumiram 17 anos de trabalho do pesquisador que, agora, vai ter de recomeçar do zero. Apesar do longo caminho para reconstruir o que perdeu, ele garante que a pesquisa não vai parar.
“A gente tem que se reinventar. As verbas começaram a decair dos últimos quatro anos, mas, mesmo assim, com a nossa garra, a gente dava jeito. A gente usava os nossos recursos para continuar as pesquisas. Elas não pararam e não vão parar”, disse o geólogo. “Vamos começar tudo do zero. A gente não vai desistir.”
As perdas do setor de geologia são enormes, afirma Castro. Entre as preciosidades que o museu guardava estava uma amostra de cinco litros da primeira reserva de petróleo encontrada no Brasil, na década de 1930. Sobre o poço de Lobato, na Bahia, foi construída a primeira refinaria do país.
Outro item importante do acervo era o fóssil de parte de uma baleia encontrada 15 quilômetros terra adentro no estado do Rio de Janeiro, comprovando a variação do nível do mar na costa do Brasil. Ao ser identificado, o osso serviu para embasar pesquisas que traçaram projeções para o nível do mar. A biblioteca do setor foi outra perda. “Perdemos todos os nossos livros e exemplares históricos. A área de sedimentologia está de luto” (ABr).