Déficit da Previdência não é de ‘mentirinha’ nem inventado

Sara Curcino/G1
  • Save

Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

Brasília – O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse ontem (25), que o déficit da Previdência não é de “mentirinha”, ao contrário do que pregam entidades como a Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip). “Você pode fazer a conta do jeito que quiser fazer, mas a maneira certa é contar o que entra e diminuir o que sai”, afirmou. O ministro participou de um evento sobre reforma da Previdência na sede do jornal Correio Braziliense.
O debate foi patrocinado pelo Sindifisco Nacional, que acusa o governo de mentir sobre a necessidade da reforma. Para eles, não há déficit da Previdência porque o governo não contabiliza receitas que seriam parte da conta. A equipe econômica nega que isso seja verdade, uma vez que a Previdência é diferente da Seguridade Social, que inclui também Saúde e Assistência Social
Oliveira rebateu os argumentos e disse que o déficit tem crescido de forma acelerada por conta do envelhecimento da população, dos ganhos salariais das últimas décadas e da formalização do mercado de trabalho – o que elevou o número de trabalhadores protegidos pela Previdência. “O déficit está aumentando de maneira muito rápida. Ele passou de R$ 50 bilhões em 2010 para R$ 150 bilhões”, disse.
Diante desse quadro, o governo avaliou a reforma da Previdência como tema prioritário, justamente por conta da urgência em encontrar uma trajetória mais sustentável dos gastos com a área. “Temos de resolver primeiro o problema mais urgente. A Previdência já é 50% das despesas primárias, por isso veio primeiro. É o maior problema das contas públicas”, disse (AE).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap