93 views 8 mins

Como gerenciar a força de trabalho na jornada de transformação digital

em Manchete Principal
terça-feira, 13 de setembro de 2022

Marcelo Carreira (*)

O conceito de Indústria 4.0 está ganhando força rapidamente e representa uma grande transformação digital na forma como as empresas abordam as operações de fabricação. No entanto, essa transformação digital também teve um impacto significativo nas atividades de Recursos Humanos.

O RH 4.0 é impulsionado pela tecnologia incorporando mudanças revolucionárias na gestão convencional de recursos humanos. Essas mudanças incluem otimização de processos, redução de custos com mão de obra e com materiais, diminuição de erros e de trabalho manual e facilidade de tomada de decisão para os gestores. O advento da Indústria 4.0 e do RH 4.0 nos permitiu olhar para um futuro mais amplo em relação aos trabalhadores do setor.

As organizações enfrentam enormes desafios quando se trata do gerenciamento da força de trabalho manual, por exemplo. Como uma grande proporção dos trabalhos braçais é processada manualmente, a perda de dados se torna um desafio crítico em seu gerenciamento. Independente de quão tangível esse problema possa parecer, enfrentá-lo continua sendo um grande obstáculo para as organizações.

A perda de dados não se limita apenas ao gerenciamento da força de trabalho de colarinho azul, mas tem um impacto prolongado. Com tanta dependência do processamento manual, a perda de dados se torna ainda mais desafiadora para as organizações quando se trata de expansão e diversificação da força de trabalho.

Aqui estão alguns dos principais desafios na transformação digital da força de trabalho na indústria:

. Processos manuais baseados em papel que causam erros e perda de dados – Um dos principais problemas com dados manuais é a vulnerabilidade a erros, intencionais ou não. Uma abordagem baseada em papel não apenas reduz a eficiência da organização, mas também torna os processos díspares.

Imagem: Mazirama_CANVA

Além disso, no gerenciamento convencional da força de trabalho, as entradas de trabalhadores são feitas manualmente, tornando-o propenso a erros. Mesmo que haja uma tentativa de digitalização mínima, isso pode representar um grande desafio em termos de escalabilidade.

. Redução da eficiência dos negócios devido à falta de rastreamento de dados – Com a falta de rastreamento de dados para a força de trabalho, as empresas geralmente perdem vantagem e eficiência no que fazem. Erros manuais no rastreamento e gerenciamento de atendimento podem levar os funcionários a falsificar informações, acabando por prejudicar a eficiência e a produtividade do negócio.

. Falta de análises e insights que gera tomadas de decisão imprecisas e lentas – Os sistemas de atendimento manual não podem fornecer dados críticos em tempo real, a fim de obter insights importantes para a tomada de decisões. Na verdade, eles não podem apurar questões importantes como perda de produtividade, absenteísmo, requisitos de contratação, etc., prejudicando a organização a longo prazo.

. Sistemas desconectados causando repetição e interdependência departamental – Sem um sistema coerente de gestão de operários, há uma repetição de tarefas que, por sua vez, leva à confusão e ineficiência do processo.

. Taxa de atrito maior do que a taxa de integração – Como a assiduidade é registrada manualmente, a reconciliação torna-se um processo extenso. Os dados são recuperados de várias fontes e o relatório final exigiria a aprovação da alta administração antes de ir para o desembolso salarial. Essas atividades eventualmente atrasam os pagamentos de salários e levam a uma maior taxa de atrito.

. Pagamento manual e erros de integração – Quando se trata de gerenciamento, as atividades de pagamento são processadas manualmente, gerando perda de dados e erros humanos no rastreamento de atendimento. Da mesma forma, quando se trata de onboarding, erros acumulados devido a processos manuais resultam em uma maior taxa de atrito de candidatos qualificados.

. Arquivamentos de conformidade/responsabilidades legais – Para contratação, o cumprimento das leis trabalhistas estaduais é uma questão vital. Como diferentes estados têm leis específicas relacionadas a contratos de trabalho, horas máximas de trabalho, condições de trabalho, horas extras e salários, torna-se altamente desafiador para a empresa atingir 100% de conformidade com essas leis especificamente quando a força de trabalho é distribuída entre os locais.

Imagem: kentoh_CANVA

. Processamento de folha de pagamento atrasado – Uma abordagem baseada em papel para o gerenciamento da força de trabalho representa um enorme desafio para a escalabilidade. Isso leva ainda a obstáculos no cálculo de salários, atrasos nos pagamentos de salários e outros problemas semelhantes.

. Alta taxa de atrito devido ao baixo engajamento dos funcionários – Equipes altamente engajadas geralmente levam a maior produtividade, melhores taxas de retenção e maior criatividade. No entanto, quando os processos de recrutamento não são simplificados e há baixo envolvimento e qualificação dos funcionários, as empresas testemunham uma taxa de atrito mais alta, levando a uma produtividade mais baixa e um crescimento mais lento.

. Diferentes plataformas para gerenciar presenças, licenças e outros requisitos de RH – Um dos problemas críticos é a falta de sistemas multifuncionais para envolver e reter os funcionários. A dificuldade em acessar os registros de funcionários leva a redundância, erros de dados e má gestão geral de funcionários em toda a organização – resultando em gastos enormes de esforço, tempo e dinheiro de maneira ineficiente.

Esses desafios permanecerão incessantes, a menos que sejam abordados de forma eficiente com um sistema de gestão de RH adequado. As empresas precisam aproveitar os recursos do RH 4.0, com o qual podem otimizar muitas operações de negócios e aprimorar a eficiência geral da organização.

(*) – É vice-presidente Go-To-Market América Latina da Access.