140 views 9 mins

Lazer e Cultura 17/03/2016

em Lazer e Cultura
quarta-feira, 16 de março de 2016

Grandes mestres

Davi, de Michelangelo.

Fazem parte da mostra as invenções de Leonardo da Vinci, modelos construídos a partir dos desenhos originais, pontes, máquinas de guerra e outras invenções

A exposição interativa Grandes Mestres Leonardo, Michelangelo e Rafael tem a proposta de proporcionar ao público a interação com a produção destes artistas a partir de réplicas ou reproduções de obras que não podem circular por suas grandes dimensões ou por serem aderentes à arquitetura dos edifícios que as abrigam, tais como A Última Ceia (de Leonardo da Vinci), a Capela Sistina e as esculturas Pietà e Davi (de Michelangelo). Logo no início, o visitante é impactado por uma réplica em tamanho real do Davi, de Michelangelo. O trabalho retrata o herói bíblico com realismo anatômico impressionante, sendo considerada uma das mais importantes obras do Renascimento. Fazem parte da mostra as invenções de Leonardo da Vinci, modelos construídos a partir dos desenhos originais, pontes, máquinas de guerra e outras invenções. Oito espelhos estrategicamente posicionados ilustram um dos princípios de ótica que Leonardo estudou. Oficinas, cursos e atividades paralelas foram pensadas para que o público possa ter uma experiência viva da exposição, como por exemplo, descobrir que o lápis não existia até o século 18, e que antes disto usava-se a ponta de prata para desenhar sobre uma superfície especialmente preparada com cola de coelho.

Serviço: Complexo Cultural Porto Seguro, Al. Barão de Piracicaba, 610. Terça a sábado e domingo das 10h às 18h. Entrada franca. Até 03/04.

REFLEXÃO

NORMA DE OURO

Ama o próximo como a ti mesmo. A regra áurea reconhece o amor a nós próprios, justificando a necessidade do auto-apreço, para que não estejamos pregando estima aos outros, a chafurdar-nos em desmazelo. Muito naturalmente aspiramos ao respeito pelos direitos que a vida nos atribui. Almejamos a cooperação de muitos para que os nossos deveres se façam bem cumpridos. Nas horas do erro, agradecemos a caridade dos que nos propiciem o reconforto da tolerância. Nos momentos de acerto, sentimos novo impulso ao serviço ante os estímulos da amizade. Acicatados pela necessidade, queremos que os outros nos auxiliem. Doentes, não duvidamos de que o próximo tem a obrigação de amparar-nos. Diante daqueles que amamos exigimos a consideração dos que se aproximam. Nas tarefas que somos impelidos a realizar aguardamos a avaliação afetiva dos que andam conosco. Forçoso observar que os outros esperam também tudo isso. A incompreensão aborrece-nos, o sarcasmo que se nos atira mais se assemelha a esbraseado estilete com que se nos revolve os tecidos da alma. Acontece o mesmo na sensibilidade de quantos nos cercam. Por outro lado, não nos seria lícito receitar educação para os semelhantes sem sermos educados, e nem apelar para o caráter alheio se nos amodorramos no charco da incúria. “Ama o próximo como a ti mesmo”, diz a norma de ouro. Nada de endeusar-nos, nem aparentar valor que não temos, mas respeitar-nos, garantindo ao nosso espírito o dom de aprender, servir e melhorar-nos com tranqüilidade de consciência. Para chegarmos a isso, reconhecer que, em tudo, é preciso dar e fazer aos outros tudo aquilo que desejamos seja dado e feito a nós. (De “Sol nas Almas”, de Waldo Vieira, pelo Espírito de André Luiz)

Lançamento

Luque Barros

Além de canções autorais registradas no disco, como “Jogo de Vaidade”, “História Sem Fim”, “Ando Bem Ligado”, “Muito Pouco Menos Mais” e “Nada Passa”, Luque Barros interpreta outros compositores, que considera referências para seu trabalho. Entre eles estão o gaúcho Vitor Ramil e o “rei” Roberto Carlos. O show tem participação especial dos guitarristas Daniel Brita (produtor musical do CD ao lado de Luque) e da cantora Elo Solo Amore. Para acompanhá-lo, Luque Barros (voz e contrabaixo) reuniu uma banda de amigos – Amilcar Rodrigues (trompete), Allan Abbadia (trombone), Caio Lopes (bateria), Allen Alencar (guitarra), Ricardo Prado (teclados), Jorge Cirilo (sax tenor) e Simone Julian (flauta).

Serviço: Teatro Cacilda Becker, R. Tito, 295. Lapa, tel. 3864-4513. Sexta (25) às 21h. Entrada franca.

Stand-up Comedy

A nova edição do Festival Loucos Por Rir traz a participação do humorista Thiago Ventura que é ex-integrante do Domingão do Faustão (Rede Globo), do Agora é Tarde e The Noite com Danilo Gentili (Rede Bandeirantes e SBT), Programa Raul Gil (SBT), A noite é uma criança (Rede Bandeirantes) e integra o elenco rotativo de convidados do Comedians Comedy Club.

Serviço: Teatro Omni Corinthians, R. São Jorge, 777 , Tatuapé, tel. 2095-3000. Sexta (18) às 21h. Ingressos: R$ 60 e 70.

MPB

Alice Caymmi

Alice Caymmi carrega no sobrenome um legado da MPB e, aos 25 anos, impressiona com sua voz marcante e personalidade forte. Ela, que faz parte da nova geração de artistas da moderna Música Popular Brasileira, dialoga com inúmeros estilos, como bossa nova, samba, jazz ou rock.

Serviço: Teatro João Caetano, R. Borges Lagoa, 650, Vila Clementino, tel. 5573-3774. Sábado (19) às 21h. Entrada franca.

Samba

Em 1916, quando a música “Pelo telefone”, de autoria de Donga e Mauro de Almeida foi gravada e lançada em disco, o samba ganhava a sua certidão de nascimento. E para celebrar acontece o show “O Século do Samba”. São quatro diferentes shows. O que trata de sambas de terreiro e de carnaval é dividido por dois nomes referenciais: Monarco, líder da Velha Guarda da Portela e o sambista e escritor Nei Lopes, que tem ligação particular com o Salgueiro. Já o show dedicado ao partido-alto, com versos improvisados no calor do momento, traz dois importantes especialistas nesta arte: Leci Brandão e Tantinho da Mangueira. Os novos valores do samba não poderiam ficar de fora desta celebração, sendo representados pela dupla Os Prettos (formada pelos irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira) e também João Martins, revelação da nova safra de compositores cariocas.Por fim, Jards Macalé e Pedro Luís homenageiam Moreira da Silva e o samba-de-breque, cantando clássicos do gênero como “Acertei no Milhar” (Wilson Batista e Geraldo Pereira), “Na subida do morro” (Geraldo Pereira, Moreira da Silva e Ribeiro Cunha), “Amigo urso” (Henrique Gonçalez), entre outras. Destaque ainda para a humorística “Moreira da ópera” (Marília Batista e Henrique Batista).

Serviço:Centro Cultural Banco do Brasil, R. Álvares Penteado, 112, Centro, tel. 3113-3651. Sábado (27) às 18h e às 20h30 e domingo (28) às 17h e às 19h30. Ingressos: R$ 10 e R4 5(meia).