55 views 12 mins

Geral 26 a 30/05/2016

em Geral
quarta-feira, 25 de maio de 2016

ONU anuncia estratégia para combater pobreza em áreas rurais do Nordeste

O fundo vai expandir sua atuação em projetos da agricultura familiar no Nordeste.

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), agência da ONU especializada em desenvolvimento rural, lançou em Brasília uma estratégia para auxiliar o governo brasileiro na luta contra a pobreza no campo

A Fida vai expandir sua atuação no Brasil e investir em dois projetos com foco na expansão da agricultura familiar na região Nordeste. As áreas escolhidas foram as regiões de transição para a Floresta Amazônica, no Maranhão, e a de Mata Atlântica, em Pernambuco. Os dois novos projetos estão atualmente em fase de elaboração. O projeto no Maranhão deve ser aprovado até o fim de 2016 e o de Pernambuco em 2017.
Os estudos indicam que a pobreza e a extrema pobreza são maiores nas áreas rurais do Brasil e destacam o papel da agricultura familiar na redução da extrema pobreza nessas regiões. O estudo Perfil da pobreza: Norte e Nordeste rurais lembra que a diminuição do número de pobres no país entre 2004 e 2013 caiu de 20% para 9% da população e a porcentagem de pessoas extremamente pobres passou de 7% para 4%.
Os números são atribuídos à expansão do mercado de trabalho e aos programas de transferências de renda, em especial o Bolsa Família. Mesmo com a queda, o país segue com mais de 18 milhões de pobres.
Os números também mostram que essa redução estagnou nos últimos anos. Entre 2012 e 2013 a extrema pobreza aumentou ligeiramente e a pobreza ficou estável, fatos atribuídos a deterioração do mercado de trabalho e a situação fiscal que o país enfrenta e que impacta o gasto social. Ao mesmo tempo em que a pobreza diminuiu, muitos aspectos continuaram iguais, como a distribuição geográfica da pobreza, que continua concentrada no Norte e no Nordeste, e que, em todas as regiões, as áreas rurais são as mais pobres.
A FIDA financia projetos que objetivam a promoção da agricultura familiar, o aumento da capacidade produtiva e a geração de renda dos pequenos agricultores. De acordo com o Fundo, o Brasil apresenta a maior carteira de operações financiadas pelo FIDA na América Latina e no Caribe.
Desde 1980, foram financiados 11 projetos de desenvolvimento rural no país. Há seis projetos em operação atualmente nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte, beneficiando mais de 250 mil famílias. Esses projetos somam um investimento total de US$ 452.9 milhões, sendo US$ 164,2 financiados pelo FIDA, US$ 212.4 milhões de governos estaduais e federal e US$ 76.3 milhões financiados pelas famílias beneficiadas (ABr).

Custo da construção perde força e empresários do setor estão mais confiantes

Os empresários tornaram-se menos pessimistas quanto ao futuro próximo, embora a atividade continue em declínio.

O Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M) teve alta de 0,19% em maio, taxa inferior ao aumento registrado em abril (0,41%). No acumulado do ano, o índice apresentou variação de 2,25% e, nos últimos 12 meses, 6,77%. O levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) mostra reduções no ritmo de aumento tanto em materiais, equipamentos e serviços (de 0,29% para 0,04%) quanto em mão de obra (de 0,52% para 0,32%).
Das sete capitais pesquisadas, o índice aumentou em duas, caiu em outras duas e em três capitais, a intensidade de alta diminuiu. Em Brasília, o INCC-M passou de 0,06% para -0,21%; em Belo Horizonte (de 0,96% para -0,07%); em Salvador (de 2,23% para 1,72%); no Recife (de 0,13% para 0,12%); em Porto Alegre (de 0,54% para 0,15%); e as altas foram observadas no Rio de Janeiro (de 0,04% para 0,05%); e em São Paulo (de 0,04% para 0,07%).
Já o índice que mede a confiança dos empresários do setor de construção, o Índice de Confiança da Construção (ICST), aumentou 2,1 pontos em maio, ao atingir 69,1 pontos. Trata-se da melhor marca desde dezembro de 2015 (69,4 pontos). Em relação à média móvel trimestral de abril, o resultado teve um acréscimo de 0,8 ponto na margem, interrompendo a sequência de 29 quedas seguidas desde dezembro de 2013. Essa elevação reflete melhora das expectativas de curto prazo. O Índice de Expectativas (IE-CST) cresceu 5,7 pontos, alcançando 77,9 pontos, no maior avanço desde junho de 2015 (78,1 pontos). Já o Índice da Situação Atual (ISA-CST), recuou 1,5 ponto, alcançando novo piso histórico de 60,9 pontos.
“Os empresários tornaram-se menos pessimistas quanto ao futuro próximo, embora a atividade continue em declínio. No entanto, se o investimento em infraestrutura e no mercado habitacional não voltar a se expandir, o indicador de expectativas não deve sustentar a melhora dos últimos meses”, justificou por meio de nota, a economista Ana Maria Castelo, coordenadora de projetos da construção do Ibre/FGV.
Ela observou que “em todos os segmentos cresceu a percepção de que o ritmo de queda da demanda deve desacelerar no curto prazo, alimentando a confiança empresarial”. Apesar disso, a economista acredita que “ as dificuldades do atual cenário econômico e político sugerem que é um tempo muito curto para que, de fato, ocorra esta reversão” (ABr).

Vacina russa contra vírus ebola passa por primeira fase

A vacina russa contra o vírus ebola já passou a primeira fase de testes clínicos com a participação de 60 voluntários e provou a sua eficácia, disse a chefe do Rospotrebnadzor, o Serviço Federal de Supervisão de Proteção dos Direitos do Consumidor e do Bem-Estar Humano da Rússia, Anna Popova.
“Entregamos todos os documentos anteontem ao Ministério da Saúde da Rússia para registrar a primeira fase de pesquisa clínica. Eles passaram com sucesso. A vacina provou ser altamente eficaz, com uma [eficácia] de 100% depois de duas inoculações”, disse a chefe do Rospotrebnadzor.
Em março, a Rússia declarou que obteve a base jurídica para testar uma vacina contra o vírus Ebola, recentemente desenvolvida. Segundo relatos, 2 mil cidadãos da Guiné devem ser vacinados durante o teste.

Projeto obriga supermercados a higienizar carrinhos de compra

Carrinhos de supermercado contém bactérias.

Projeto em tramitação na Câmara Municipal, de autoria do vereador Eduardo Tuma, obriga os supermercados que operam na cidade de São Paulo a higienizar, ao menos uma vez a cada quinze dias, os carrinhos de compras utilizados pelos clientes. “O projeto quer oferecer segurança à saúde dos clientes dos supermercados”, afirma Tuma. Segundo ele, é uma forma de evitar a transmissão de doenças e a contaminação dos alimentos transportados por estes carrinhos.
Estarão sujeitos à nova lei, depois de sancionada pelo prefeito, os estabelecimentos comerciais de autosserviço que possuam área de vendas de no mínimo 250 m2, dois check-outs e cinco seções, como por exemplo, mercearia, higiene e limpeza, perecíveis e bazar. “Ao definir o tamanho do espaço de vendas, fica claro que o projeto quer alcançar os locais de maior movimentação de clientes”, explica o vereador.
Tuma acredita que este projeto beneficia tanto o consumidor como o ponto de comércio sujeito à nova lei. “Trata-se de uma ação preventiva, que tem a intenção de proteger os que movimentam os carrinhos de compra e estes são os consumidores, fornecedores, funcionários e até os donos de estabelecimentos”, enfatiza o vereador. O projeto aguarda sanção do prefeito para entrar em vigor.

Anvisa proíbe comercialização de suplementos

Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proíbe a fabricação, distribuição e comercialização dos suplementos vitamínico ou mineral das marcas Cerebral Sucess e Genius X, nas apresentações de cápsulas e à base de vitamina C; e suplementos vitamínico ou mineral da marca Focus-X, cápsula. Foram constatadas irregularidades na rotulagem dos suplementos, segundo a qual os produtos contêm substâncias com finalidade medicamentosa ou terapêutica, ingredientes não declarados e não permitidos para a categoria.
Conforme a agência, a propaganda dos produtos, divulgada por meio de sítios eletrônicos, também trazia alegações terapêuticas e medicamentosas que não são permitidas para esse tipo de alimento. Nos produtos das marcas Cerebral Sucess e Genius X, as alegações irregulares são: aumento do desempenho das funções cognitivas; estímulo da concentração e aumento na oxigenação do cérebro; potencializar a capacidade da memória e de aprendizagem; aumentar o poder de foco e concentração e reduzir a fadiga mental, permitindo mais horas de foco.
Já os suplementos da marca Focus-X trazem alegações como melhora do resgate imediato, humor e o tempo de reação; aumento do fator de crescimento dos nervos receptores no cérebro e combate à perda de fibras e células nervosas causada pelo envelhecimento no cérebro. A agência determinou que a empresa promova o recolhimento das unidades existentes no mercado (ABr).