100 views 6 mins

Médicos Sem Fronteiras leva cuidados de saúde a comunidades ribeirinhas no Pará

em Destaques
domingo, 18 de fevereiro de 2024

Distância é algo relativo para os moradores de Portel, munícipio na região da Ilha do Marajó, no estado do Pará. Tanto é assim que não há resposta precisa para determinar o tempo de deslocamento entre a zona urbana e as comunidades ribeirinhas dessa cidade da Amazônia.

A locomoção pelos longos caminhos fluviais varia de acordo com o tipo de embarcação, a época do ano, o clima, a maré. Para chegar à cidade a partir da capital, Belém, são pelo menos 15 horas de deslocamento de barco e catamarã, apesar da distância ser de apenas cerca de 270 quilômetros. Já em Portel, acessar comunidades ribeirinhas mais distantes pode chegar a 18 horas dependendo do tipo de embarcação.

Entrelaçada por quatro rios, Portel tem uma população de cerca de 62 mil habitantes e metade vive na zona rural, em comunidades ribeirinhas e remanescentes de quilombos. As viagens pelos extensos rios, o calor úmido e as palafitas rodeadas por altas palmeiras de açaí ressaltam o cenário amazônico. No entanto, percorrer a região, nos transporta para além dos estereótipos e permite descobrir desafios quase inimagináveis para quem não vive ali.

Foi assim que Médicos Sem Fronteiras (MSF) pode observar as necessidades e dificuldades locais na atenção primária e secundária de saúde, quando esteve no munícipio em 2021, atuando na resposta à COVID-19. A vivência no território possibilitou à equipe de MSF compreender de que forma poderia trabalhar com as autoridades locais para melhorar o acesso à saúde, o que resultou na criação do projeto na região da Ilha do Marajó, em abril de 2023.

“Nosso objetivo é melhorar o acesso aos cuidados de saúde das pessoas da zona rural, com foco nas mulheres e crianças que são os grupos mais vulneráveis”, explica a responsável operacional do projeto, Anne Gilon. São muitos os desafios enfrentados pelos portelenses na área da saúde. O acesso aos serviços de saúde básicos em geral é restrito e a atenção primária é precária devido a fatores como a escassez de profissionais e recursos financeiros.

A situação é agravada pelas longas distâncias e pelo transporte quase exclusivamente fluvial.
Aproximadamente 50% das vias do estado do Pará são hidroviárias – uma realidade distante para muitos brasileiros. O contexto geográfico é um obstáculo logístico e gera um alto custo financeiro que impacta todo o sistema de saúde; desde o fornecimento de medicamentos até o fluxo de consultas com especialistas que vêm de cidades-polo da região, como ginecologistas, pediatras ou anestesistas.

Para os moradores dessas áreas remotas é ainda mais desafiador cuidar da saúde, realizando atividades que em outros contextos seriam simples, como seguir o calendário vacinal e fazer exames de rotina. As longas distâncias e o alto custo do transporte dificultam a ida dos pacientes aos equipamentos de saúde e a própria atuação dos profissionais nas comunidades.

Para minimizar o impacto desses desafios, atualmente MSF trabalha em quatro Unidades Básicas de Saúde (UBS): Portelinha e Rural, na zona urbana; e Acutipereira, Acangatá, na zona rural. A organização também atua no posto de saúde da comunidade de Santo Amaro.

Entre setembro e dezembro, mais de 1.100 consultas médicas foram realizadas por profissionais de MSF e cerca de 2.500 pessoas participaram de atividades de promoção de saúde.

Além disso, a organização tem apoiado as autoridades locais na criação de fluxos e protocolos para o armazenamento de medicamentos, por exemplo. Também estão sendo realizadas capacitações para os profissionais locais. Para desenvolver seu trabalho na região da Ilha do Marajó, MSF conta com uma equipe multidisciplinar em Portel, composta por 40 profissionais de diversas áreas: enfermagem, medicina, psicologia, ginecologia, pediatria, promoção de saúde, assistência social, logística, entre outros.

O MSF também tem outro projeto na região amazônica, na Terra Indígena Yanomami (TIY). Nossos profissionais estão trabalhando para prevenir e tratar a malária e realizando assistência básica de saúde na TIY, na região de Auaris, no estado brasileiro de Roraima. O projeto é desenvolvido em parceria com a divisão de saúde indígena do Ministério da Saúde do Brasil. – Fonte: (https://www.msf.org.br).