Crise política não afetou discussões sobre distratos, diz CBIC

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, afirmou ontem (8), que a crise política desencadeada pela delação de executivos da JBS não afetou o andamento das discussões do setor com o governo sobre distratos.

“A questão está andando. O que nos alegra, neste instante, é que o governo percebeu o risco sistêmico que é o distrato”, disse Martins, após participação em evento promovido pela Revista Exame, em São Paulo.
Segundo o executivo, os distratos acabam gerando uma reação em cadeia, uma vez que as construtoras deixam de pagar as dívidas com os bancos e, consequentemente, não conseguem novos financiamentos, o que dificulta a geração de empregos no setor. Martins ressalta que as regras atuais criam um cenário que estimula os distratos. “Mas, se criarmos algum tipo de inibição, para que a pessoa que efetivamente precisar possa usar, mas que não seja tão fácil como é hoje, vai fazer toda a diferença.”
Ele, no entanto, não deu maiores detalhes sobre o teor das discussões envolvendo a proposta. Quanto ao endereçamento do tema pelo governo, via projeto ou MP, Martins disse que ainda não há nada definido. “Ambas possuem prós e contras, dentro do aspecto político e tempo de trâmite”, disse. Presente no mesmo evento, o presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto, disse acreditar que a crise política não gerará atrasos nas discussões envolvendo os distratos. “Os debates são em nível técnico e jurídico, fugindo das questões políticas”, disse Neto (AE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap