83 views 4 mins

Como controlar sem controlar?

em Destaques
quinta-feira, 29 de junho de 2023

Marina Vaz (*)

A adoção compulsória do trabalho remoto na pandemia acendeu alguns debates na bolha corporativa. Um deles, como não poderia deixar de ser, foi a questão do controle: “como garantir os resultados com toda a minha equipe trabalhando a um passo de distância de suas camas?” ou “como ter certeza que o colaborador está trabalhando na planilha ao invés de estar jogando The Legend of Zelda?”. Convenhamos que esse cenário revelou o quão imaturas têm sido as relações de trabalho, e isso não é só no Brasil.

A fragilidade da confiança, um pilar tão importante para as relações, têm inviabilizado os ganhos que o modelo remoto traz na prerrogativa do tal controle. Com isso, o que vemos é a infantilização das relações de trabalho, já que só posso garantir que minha equipe exercerá seu papel se estiverem sob o meu olhar. Do contrário, serão como crianças no parquinho da escola que se recusam a voltar para as classes.

É importante que o empregador se pergunte: O que eu estou querendo controlar? Essa necessidade é sobre as entregas combinadas ou sobre a vida do meu colaborador? Será que não estamos mais interessados em quantos mls de café nossos profissionais tomam por dia do que na qualidade da entrega de seu trabalho?.

O que eu estou querendo controlar? Essa necessidade é sobre as entregas combinadas ou sobre a vida do meu colaborador?

Em tese, a confiança, sobretudo nas relações de trabalho, deveria ser o ponto de partida e não algo a ser conquistado a duras penas. Não me interessa trabalhar, nem por uma hora, com profissionais que não confio que irão cumprir com suas obrigações de trabalho, da mesma maneira que eu irei cumprir com as minhas enquanto gestora.

Para o trabalho remoto funcionar é preciso incentivar autonomia, autogestão de tempo e tarefas e autorresponsabilidade. É improvável que os colaboradores performem a contento em um ambiente regido pela desconfiança. Diante disso, pode ser que tenha surgido ainda um outro debate: o trabalho remoto é para todo mundo? Provavelmente, não. Mas, se estamos falando de profissionais responsáveis e adultos, esse crivo não poderia ser pessoal? Será realmente necessário o papel de um gestor que determina qual modelo funciona melhor para cada indivíduo?

Em mais de seis anos como empreendedora, o que eu posso afirmar, com absoluta certeza, é que o controle não vai te garantir sucesso. Pelo contrário, o microgerenciamento te levará à exaustão física e mental. Já a liberdade e flexibilidade irão te ajudar a construir uma relação mais saudável com você mesmo no trabalho e ainda mais com as pessoas que estão ao seu lado, ajudando a desenvolver o seu negócio. Confiança muda o jogo.

(*) É CEO e fundadora da Scooto, central de atendimento com o cliente que transforma o relacionamento entre pessoas e empresas.