A gravação do presidente

Heródoto Barbeiro (*)

O presidente deve ou não ter as gravações que fez no palácio do governo divulgadas pela mídia para a opinião pública?

O debate pega fogo uma vez que de um lado envolve a oposição e de outro o grupo eleito para conduzir o país por quatro anos. O presidente e seus assessores alegam que as conversas são pessoais e por isso não tem obrigação de divulgar, uma vez que envolvem questões de governo e de segurança nacional que podem abalar a estabilidade do país.

A oposição não deixa por menos e dá munição para que a imprensa se aprofunde nas investigações sobre as suspeitas que pesam sobre o chefe do executivo, sua intenção de abafar as investigações, questões inaceitáveis para a manutenção da democracia.

O presidente não completa nem bem dois anos de mandato e já se debate abertamente se deve ou não ser submetido a um processo na câmara dos deputados, que pode desaguar em um processo de impeachment e a consequente perda de mandato. Isto é impensável para o grupo que está no poder. A defesa alega que a divulgação das gravações é uma violação da intimidade do presidente.

Afinal as gravações que ocorrem no gabinete presidencial, ou em reuniões no palácio de governo é de propriedade pública ou não? Para responder há no horizonte um conflito dos poderes da república. De um lado o executivo, de outro o judiciário representado pelo supremo tribunal. A popularidade do presidente despenca e grande parte da população quer ouvir o que contem essas gravações.

Os líderes da oposição promovem atos de protestos, debates na imprensa, comícios e passeatas nas ruas de algumas grandes cidades. Os ânimos se acirram, afinal o presidente tem um mandato de quatro anos legitimamente conquistado com a maioria dos votos dos eleitores, e teoricamente só eles podem tirá-lo do poder. Os analistas políticos não dão trégua e tudo caminha para uma fragorosa derrota do chefe do poder executivo.

Não se admite em uma democracia que seja lá quem for esteja acima da lei e a mídia repete que quando alguém assume um cargo público perde parte de sua intimidade, uma vez que há o interesse público e do Estado sobre o conteúdo do que se discutiu no gabinete presidencial.

O supremo autoriza a divulgação das gravações. Atende uma decisão do poder judiciário. É de interesse público decidem os ministros. Era o que faltava para que o pedido de impeachment fosse aceito no Congresso. As investigações feitas por dois jornalistas ganham uma repercussão nacional.

Uma fonte preservada nas reportagens, conhecida como o Garganta Profunda, afirma que o presidente sabe que a sede do partido Democrata foi invadida e os invasores presos instalando microfones para espionar o que a oposição tramava. Agora se discute se a própria reeleição de Richard Nixon foi fruto dessa malandragem ilegal.

O jornal The Washington Post que divulgou a invasão do prédio Watergate, sede do Partido Democrata, centraliza as manifestações contra Nixon. Não precisa ser analista político para ver que ele vai ser apeado do poder e o Partido Republicano também.

Não há outra saída, o vice Gerald Ford é convocado para assumir a presidência no lugar de Richard Nixon que renuncia para escapar do pior. Sai pela porta do fundo da Casa Branca.

(*) – É editor chefe e âncora do Jornal da Record News em multiplataforma (www.herodoto.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap