141 views 3 mins

No universo corporativo, não dobre a aposta se não puder bancá-la

em Artigos
quinta-feira, 19 de maio de 2022

Roberto Vilela (*)

Quem é fã de jogos de cartas sabe que o blefe é um dos elementos mais importantes para uma boa performance.

Junto da experiência e da linguagem corporal, apostar, muitas vezes, naquilo que ainda não se tem, faz toda a diferença para o resultado final da partida.
Não raro, o blefe corporativo também tem sido uma cartada de muitos profissionais – incluindo aqueles em cargos de liderança – em apostas para ganhar mais mercado, novas posições de atuação ou manter clientes em carteira.

O que, como consequência, acaba se tornando um problema recorrente das corporações é que na hora de dobrar as apostas, nem todo profissional pode bancá-las em médio ou longo prazo.

E é neste momento que a coragem, sempre necessária para se escalar oportunidades, vira uma ação kamikaze que coloca em risco não só o apostador, mas muitas pessoas à sua volta.

Aposta sem comprometimento, no jogo corporativo, é uma das ferramentas mais prejudiciais para os negócios e a carreira. Porque quando se colocam na mesa cartas altas em relação a entregas que não poderão ser cumpridas ou habilidades das quais não se domina, coloca-se em risco o sucesso de um negócio e, não obstante, o sustento de diversas famílias.

Ao blefar, no sentido positivo da expressão, projetando-se para projetos que neste momento não temos a capacidade de entregá-los, precisamos ter a ciência e o comprometimento para a realização daquilo que se conquistou mediante aposta.

Isso significa que estudo, busca de parceiros qualificados, formação de times engajados e melhoria contínua devem ser regra para o profissional que lança mão deste artifício em uma negociação.

Não arrisque o ecossistema em que você está inserido se não estiver preparado para atender ou não estiver realmente comprometido em estudar e se dedicar ao trabalho pela qual apostou.

Não se sente à mesa de um jogo que vai comprometer muitas outras pessoas e empresas que estão depositando confiança em você se não for para buscar a melhor performance assim que se levantar dela.

Ser proativo e ter coragem é importante, desde que estas características sejam pautadas pela responsabilidade. Uma atitude altiva gera negócios, mas não pode comprometer as entregas.

É preciso ter a capacidade de entender que somos corresponsáveis pelos projetos com os quais nos comprometemos.

(*) – É autor dos livros Em Busca do Ritmo Perfeito e Caçador de Negócios, com dicas para performances de excelência profissional (www.orobertovilela.com.br).