103 views 3 mins

Incentivar pequenas empresas é a saída para reaquecer economia

em Artigos
quinta-feira, 07 de abril de 2022

Paulo Castro (*)

O empreendedorismo aparece de várias formas na vida das pessoas.

Algumas vem a realização de um sonho, outras como uma maneira de ter mais flexibilidade e gerar mais renda do que em um emprego CLT. Tem também aqueles que veem no empreendedorismo a última alternativa pela crise econômica e de desemprego no país.

Apesar de conhecermos propósitos muito diferentes, todos começam da mesma maneira: com a abertura de uma micro ou pequena empresa, em geral contando com o suporte especializado de um contador. De acordo com um estudo realizado pelo Sebrae, com dados da Receita Federal, apenas no primeiro semestre de 2021 foram abertas mais de 2 milhões de pequenas empresas — número 35% maior do que no mesmo período de 2020, no início da pandemia.

Ainda de acordo com o estudo, as microempresas foram as que representaram maior aumento: saíram de pouco mais de 267 mil para mais de 390 mil, um crescimento de 46%. A tendência é que estes números continuem a subir justamente pelo perfil do empreendedor que buscou essa alternativa para driblar o desemprego.

A retomada econômica ainda é muito lenta e conta com mais uma inimiga: a inflação. Em 2021, a acumulada dos 12 meses chegou ao alarmante índice de dois dígitos. Com o poder de compra reduzido, as famílias brasileiras precisam encontrar maneiras de gastar cada vez menos, o que afeta diretamente o pequeno empreendedor.

Por mais que encontre em sua microempresa uma ponta de esperança para um recomeço, é o que mais vai sentir dificuldade ao fazer o seu negócio sobreviver.
Uma das saídas que pode reduzir o problema é uma política tributária mais favorável para as pequenas e médias empresas.

A alternativa pode ajudar a reaquecer a economia e permitir que uma parcela da população consiga sobreviver de seu negócio e, consequentemente, colaborar para a roda da economia girar de uma maneira mais saudável. Incentivar o empreendedorismo com a redução de impostos seria apenas uma das medidas para mudar o cenário ainda muito incerto para o empreendedor brasileiro.

O regime diferenciado a qual estão sujeitas as microempresas e os MEIs já é uma vitória para o empreendedor, já que é menos burocrático e mais barato. O fato é que, diante de tantas dificuldades causadas por uma série de fatores, políticas direcionadas a quem quer empreender precisam se adaptar, a fim de garantir saúde dos negócios e geração de mais empregos.

(*) – É CEO e co-founder do Contbank, banco digital especialista em crédito e soluções financeiras para empresas com atendimento feito por contadores.