ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

3 dicas para aumentar a receita da sua loja virtual na Black Friday

Falta um pouco mais de 2 meses para acontecer a Black Friday. No ano passado, a data movimentou somente na sexta-feira R$ 1,16 bilhão, o que representa um crescimento nominal de 51% em relação a 2013, de acordo com a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico

20140127113741 660 420 temproario

Maurício Balassiano (*)

O resultado mostra que vale a pena preparar a loja virtual para receber milhares de clientes ávidos por descontos e, claro, por uma boa experiência de compra. Veja três dicas, prepare sua loja virtual para a Black Friday e aumente sua receita.

1) Seu site é seguro? Então, mostre aos seus clientes
Não basta apenas ter um Certificado SSL no seu site, é preciso mostrar aos seus clientes que o ambiente é seguro. Exponha melhor essa informação em um banner na home, incentivando o cliente a clicar no cadeado do navegador e a checar as informações. Vale, também, inserir o Selo de Segurança, que costumeiramente fica somente no rodapé da página, ao lado dos produtos na página do check-out.

Essas medidas são de extrema importância, pois próximo a data da Black Friday seus atuais e potenciais clientes receberão uma grande quantidade de ofertas por e-mail e o medo de acessar um site falso deve aumentar.

Mas atenção: antes desse importante passo, vale observar se o Certificado Digital SSL da sua loja e, por consequência, o Selo de Segurança foram emitidos por uma empresa séria, ética e com boa reputação. Isso porque se o cliente, ao acessar seu e-commerce, visualizar um Selo de Segurança o qual não confia, ele deixará de comprar.

Por outro lado, uma marca de confiança associada a sua loja, pode ser um estímulo para a finalização da compra e, consequentemente, ao aumento da sua conversão. Como ainda falta mais de 2 meses, vale a pena e dá tempo de rever esse investimento.

2) Antecipe suas promoções
Saia na frente da concorrência. Ofereça promoções aos seus atuais e potenciais clientes utilizando o gancho da Black Friday desde já. Como? Novamente, invista em peças de comunicação, como banner no site e também o envio de e-mail marketing. Não esqueça de mencionar sempre que a sua loja está protegida pelo Certificado SSL, ok?

3) Facilite o cadastro no seu site
A regra básica para a venda de produtos ou serviços em uma loja virtual é a identificação do cliente, certo? Então, facilite essa etapa oferecendo a opção de autenticação por meio do Certificado Digital. Assim, o interessado em seus produtos não precisará criar um login e senha para comprar na sua loja e rapidamente poderá efetivar a transação.

Atualmente, mais de 3 milhões de pessoas já utilizam o Certificado Digital para serviços na web e, com certeza, reconheceriam essa opção de login em sua loja como um diferencial.

Aliado a isso, você se resguarda do chargeback - não reconhecimento da compra -, pois tudo o que for realizado por meio do Certificado Digital não pode ser repudiado.

E quanto custa? Não há custo. Você só precisa inserir o serviço na sua loja. Não é necessário, inclusive, alterar a estrutura tecnológica da plataforma.

(*) É diretor de Produtos e Tecnologia da Certisign, Autoridade Certificadora líder da América Latina e especialista em Identificação Digital.


As vantagens do EPUB 3 para os diversos tipos de publicação

Um dos assuntos mais debatidos hoje no setor editorial é o formato dos livros acessíveis no mercado, assim como as vantagens do EPUB 3 para os diversos tipos de publicação. A ferramenta tem, por exemplo, a capacidade de suportar elementos multimídia, como áudio e vídeo. Para o editor ou autor, porém, pode-se dizer que o benefício oferecido é obter um conteúdo bem formatado.
O assunto é tão relevante para o mercado que a Escola do Livro, da Câmara Brasileira do Livro (CBL), está promovendo um workshop com o tema Por que adotar o EPBB 3 como formato universal. O evento acontece no dia 30 de setembro, quarta-feira, entre 10 horas e 13 horas, na sede da CBL. O programa completo está disponível no site www.cbl.org.br.
“O EPUB 3 representa uma economia ao editor, que não precisará produzir para todas as plataformas com o objetivo de ter sucesso na venda do livro. Na prática estamos falando sobre uma redução de custos”, afirma o especialista em livros digitais acessíveis e nos formatos de livro digital DAISY e EPUB 3, Pedro Milliet, que ministrará o curso. “Todos poderão consumir a mesma obra com os recursos disponíveis”. O workshop é destinado a editores, designers e aos que trabalham com a produção de livros. Inscrições: por e-mail – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. - ou telefone – (11) 3069 1300.

 

Dell e Microsoft lançam appliance voltado a Big Data e grandes projetos de BI

A Dell e a Microsoft anunciam o lançamento no mercado brasileiro de um appliance desenvolvido especialmente para atender as necessidades dos projetos de Big Data e de BI (Business Intelligence) que envolvam grandes cargas de trabalho, com custos reduzidos. A Microsoft Analytics Platform System by Dell foi desenvolvida para oferecer uma plataforma completa e econômica para as organizações que precisam gerenciar e analisar volumes massivos de dados.
Esse novo appliance inclui software Microsoft SQL Server Parallel Data Warehouse (PDW) e opcional HDInsight para Apache Hadoop em uma plataforma que já inclui hardware, componentes de rede e ferramentas robustas para agregar alta capacidade de processamento e gestão de dados. Um dos diferenciais está no fato de que os clientes adquirem a solução completa já testada e pronta para usar e passam a contar com um único ponto de contato para os serviços de treinamento, consultoria e suporte, fornecidos pela Dell.
A plataforma é baseada em servidores Dell PowerEdge de 13ª Geração, com gabinetes que suportam até nove nós e capacidade de armazenamento em disco que varia de 21TB a 1,2PB – ou até 6PB de dados comprimidos (www.dell.com.br).

Manter software atualizado é essencial para garantir a segurança

atualizar-browser temproario

A F-Secure, empresa especializada em segurança e privacidade digital, anuncia que mais de 70% das empresas continuam vulneráveis a ataques por não atualizarem seu software. Trata-se de uma descoberta surpreendente, tendo em vista a disponibilidade de soluções de segurança para controlar e administrar a atualização de software nos dispositivos de uma empresa.
Um recente alerta do United States Computer Emergency Readiness Team adverte que até 85% dos ataques focados podem ser evitados seguindo-se precauções simples de segurança. É essencial manter o software atualizado com as mais recentes correções de segurança.
Ainda assim, muitas empresas continuam a negligenciar a importância e o valor de atualizar seu software. Uma recente enquete da F-Secure descobriu que apenas 27% das empresas possuem uma solução para gestão de correções. O problema foi particularmente evidente na França, onde apenas 15% dos entrevistados disseram que suas empresas possuíam uma ferramenta para gestão de atualizações de software. Por outro lado, 46% das empresas nórdicas possuíam uma solução para gestão de patches, o que as deixava mais bem preparadas para proteger os ativos da empresa contra ameaças projetadas para tirar vantagem de vulnerabilidades de software.
O F-Secure Labs relatou um crescimento de 82% nos exploits focados em vulnerabilidade baseada no Flash, revelada após o roubo de dados pelo Hacking Team no último mês de julho. Vianna disse que são picos de atividade como esse o que faz com que os exploits constituam preocupações estratégicas de segurança e seja tão importante a atualização imediata e diligente do software.
Empresas em busca de implementar uma solução robusta de segurança que inclua a gestão de correções podem usar software de proteção como a Business Suite da F-Secure. A última versão da Business Suite contém uma versão atualizada do premiado Client Security da F-Secure, que combina a atualização automatizada de software com ferramentas adicionais de segurança para ajudar as empresas a administrarem e controlarem os riscos impostos por exploits e outras ameaças on-line (www.f-secure.com).

Bloco K vem aí. Sua empresa está preparada?

Fabianni Luiz Ribeiro (*)

O Bloco K é uma obrigatoriedade que vem substituir o antigo Livro Registro de Controle de Produção e Estoque (RCPE) – modelo P3, porém de forma totalmente eletrônica, possibilitando o cruzamento de dados pela Receita com outras obrigações acessórias entregues atualmente ao Fisco

O Bloco K será parte integrante do projeto SPED, através do EFD Fiscal, que assim passará a ter as informações do controle da produção e do estoque. Desta forma, o Fisco terá acesso ao que foi produzido, à ficha técnica de cada produto, sua composição, o que foi consumido e produzido no processo produtivo, e também as perdas e insumos que foram substituídos.
Outra diferença com relação ao estoque será a demonstração destes, que antes era feita no EFD Fiscal de forma anual no registro H010, e que agora passa a ter a demonstração mensal das informações dos saldos em estoque no registro K200.
Vale lembrar que deverão ser apresentadas as informações apenas de forma quantitativa, ou seja, não serão pedidas informações monetárias / custo, pelo menos por enquanto.

Quem deve entregar?
A obrigatoriedade de escrituração do Bloco K começa a partir de janeiro de 2016, e será válida todas as empresas industriais ou equiparadas à indústria que não estão enquadradas no Simples Nacional e MEI (Microempreendedores individuais.

Como?
Para atender esta nova exigência do Fisco, sua empresa necessita ter o controle de produção e estoques devidamente alimentados em seu sistema de gestão (ERP), e, assim, o Bloco K deverá ser gerado / escriturado conforme layout definido pela RFB,e com a seguinte estrutura de registros:

BLOCO K
Registros Descrição
K001 Abertura do Bloco K
  K100 Período de Apuração do ICMS/IPI
    K200 Estoque Escriturado
    K220 Outras movimentações internas entre
Mercadorias
    K230 Itens Produzidos
      K235 Insumos Consumidos
    K250 Industrialização Efetuada por
Terceiros – Itens Produzidos
      K255 Industrialização em Terceiros –
Insumos Consumidos
K990 Encerramento do Bloco K

Além destes registros, serão escriturados os dados vinculados do cadastro de produtos nos registros (0200) e o (0210), consumo especifico padronizado, que são necessários quando o Bloco K é gerado e ocorreu produção:

Registros Descrição
0200 Tabela de identificação do item
0210 Consumo específico padronizado

Sua Empresa esta preparada?
Muito além de uma nova escrituração ou apenas uma nova exigência do Fisco, o Bloco K trás o desafio para as organizações que terão de aperfeiçoar a qualidade dos controles de estoque e de produção, pois a falta disto poderá implicar na exposição da empresa a questionamentos ou até mesmo autuações pelo Fisco.

Dentre os diversos pré-requisitos para um bom controle deste processo, destacamos alguns pontos:
• Cadastro dos produtos codificado corretamente (tipo, NCM, unidades);
• Ter controle efetivo do estoque, com o lançamento/registro no ERP de todos os documentos envolvidos, notas fiscais, ordens de produção e requisições corretamente;
• Definição correta das fórmulas de produção, e previsão de perdas;
• Ter controle das perdas / quebras dos insumos aplicados no processo de industrialização;
- Ter controle de estoque e materiais de terceiros.

Diante de tudo isso, fica evidente a importância de ter um Sistema (ERP) integrado com todas as informações necessárias, e fica o alerta que, o quanto antes: rever seus processos internos no que se refere ao seu ciclo produtivo e controle do seu estoque, pois, o Fisco, além de ter acesso a todo o processo produtivo da empresa poderá fechar todo o ciclo da operação fiscal.

(*) É Analista Fiscal da Sankhya Gestão de Negócios

 
 
 
 
 
Outras Matérias sobre Tecnologia

 

Mais Lidas

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171