ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Quem tem medo da robotização?

Uma das primeiras imagens que vem à mente com a palavra “robotização” é a de máquinas assumindo todos os lugares da mão de obra humana, em uma realidade bastante futurista e próxima da ficção. Questões como “qual será o papel dos trabalhadores nesse novo cenário?” aliadas às projeções da falta de empregos nos próximos anos traçam um cenário alarmante e podem causar repulsa à adoção das novas tecnologias no ambiente de trabalho

xbinary-2 temproiario

Apesar de toda a discussão que o tema traz, é preciso ter em mente que não é a robotização em si que gera impacto social ou desemprego, mas o plano estratégico de cada empresa. Ilustração: Pixabay

Laércio Lamarca (*)

A realidade, contudo, promete ser bem mais branda do que aparenta. Hoje, os cobots (robôs colaborativos) representam a principal ajuda aos colaboradores e gestores nos próximos anos, sem eliminar o papel humano dentro das empresas.
Alguns estudos estimam que, para cada robô colaborativo que une a indústria, três novos empregos ligados a ele serão gerados. Não se pode ignorar o fato de que nem todos poderão optar por esses novos empregos. No entanto, é inegável que a robotização abrirá uma infinidade de oportunidades para milhões de colaboradores, livres de tarefas repetitivas, motivando-os a adquirir novos conhecimentos, desafios intelectuais e aprendizagem.
À primeira vista, essa coexistência entre robôs e humanos não deve ser percebida como algo natural: as barreiras culturais são um desafio a ser superado, especialmente porque a automação é frequentemente vista como algo “emergencial”, usado em altos picos de trabalho. Mas a implantação progressiva de tecnologia em diferentes áreas, como uma ajuda permanente, deve levar a uma profunda transformação do mercado de trabalho, exigindo cada vez mais habilidades sociais – que as máquinas estão longe de dominar.
Mas, em longo prazo, não há dúvidas de que a robotização levará a ambientes de trabalho formados por um híbrido entre trabalhadores humanos e digitais (chamados digiworkers). Ou, mais especificamente, os colaboradores devem aprimorar suas capacidades graças à contribuição de robôs colaborativos, com pontos de coexistência total entre pessoas e software.
Os ganhos em produtividade são o principal motor dessa mudança. A partir do uso cada vez maior de robôs colaborativos, é possível obter ganhos significativos em produtividade, evitando o desperdício de talentos humanos e redistribuindo cargas de trabalho. Colaboradores podem ganhar mais tempo para tarefas estratégicas, além de recuperar ideias e projetos deixados de lado. Além disso, as ferramentas ajudam o ser humano a enfrentar desafios, fornecendo o suporte necessário para que a capacidade humana alcance os maiores e melhores objetivos para as empresas.
Apesar de toda a discussão que o tema traz, é preciso ter em mente que não é a robotização em si que gera impacto social ou desemprego, mas o plano estratégico de cada empresa. No Brasil, é possível encontrar casos de empresas líderes em seu setor de atividade que implementou extensos programas de robotização, mas não demitiram nenhum de seus trabalhadores, transferidos para novas funções.
Para ter sucesso, é fundamental que as empresas ofereçam aos colaboradores ferramentas e opções que lhes permitam sentir-se valorizados, além de assumir a responsabilidade com o desenvolvimento profissional deles ao longo do tempo. A transformação deve atingir todos os níveis da estrutura organizacional e novas equipes multifuncionais e cada vez mais ágeis devem estar presentes em todos os setores.
Na economia atual, é difícil prever as múltiplas demandas e necessidades dos consumidores e, mais do que isso, é um desafio manter os níveis de produtividade em meio à incerteza que paira sobre organizações de diferentes setores. Portanto, é necessário investir na certeza que a inovação tecnológica representa: a automação da inteligência ajuda as empresas a enfrentar novos desafios e otimiza a contribuição de valor dos trabalhadores. O trabalho híbrido entre humanos e robôs já deixou de ser um elemento supérfluo para se tornar o elemento chave de um ambiente de trabalho eficiente, dinâmico e flexível. Estar preparado desde já é sinônimo de garantir a sobrevivência no futuro.

(*) É gerente de Operações da Minsait no Brasil.

Pesquisadores da USP são premiados em desafio para aumentar segurança de carros autônomos

Imagem 2 temproiario

Foi preciso percorrer 6.582 quilômetros por mais de 5,7 mil horas para que os 69 carros autônomos dos melhores laboratórios de pesquisa do mundo concluíssem uma competição inédita. São quilômetros mais do que suficientes para cruzar, de carro, a distância que separa o Oiapoque, no extremo norte do Brasil, do Chuí, no extremo sul. A questão é que esses carros não alcançaram a façanha enfrentando estradas pavimentadas ou de terra, mas usando uma plataforma virtual que simula percursos, o Car Learning to Act (CARLA).
Tal como em um rally da vida real, a competição internacional demandava que os veículos criados pelos 211 participantes percorressem rotas virtuais, encarando engarrafamento, chuva, placas de trânsito, semáforos, carros desavisados, pedestres incautos além de outros imprevistos. No entanto, diferentemente dos jogos eletrônicos, nesse caso não havia controle remoto: os participantes da disputa programavam seus veículos diretamente de seus laboratórios de pesquisa, espalhados por vários locais do planeta, e enviavam os códigos para computadores que processavam essas informações. Automaticamente, a plataforma de simulação verificava como cada veículo tinha se comportado e computava os pontos obtidos. Nesse rally virtual, não é quem anda mais rápido que se torna campeão, mas quem comete o menor número de infrações e acumula mais pontos.
Resultado: o carro autônomo criado por seis alunos de pós-graduação e dois professores da USP obteve o melhor desempenho em três das quatro categorias do Desafio de Direção Autônoma CARLA, que foi patrocinado por empresas líderes na corrida pelo desenvolvimento da tecnologia para veículos autônomos. O time ainda conseguiu o segundo lugar na única categoria que não venceu e conquistou um prêmio total de US$ 17 mil. “A principal motivação dos pesquisadores em direção autônoma é promover segurança. A ideia é, no futuro, ter um nível de automação em que os veículos autônomos sejam capazes de alcançar resultados melhores do que um ser humano”, explica Júnior Rodrigues da Silva, doutorando do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP e um dos membros da equipe campeã.
Coordenada pelos professores Denis Wolf e Fernando Osório, do Laboratório de Robótica Móvel do ICMC, a equipe foi composta por mais cinco pós-graduandos: Angelica Mizuno Nakamura; Iago Pachêco Gomes; Jean Amaro; Tiago Cesar dos Santos e Luis Alberto Rosero. O doutorando Júnior ressalta ainda que, para se tornarem mais competentes que os humanos, os veículos autônomos ainda têm uma longa estrada pela frente. Daí a relevância de participar de desafios de simulação, que possibilitem às máquinas passarem por situações muito próximas às que os motoristas vivenciam no mundo real.

Inteligência artificial e tecnologias cognitivas já são realidade em processos seletivos

O mercado de recursos humanos está em processo complexo e profundo de transformação e a tecnologia é protagonista de mudanças estruturais no setor. E é nesse cenário que a Nexo AI, empresa que usa inteligência artificial, internet das coisas e outras ferramentas tecnológicas para acelerar empresas, vem se destacando ao criar soluções criativas para os processos de contratação.
A Connekt é um dos resultados. A plataforma de recrutamento oferece uma experiência 100% digital para os candidatos e cria uma estratégia de marketing digital para cada vaga específica. No entanto, o maior diferencial, é a utilização de algoritmos para promover a combinação entre os possíveis colaboradores com a cultura profissional e cultural da empresa.
"Usamos inteligência artificial para recomendar as perguntas que o recrutador deve fazer ao candidato, de acordo com as qualificações indicadas para o cargo. Posteriormente, analisando todas as informações disponíveis, a plataforma indica à empresa as pessoas mais apropriadas para aquela vaga e vice-versa", explica Diego Figueredo, CEO da Nexo AI.
Para Henry Novaes, sócio da Connekt, o mercado brasileiro está defasado em relação a outros países, mas o futuro das RHTechs é promissor. "Em um processo seletivo tradicional, 80% do tempo é usado para atividades operacionais, desde buscar em redes sociais até encontrar horário para agendar a entrevista. Nosso principal diferencial é usar dados e marketing para atrair candidatos. Com o uso da tecnologia, as contratações ficam mais assertivas e sobra mais tempo para atividades estratégicas", justifica.

 
 
Outras Matérias sobre Tecnologia

 

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171