ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Um mercado em sustentável expansão

José Marcos Szuster (*)

Como garante nossa Constituição, o acesso à saúde é direito fundamental e universal.

Embora a economia brasileira siga estagnada, com empresas e investidores à espera das reformas previdenciária e tributária, o mercado de produtos para a saúde está em ascensão, gerando oportunidades para novos players. A tecnologia da informação impulsionou seu crescimento, propiciando inúmeras parcerias e a propagação de startups.

Surgem aplicativos e soluções que fomentam o setor e otimizam sua produtividade. A área transforma-se com a internet das coisas, nanotecnologia, inteligência artificial, realidade aumentada, sistemas de gestão da saúde/hospitalar e big data. Além, claro, da utilização de ferramentas como os smartphones, para monitorar remotamente os pacientes.

Acrescenta-se a esse impulso de caráter disruptivo do mercado, um grande potencial de sustentabilidade: de acordo com projeção do IBGE, a população está em trajetória de envelhecimento. A partir de 2039, haverá mais pessoas idosas do que crianças vivendo no País. O estudo mostra, ainda, que, até 2060, o percentual de pessoas com mais de 65 anos passará dos atuais 9,2% para 25,5%. Ou seja, um em cada quatro brasileiros será idoso.

Com o aumento da expectativa de vida da população, a incidência e prevalência de doenças crônicas crescem, gerando mais necessidade de acesso a produtos (medicamentos e equipamentos médicos) e serviços (atenção farmacêutica e médicos, dentre outros). Também aumenta a necessidade de investimento em prevenção e melhor qualidade da vida.

Ainda como resultado do envelhecimento da população, há uma preocupação maior com o planejamento estratégico da saúde, pública e suplementar, sinalizando outra tendência de expansão na demanda do atendimento médico-hospitalar. Nesse contexto, Estado e sistema privado precisam acompanhar as transformações do perfil de pacientes.

Outro fator que poderá estimular o mercado, em especial no tocante aos produtos de saúde importados, é o equilíbrio do câmbio, que se espera no novo governo, principalmente a partir da reforma previdenciária, importante para o ajuste das contas públicas. A trajetória cambial para 2019 deverá ser mais favorável.

No ano anterior, o real perdeu 14,5% de seu valor para o dólar, o que marcou o período mais fraco da moeda desde 2015, quando do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para empresas, como a MedLevensohn, que importam produtos e equipamentos, o ajuste do câmbio representa mais um fator de crescimento.

Por todas essas razões, o mercado de produtos e equipamentos para saúde está em ascensão e deverá continuar se expandindo. O mais importante nesse movimento, contudo, é a garantia de bom atendimento e de acesso cada vez mais amplo da população aos avanços propiciados pela tecnologia, tanto no diagnóstico, como prevenção e tratamento.

Trata-se de prioridade absoluta, como, aliás, garante nossa Constituição, que estabelece o acesso à saúde como direito fundamental e universal.

(*) - É CEO da MedLevensohn, distribuidora de produtos na área da saúde.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171