ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

As aulas sem tecnologia estão com os dias contados

Fabio Ivatiuk (*)

Não é exagero dizer que o avanço da tecnologia mudou o mundo.

Diversas áreas passaram por profundas transformações nos últimos anos, o que levou a novos hábitos entre as pessoas. Contudo, um setor ainda insiste em utilizar métodos antigos e que acrescentam pouco às pessoas: a educação. As diversas ferramentas tecnológicas ampliaram as possibilidades de aprendizado e estão em sintonia com a rotina das gerações mais jovens, acostumadas a ter esses recursos à disposição em grande parte de suas vidas.

Passou da hora, portanto, das instituições de ensino entrarem no século 21 e, finalmente, potencializarem suas aulas. A adoção de soluções tecnológicas nas salas é uma demanda dos próprios alunos. De acordo com a pesquisa 'Nossa Escola em (Re)Construção', da Porvir, praticamente a metade dos estudantes brasileiros (51%) acredita que não pode faltar tecnologia em todos os espaços da escola.

Essa preocupação estimula o surgimento das Edtechs, startups especializadas em combinar tecnologia com educação. Apenas em 2017, essas empresas movimentaram US$ 9,52 bilhões em todo o mundo, segundo relatório da consultoria Metaari. Não chega a ser surpreendente que os avanços educacionais sejam estimulados pelas edtechs.

Em outras áreas também são as startups as principais responsáveis pelo desenvolvimento de serviços inovadores, como o mercado financeiro e os aplicativos de transporte, medicina e entretenimento. A busca por modelos inovadores parte justamente de empresas dispostas a entenderem o novo comportamento das pessoas em diferentes áreas. Hoje, por exemplo, já existe diversas novidades ao redor do mundo e logo representarão uma mudança na forma como os brasileiros aprendem.

Entre os recursos disponíveis estão a Inteligência Artificial e o Big Data, fundamentais para que a instituição de ensino possa ter um conhecimento detalhado de seus alunos. Dessa forma, é possível analisar individual o progresso e as dificuldades do estudante e pensar em planos de aula de acordo com a sua necessidade real. Além disso, a Realidade Virtual ajuda a transportar o jovem a um local desejado.

No caso de escolas de idiomas, por exemplo, para uma "viagem" ao exterior. Isso facilita a aprendizagem ao estimular que o aluno coloque em prática tudo o que aprendeu. Com a utilização da tecnologia, as escolas passam a ter novos dados para entender seus alunos e podem exercer um controle muito maior sobre o desempenho deles.

Antes, os professores tinham poucas informações em mãos e precisavam "adivinhar" a razão para uma nota baixa. Agora a situação mudou e os motivos estão mais claros. As instituições de ensino finalmente saem da era do "achismo" e do palpite para a da informação precisa. Dessa forma, as aulas tradicionais, sejam elas de idiomas ou de outra disciplina, tendem a perder espaço entre os alunos.

Algumas mudanças já podem ser percebidas, como aulas online de reforço e aplicativos que auxiliam no dia a dia. Contudo, grandes mudança ainda estão por vir na educação. Hoje já existe tecnologia e demanda para isso.

A transformação da sala de aula é um processo inevitável em todo o mundo.

(*) - É CEO na Beetools, rede de escolas de inglês que otimiza o aprendizado do aluno por meio de professores, realidade virtual, inteligência artificial e Big Data (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171