ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

É Páscoa. Onde estão os coelhinhos e os ovos?

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

“PESSACH”, para os judeus (a palavra significa “passagem”), rememora a cerimônia instituída no Egito, na véspera da saída do povo hebreu rumo à Terra Prometida.

Representa tanto a passagem da escravidão para a liberdade como a passagem do anjo do Senhor que, em cumprimento à última praga, traria a morte a todos os primogênitos, menos para as casas que estivessem com suas portas marcadas por um sinal muito especial.

O livro de Êxodo – o segundo da Bíblia – narra, no capítulo 12, o evento com detalhes, muitos dos quais bem conhecidos nossos. A começar pelo sinal já referido: o sangue de um cordeiro sem mácula, que seria sacrificado para salvar aquela casa. O versículo 14 determina: “Este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. ”

PÁSCOA, para os cristãos, traz igualmente o sentido de passagem. Da morte – em decorrência do pecado – para a vida, pela salvação por Cristo. A simbologia do sangue do cordeiro imaculado da “Pessach” encontra paralelo no sangue de Jesus, “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, na expressão textual do Evangelho de João, capítulo 1.

Por isso, disse Jesus na celebração da última ceia com seus discípulos, ao servir-lhes o vinho: “Isto é o meu sangue, o sangue da Nova Aliança que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mateus, 26:28). Páscoa traduz, também, a vitória de Jesus sobre a morte, pela ressurreição e a gênese do Cristianismo. Rui Barbosa dirá: “De uma palavra anunciada, um ‘surrexit’ emergiu o mundo cristão”!

O COELHO DA PÁSCOA é “corpo estranho”, não pertencente a nenhuma dessas fontes. Surgiu com o sincretismo religioso, em que algumas datas e símbolos pagãos se incorporaram ao incipiente cristianismo, como forma de facilitar sua assimilação. A festa em homenagem a EOSTRE, deusa da fertilidade e do renascimento, de tradição anglo-saxônica, celebrava o início da primavera, com a volta do sol e das flores, dando NOVA VIDA à terra.

Um dos símbolos integrantes de seu culto era a LEBRE (que acabou sendo trocada pelo coelho!). Essa origem se conserva no nome que a Páscoa tem em alemão: OSTERN e em inglês: EASTER. Por outro lado, associa-se o coelho ou a lebre à ideia de FERTILIDADE, por sua rápida e fértil reprodução. Ofertar um desses animais a alguém significava, portanto, desejar-lhe PROSPERIDADE.

O OVO DE CHOCOLATE, por fim, completa o quadro simbólico. O ovo representa a VIDA LATENTE, aquela que vai surgir, ou ressurgir, como as flores na primavera. A pessoa que o oferece a outrem, deseja-lhe a conservação da vida, a LONGEVIDADE. No início, os ovos eram de galinha, cuidadosamente decorados. Em alguns países do leste europeu, o hábito ainda persiste.

No Novo Mundo, ele passou a ser substituído pelo ovo de chocolate – cá entre nós – muito mais saboroso. E... muito, muito mais calórico!

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Uma estratégia de mãe
  2. "Me divirto tudo que tenho direito"
  3. Elas têm mais memória do que eles?
  4. Dá para ensinar Oratória em UM DIA?
  5. Onde começam as diferenças
  6. QI x QE
  7. Síncope no Judiciário
  8. Uma mesma lição: em São Tiago e na natureza...
  9. O médium e o monstro
  10. Até tu, Waze?
  11. Palavras da mais sábia das mulheres: a mãe!
  12. Matrimônio... ou Patrimônio?
  13. Os mais imbecis e insensíveis dos homens!
  14. “Brasil acima de tudo; Deus acima de todos”!
  15. Antes de ligar a boca...
  16. Estelionato conjugal!
  17. O GRUPO DE CRISTO
  18. Intuição existe mesmo? E... funciona?
  19. Você se comunica em branco e preto?
  20. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  21. Será que fui claro?
  22. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  23. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  24. Aí vão mais frases mal...ditas!
  25. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  26. Mais frases mal...ditas!
  27. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  28. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  29. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  30. AFILANDO AS FILAS!
  31. Direito de resposta
  32. Uma frase mal...dita!
  33. “Caso consigam serem os mais votados...”
  34. “O amor é forte como a morte”.
  35. Novos tempos na Política?
  36. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  37. “Eu quero é rosetar...”
  38. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  39. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  40. Influências americanas na língua italiana...
  41. Conteúdo e Forma
  42. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  43. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  44. Silêncio...
  45. Verbos diferentes para seres diferentes...
  46. E “O homem do tempo”, heim?
  47. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  48. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  49. O turismo descollorido
  50. Haviam ou havia?
  51. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  52. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  53. “O pior cego é o que não quer ver”
  54. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  55. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  56. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  57. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  58. Línguas parecidas...I
  59. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  60. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  61. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  62. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  63. A prolixidade castigada...
  64. Pó... ou Vida?
  65. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  66. Codificação e decodificação
  67. Grama: no jardim ou na balança?
  68. Uma arroba de história...
  69. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  70. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  71. HÁ 39 ANOS...
  72. IMPROVISO!
  73. Recordar é viver...
  74. Variações do mesmo tema ...
  75. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  76. Afinal, é Este ou Esse?
  77. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  78. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  79. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  80. Comunicação e Relacionamento Humano
  81. Línguas parecidas
  82. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  83. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  84. No princípio era o Verbo
  85. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  86. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  87. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  88. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  89. Travas e entraves da comunicação
  90. A vírgula... ah! a vírgula!
  91. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  92. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  93. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  94. Juizeco e Chefete...
  95. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  96. O xis da questão...
  97. Inibição! Como e porque surge!
  98. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  99. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  100. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171