ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Geraldo Nunes, jornalista e memorialista,
integra a Academia Paulista de História.
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Da Vila Buarque de Paulo Bomfim só resta a Igreja da Consolação

Paulistano, nascido em 1926, o poeta Paulo Bomfim nos deixou recentemente

6F - Paulo Bomfim temp

Paulo Bofim, Príncipe dos Poetas Brasileiros. Foto: Blog do Castorp

Filho do médico Simeão dos Santos Bomfim e da artista plástica Maria de Lourdes Lébeis Bomfim, assistiu ainda criança os acontecimentos em torno da revolução de 1932. Seu pai seguiu com as frentes de luta para a formação dos hospitais de campanha voltados a atender os feridos de guerra, enquanto tios e primos seguiram adiante com o front.
Paulo Bomfim veio ao mundo para ser o grande artífice das palavras de louvor à sua terra natal, sendo por isso aclamado como “O Poeta da Cidade” e considerado o sucessor de Guilherme de Almeida na condição de “Príncipe dos Poetas Brasileiros”. Quem o conheceu sabe que ele nunca ostentou sabedoria, preferindo atribuir a terceiros um saber maior sobre fatos históricos, pitorescos ou marcantes dos acontecimentos ligados a São Paulo.
Foram muitas as recordações de infância relatadas por Paulo Bomfim, quase todas acontecidas na Vila Buarque, cuja residência na Rua Rego Freitas 59, servia de centro cultural para a reunião de intelectuais em torno de suas tias Cecília e Magdalena Lébeis, que lá recebiam amigos como os poetas parnasianos Coelho Neto e Martins Fontes, além do próprio Guilherme de Almeida e do maestro Heitor Villa – Lobos. “Daquele bairro que vivenciei quando menino nada mais restou, a não ser a Igreja da Consolação, a única referência ainda viva daqueles tempos”.
Certa vez, em uma entrevista para a Rádio Eldorado, Paulo revelou que costumava ir ao cemitério da Consolação, deixando sempre uma rosa sobre o túmulo da marquesa de Santos. “Uma vez, vi uma preta velha ajoelhada rezando. Ela virou-se para mim e perguntou se eu era devoto da marquesa. Eu disse que sim e essa mulher então me contou que havia recebido um milagre porque pediu em oração à marquesa que intercedesse junto ao professor Pietro Maria Bardi, então diretor do MASP, para que ele autorizasse uma exposição das pinturas dela. Atendida, a mulher estava lá pagando a promessa”.
Paulo Bomfim conviveu com Anita Malfatti que desenhou seu rosto em 1946 para a capa do livro, ‘Antonio Triste’, seu primeiro livro de poesias com prefácio de Guilherme de Almeida. Outro grande nome da literatura que conheceu ainda menino, foi o poeta modernista Mário de Andrade.
Generoso e solícito com todos que o procuravam, Paulo tinha sempre uma palavra de elogio.
“Se for para criticar ele prefere ficar quieto” nos disse certa vez sua esposa Emy (Emma Gelfi Bomfim), com quem ficou casado durante 50 anos. Em 2016, ao completar 90 anos, Paulo foi homenageado com o livro “Porta Retratos”, organizado pela jornalista Di Bonetti, onde foi mostrado o acervo de fotografias dele com amigos e familiares, tendo como pano de fundo cenas urbanas da cidade de São Paulo. Pena que ele teve que partir. Se existissem mais pessoas com a sensibilidade de Paulo Bomfim, o mundo seria melhor. Ele dos deixou em 7 de julho último, aos 92 anos. Sua poesia ficará para sempre.

(*) Geraldo Nunes, jornalista e memorialista, integra a Academia Paulista de História. (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).

Mais artigos...

  1. Paixão do brasileiro pelo futebol começou há 100 anos, no terceiro Campeonato Sul-Americano
  2. Zé Nogueira: uma longa jornada que durou 89 anos de muita atividade
  3. Antônio Conselheiro tem seu nome inscrito no Panteão dos Heróis da Pátria
  4. Pintura da Santa Ceia é atração em paróquia da Vila Mariana
  5. Estradas que nasceram a partir de antigas trilhas abertas pelos índios
  6. Decreto oficial de D. Leopoldina formalizando a Independência do Brasil foi queimado no incêndio do Museu Nacional
  7. Os 100 anos da gripe espanhola e o boato da neve em São Paulo
  8. Os 60 anos da Bossa Nova e as reflexões sobre o destino da Música Popular Brasileira
  9. Dia do Mundial do Rock virou festa dos “coroas”
  10. Reflexões sobre a Revolução Constitucionalista de 1932
  11. Alegria da garotada, o futebol de botão é agora esporte sério
  12. Os 80 anos do “novo” Viaduto do Chá
  13. Capelas que ajudam a contar a história do Grande ABC e de São Paulo
  14. Em São Paulo a tradição das capelas segue mantida
  15. O Dia Mundial do Rádio e as confusões do carnaval
  16. Dançarinas de aluguel que atuavam nos taxi-dancings de São Paulo
  17. Era uma vez um repórter aéreo na noite do réveillon
  18. Lendas e Verdades sobre o Natal
  19. Alguém ainda duvida que Elvis não morreu?
  20. Greve Geral há cem anos traz reflexões sobre o momento atual
  21. Jânio Quadros volta a ser assunto na cidade após entrega dos “Arcos”
  22. Machado de Assis e os 178 anos de um texto que não envelhece
  23. Os 50 anos do disco mais emblemático dos Beatles
  24. Conheça os fatos que marcaram a fatídica noite de 23 de maio de 1932
  25. Os 80 anos da Rádio Bandeirantes e a democracia no Brasil
  26. São Paulo com suas ruas e bairros de nomes polêmicos
  27. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  28. O fim da Rádio Estadão é só um pedaço da crise instalada na mídia
  29. Há 150 anos o trem chegava a São Paulo
  30. Bravo Maestro, ou Maestro Bravo?
  31. Belém ou Belenzinho? Eis a questão
  32. “Novos Cangaceiros” agem no interior do Nordeste como nos tempos de Virgulino Ferreira, o “Lampião”
  33. Memórias de um repórter aéreo no aniversário da cidade
  34. A estrela sobe
  35. Circulando de carro por uma São Paulo que não volta mais
  36. Um passeio na história paulistana para quem visita a Liberdade
  37. Os 50 anos do álbum Revolver e a curiosa história de Eleanor Rigby
  38. Na festa da Rádio Nacional preocupação e saudades
  39. Paralimpíadas prometem marcar história no Brasil
  40. Morre o policial criador do Museu do Crime
  41. A curiosa passagem de um cronista inglês pelo Brasil de 1927
  42. Postura do povo paulista em 32 é exemplo para nossos dias
  43. Narrações esportivas da Copa 50 são doadas ao Museu do Futebol
  44. Vamos falar da Mooca?
  45. Os reis do futebol
  46. Esculápios, Boticas e Misericórdias na Piratininga D’Outrora
  47. A magia da vida nas canções de Gal Costa
  48. Conheça a verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  49. A Era do Rádio
  50. São Paulo mantém mas não preserva a lenda do DC-3
  51. Os 20 anos do Windows 95 e o museu brasileiro do computador
  52. 50 anos depois a Jovem Guarda já é vista com melhores olhos
  53. Estados Unidos reabrem embaixada com festa e desconfiança
  54. Constellation: uma viagem aérea e musical pelo Rio de Janeiro antigo
  55. Há 60 anos surgia a fábrica de sonhos de Walt Disney
  56. Da maioridade de Dom Pedro II aos dias atuais, o Brasil sempre foi um país de “pedaladas”
  57. Marisa Monte reconhecida entre as melhores da MPB
  58. Estatuto da Pessoa com Deficiência: agora começa luta para qualificar a mão de obra
  59. A verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  60. Marreco jogou melhor no tricolor do que Pato e Ganso
  61. Maria Bethânia: quinta melhor voz da MPB em todos os tempos
  62. Você já foi chamado de “coxinha”?
  63. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital
  64. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital (2)
  65. Livro e exposição resgatam chegada do zepelim ao Brasil
  66. Arqueólogas descobrem no Rio caminho secreto de Dom Pedro I
  67. Mostra desvenda a figura do Morgado de Mateus
  68. Em novo livro Gilles Lapouge declara seu amor ao Brasil
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171