ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Capoeira muda a vida de refugiados em áreas de conflito

O projeto surgiu em 2007 em Damasco, na Síria. Aulas de capoeira são oferecidas para crianças e jovens de comunidades marcadas por conflitos e guerras.

Pesquisa divulgada pela Universidade do Leste de Londres mostra que a capoeira – arte afro-brasileira que recebeu, no ano passado, o título de Patrimônio Cultural da Humanidade – tem impacto positivo sobre o estado físico e emocional de crianças e jovens refugiados

Com base em dados coletados de setembro de 2013 a maio de 2015, na Palestina e na Síria, as pesquisadoras concluíram que a capoeira, oferecida de forma contínua a crianças e adolescentes, leva à melhora do estado físico e psicológico, ao desenvolver cinco pontos-chave: estabilidade emocional, tolerância, amizade, força interior e capacidade de brincar.
“A capoeira promove a melhora do condicionamento físico e o desenvolvimento das capacidades, o que gera autoestima. Ao mesmo tempo, como outras artes marciais, exige autocontrole e disciplina. Por meio da incorporação da música e da dança, permite espaço para a criatividade e a expressão pessoal, oferecendo uma dimensão que falta em outras atividades físicas”, explica a pesquisadora Hannah Prytherch.
A pesquisadora Kathryn Kraft enfatiza que, nos casos estudados, foi possível perceber que os apelidos dados aos alunos, típicos da capoeira, bem como os laços criados entre o treinador e as crianças ajudaram a promover a identidade. “Naquele espaço elas sabiam quem eram, elas tinham esse senso de pertencimento”, conta. Outra vantagem, segundo Kathryn, é que a colaboração e a diversidade oferecidas pela capoeira facilitaram o desenvolvimento da tolerância e da aceitação do diferente.
Em depoimento fornecido pelas pesquisadoras, um aluno, cuja identidade não foi divulgada, afirmou que um dos principais benefícios da arte é proporcionar a felicidade. “O que mais gosto na capoeira é que, sempre que vou para a aula, eu volto para casa feliz. Eu vou para casa relaxado e continuo de bom humor. Estou sempre com o humor da capoeira, cantando as canções até eu dormir. Eu lavo as louças ouvindo as canções.”
Uma menina, que participava das aulas oferecidas exclusivamente para mulheres, declarou que a capoeira serve para extravasar a dor. “Em vez de sair e agredir uma pessoa que odiamos, jogamos capoeira. Deixamos toda a energia e a dor saírem na capoeira. Deixamos a raiva sair. Quando estamos muito preocupadas ou tensas, jogamos capoeira e relaxamos, esquecemos” (ABr).

Grécia: jovens se dividem entre desilusão e vontade de mudança

Jovens se dividem entre desilusão e vontade de mudança.

A máxima “o futuro pertence à juventude” poderá vir a ter um significado particular para os gregos nas eleições legislativas antecipadas de 20 de setembro. A menos de uma semana da votação, não há um vencedor claro no cenário político. Com um universo de eleitores indecisos entre 15% e 20%, os mais jovens poderão fazer a diferença a favor do Syriza, o partido de esquerda, que nas últimas eleições, em 25 de janeiro, ficou perto da maioria absoluta, mas que após a convocação de eleições antecipadas, depois da demissão de Alexis Tsipras do cargo de primeiro-ministro, perdeu grande parte da vantagem.
A legenda está agora, de acordo com sondagens, em situação de quase empate com os conservadores do partido Nova Democracia, liderados interinamente desde julho por Vangelis Meimarakis. “Estamos desiludidos com o Syriza, porque recuou na maior parte das promessas que fez, mas Tsipras pelo menos tentou mudar alguma coisa e não se limitou a aceitar as imposições da UE sem tentar fazer valer os pontos de vista da Grécia como sempre fizeram os governos anteriores”, disse Aristea, de 20 anos, estudante de veterinária na universidade de Salónica.
As apreensões quanto ao futuro são grandes – o desemprego entre os jovens gregos atinge os 50%, numa taxa global de cerca de 29% – e Aristea afirma que nestas eleições “trata-se de escolher o menos mau e, sobretudo, de apostar na tentativa de mudança”. Manos, de 21 anos, é estudante do 4º ano de física na universidade de Atenas e diz que não confia realmente em nenhum partido. “Não tenho ilusões, há hábitos muito enraizados e as camadas mais velhas da população estão formatadas para o voto nos partidos tradicionais e, depois, há o medo da mudança”, afirma.
Os estudantes recusam também soluções extremistas como a saída da Grécia do euro. Com uma dívida que atinge 180% do PIB, o país é o país mais endividado da UE. “Os únicos indicadores que parecem ter subido na Grécia foram a taxa de suicídios e o número de sem-teto”, diz a estudante (Ag. Lusa).

COBRANÇA EXTRA NA CONTA DE LUZ CONTINUA EM AGOSTO

Em agosto, os consumidores vão pagar novamente um adicional de R$ 5,50 a cada 100 quilowatts/hora (kWh) de energia consumidos. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que a bandeira tarifária vermelha estará em vigor no período. O sistema de bandeiras tarifárias permite a cobrança de um valor extra na conta de luz, de acordo com o custo de geração de energia. Em julho, a bandeira também foi vermelha, por causa do uso intenso da energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a gerada por usinas hidrelétricas.
Com as cores verde, amarela e vermelha, as bandeiras servem para indicar as condições de geração de energia no país. Se for um mês com poucas chuvas, os reservatórios das hidrelétricas estarão mais baixos, por isso, será necessário usar mais energia gerada por termelétricas. A bandeira verde significa que os custos para gerar energia naquele mês foram baixos, portanto, a tarifa de energia não terá acréscimo. Se a conta de luz vier com a bandeira amarela, a tarifa de energia terá acréscimo de R$ 2,50 para cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha mostra que o custo da geração naquele mês está mais alto, com maior acionamento de termelétricas, e haverá adicional de R$ 5,50 a cada 100 kWh (ABr).

Evo Morales diz que nova reeleição
‘não é ditadura’

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou que seu país não é autoritário ou ditatorial por apresentar um projeto de lei com mais uma possibilidade de eleição para um mandatário. “Se o povo quer modificar a Constituição para uma nova candidatura, isso é o povo que irá decidir democraticamente. Isso não é nenhuma ditadura, nenhum autoritarismo se submetermos ao povo boliviano”, destacou.
A frase do líder veio após um grupo de sindicatos pedir uma nova mudança na Constituição, em que a quantidade de reeleições seja ampliada - sem deixar claro se o pedido é para um aumento de mais um mandato ou para tirar o limite de eleições consecutivas. Morales está no poder desde 2006 e já cumpriu, tecnicamente, três mandatos após outra mudança constitucional - já que o primeiro teve apenas quatro anos de duração. Ele deve ficar no poder, caso a medida não seja aprovada, até janeiro de 2020 (ANSA).

90% dos casos de violência infantil não são denunciados

De acordo com estudos realizados pelo CRAMI – Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância do ABCD, 90% dos casos de violência praticada contra crianças e adolescentes não são denunciados. Thelma Armidoro Velasco, psicóloga e assistente técnica do Centro, explica que isso ocorre porque os casos acabam sendo encobertos pelos próprios familiares.
“São casos de negligência e violência sexual, física e psicológica que não chegam ao conhecimento das autoridades e esses números podem ser ainda maiores”, revela Thelma. Para se ter ideia, durante o mês de agosto, o CRAMI atendeu 466 casos, sendo 133 de violência sexual, 186 física; 104 de negligência e 43 de violência psicológica. “Este último é um dos mais velados em razão do seu reconhecimento ser mais difícil, haja vista que envolve humilhações, ameaças e rejeição”.
Outro dado importante diz respeito aos agressores. Nos últimos seis anos, constatou-se que nas violência física e negligência, em sua maioria o autor é a mãe, sendo 51% nos casos de violência física e 71% nos casos de negligência. Já o autor de violência psicológica aparece de forma equilibrada - sendo 42% a mãe e 41% o pai, ambos na faixa etária de 35 a 45 anos.
Com 27 anos de atuação e mais de 344 mil atendimentos em forma de intervenções domiciliares, orientações, oficinas e psicoterapias individuais e em grupo, o CRAMI também derruba o mito de que o padrasto é quem mais abusa sexualmente da criança e do adolescente. “A maioria dos autores de abuso sexual identificados é o pai biológico com 31% dos casos contra 15% cometidos pelo padrasto. Os demais casos estão distribuídos entre outros parentes, desconhecidos e sem informação. O fato do pai biológico aparecer como quem mais abusa sexualmente de crianças e adolescentes retrata uma realidade que não se restringe à região do Grande ABC, mas em todo Brasil e no mundo”, explica a psicóloga Thelma Velasco.

Moses Malone, lenda da NBA, morre aos 60 anos

Morreu no último domingo (13), aos 60 anos, uma das maiores lendas da NBA, o norte-americano Moses Malone. Astro do Houston Rockets e do Philadelphia 76ers, ele foi vítima de um ataque cardíaco fulminante enquanto dormia.
Malone foi eleito o melhor jogador de uma temporada do basquete dos Estados Unidos por três vezes - 1979, 1982 e 1983 - e foi campeão do torneio em 1983 pelo 76ers. Durante a carreira, ele teve uma média de 20,6 pontos e 12,2 rebotes por partida. Desde 2001, faz parte do Hall da Fama da NBA e foi eleito um dos 50 maiores jogadores da história do esporte norte-americano (ANSA).

 
 
 
 
 

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171