ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Primeira grande epidemia de Zika no mundo acontece no Brasil

Infectologista Marcos Boulos.

Um dos mais respeitados infectologistas do país, o professor e ex-diretor da Faculdade de Medicina da USP e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, acredita que o país vive atualmente a maior epidemia já registrada no mundo por vírus Zika

O especialista defende o combate sistemático ao mosquito Aedes aegypti, transmissor não apenas do vírus Zika, mas também da dengue e da febre chikungunya. Para ele, as prefeituras brasileiras erraram ao não manterem um grupo técnico permanente de controle do vetor.
Boulos lembrou que a infecção por Zika, até então, era considerada uma doença mais branda que a própria dengue, já que causa febre baixa, manchas pelo corpo que desaparecem em dois ou três dias e quadros clínicos menos graves, que dificilmente levam à morte. Foi a correlação da doença com casos de microcefalia em bebês que levantou a bandeira vermelha.
O infectologista destacou que, em todos os locais onde foi registrado surto do vírus Zika, como na Polinésia Francesa e em algumas pequenas cidades da África, o cenário não se repetiu posteriormente. “Se isso acontecer, até que não vai ser tão ruim assim. Vamos passar por um momento epidêmico importante e, depois, é provável que exista uma calmaria.”
“Precisamos conhecer melhor o Zika para saber no que ele pode se transformar. Estamos assustados com os para-efeitos, as coisas que estão acontecendo por causa do Zika”, disse. “É preocupante as pessoas quererem engravidar sabendo que, se houver Zika, podem, eventualmente, ter uma criança com problemas e isso vai atrapalhar a vida e o desenvolvimento dessa família.”
Um novo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde revela que 3.530 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao vírus Zika em recém-nascidos foram notificados no país entre 22 de outubro de 2015 e 9 de janeiro. O boletim também traz a confirmação de que a morte de dois recém-nascidos e dois abortos de bebês com a malformação no Rio Grande do Norte foram em decorrência da doença (ABr).

Inflação fará com que contribuinte pague mais IR neste ano

Inflacao temporario

No Brasil não é novidade que os contribuintes pagam mais impostos do que deveriam. São cerca de cinco meses trabalhados para “dar” aproximadamente 41% da renda aos cofres públicos. E com o Imposto de Renda Pessoa Física – IRPF o cenário não é diferente: neste ano só estará isento de prestar contas com o leão quem teve renda de até R$ 1.903,98.
A primeira faixa salarial vai de R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65, cuja alíquota é 7,5% e a parcela a deduzir do IR é de R$ 142,80. Já a segunda, cuja taxa é de 15%, contempla os contribuintes que receberam R$ 2.826 a R$ 3.751,05. A terceira faixa, de R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68 tem alíquota de 22,5% e acima de R$ 4.664,68, a taxa é de 27,5%.
Para o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, com a disparada da inflação em 2015, que atingiu 10,67%, considerado o maior valor em 13 anos, houve uma enorme defasagem da tabela do IR, cuja correção média foi calculada pelo poder executivo em 5,6% no ano passado. Por causa da inflação, o ideal seria que a primeira faixa do IR fosse de 3.250,29 a R$ 4.871,18, com alíquota 15%; a segunda de R$ 4.781,19 a R$ 6.494,94, com taxa de 22,5%; a terceira de R$ 6.494,95 a R$ 8.115,61, com 27,5%; e a última com valores superiores a R$ 8.115,61.
Para o diretor regional do IBPT, Alexandre Fiorot, a tabela do IR deste ano desfavorece os trabalhadores que ganham menos salário. A população mais carente paga o mesmo valor de imposto que aquele cidadão que tem um maior poder aquisitivo, contribuindo para que nossa carga tributária seja cada vez mais alta: “Enquanto as classes mais baixas saem da isenção ou mudam de faixa, os mais ricos continuam na mesma, de 27,5%. Nós, do IBPT, lutamos para que a tabela do IR seja atualizada anualmente, acompanhando a inflação. Todos os anos, o governo federal tem um falso discurso e aplica um aumento disfarçado do Imposto de Renda”, analisa.

Maradona chama Blatter e Platini de ‘ladrões’

ntou a suspeita de propina (ANSA).

O jornalista argentino Daniel Ricucci, amigo de Diego Armando Maradona, publicou em sua conta no Instagram uma foto do ex-craque vestindo uma camiseta que ironiza os cartolas Joseph Blatter e Michel Platini.
A peça de roupa exibe uma foto que combina os rostos do suíço e do francês sob a legenda “dois ladrões”. Em seu post, Ricucci ainda colocou uma citação do “Pibe de Ouro”: “Faz 25 anos que eu digo isso”.
Blatter e Platini foram suspensos por oito anos pelo Comitê de Ética da Fifa por conta de um pagamento de 2 milhões de francos suíços feito pelo primeiro ao segundo em 2011. O desembolso seria referente a serviços prestados pelo francês entre 1998 e 2002, mas levantou a suspeita de propina (ANSA).

ALUNOS VOLTAM ÀS AULAS COM AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Nesta segunda-feira (dia 3), cerca de 4 milhões de alunos da rede estadual paulista retornam às salas de aula após recesso de julho. A volta das atividades será marcada também pela nova edição da Avaliação de Aprendizagem em Processo. O exame, obrigatório em todas as escolas com classes do 2º do ano do Ensino Fundamental à 3ª série do Ensino Médio, tem como objetivo diagnosticar o desempenho dos alunos no primeiro semestre e apontar estratégias para o aprendizado até o fim do ano letivo.
A avaliação inclui questões de todas as disciplinas propostas pelo Currículo Oficial do Estado, entre elas Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia. O conteúdo exigido nas provas varia de acordo com o ciclo de ensino. Para garantir a precisão dos dados obtidos nos exames, todos os professores têm à disposição o manual “Comentários e Recomendações Pedagógicas”. Com ajuda do documento, os educadores poderão identificar em quais disciplinas os alunos apresentam um bom rendimento e, no caso das dificuldades, como melhorar o aprendizado.
“A rede estadual utiliza, ao longo do ano, vários instrumentos para subsidiar professores e diretores com um cardápio de intervenções pedagógicas que favorecem o ensino. Além da Avaliação em Processo, outras avaliações como o Saresp, mostram que nossas escolas estão melhorando o desempenho”, explica o secretário da Educação, Herman Voorwald (SEE).

Coreia do Sul pede resposta mais firme ao teste norte-coreano

Presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye.

A presidenta sul-coreana, Park Geun-Hye, defendeu uma resposta mais firme ao último teste nuclear da Coreia do Norte. Ela se comprometeu a fazer todos os esforços para estabelecer sanções contra o governo norte-coreano. Considerando o teste da semana passada como uma provocação grosseira e um “desafio inaceitável” à paz e segurança globais, Park afirmou que é tempo de adotar uma postura mais firme contra o regime norte-coreano.
“As medidas da comunidade internacional contra o último teste nuclear da Coreia do Norte têm de ser diferentes das do passado”, disse Park, em enterevista coletiva. Além de trabalhar com os Estados Unidos para adotar a mais severa resolução possível para punir a Coreia do Norte, Seul vai discutir sanções adicionais com os Estados Unidos e os seus aliados, afirmou a presidenta. As declarações foram feitas horas depois de os deputados norte-americanos terem votado a favor de sanções econômicas mais severas ao país.
A Coreia do Norte diz que o teste da semana passada foi feito com uma bomba de hidrogênio miniaturizada – o que tem sido questionada por especialistas que consideram o resultado demasiadamente baixo para um dispositivo termonuclear em pleno funcionamento. Apesar das dúvidas quanto à natureza do dispositivo, trata-se do quarto teste nuclear da Coreia do Norte desde 2006, evidenciando a intenção do país de continuar a trabalhar na sua capacidade de desenvolver armas nucleares (Ag. Lusa).

 
 
 
 
 
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171