ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Mariana: moradores de distritos atingidos temem que caso caia no esquecimento

Pessoas foram hospedadas em hotel na cidade de Mariana após rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco.

Nos últimos quatro dias, a movimentação no centro de Mariana (MG) foi intensa em razão do rompimento de duas barragens no distrito de Bento Rodrigues

Era possível encontrar moradores atingidos em locais de acolhimento, parentes em busca de desaparecidos, autoridades do governo federal, estadual e municipal e muitos curiosos.
Quase uma semana após a tragédia, a cidade parece começar a retomar seu ritmo. O movimento já não é mais o mesmo. O assunto já não está mais nas bocas de cada grupo que conversa na esquina. O fato preocupa, sobretudo, as pessoas diretamente afetadas pela tragédia e que contabilizam prejuízos e danos quase incalculáveis.
A lavradora Maria José Horta, 28 anos, morava no distrito de Ponte do Gama, atingido pelo rompimento das barragens. A casa dela ficou tomada pela lama e Maria está morando provisoriamente com os pais. A jovem conta que, nos primeiros dias após o acidente, foi bem atendida no acolhimento às vítimas. “Hoje, retornei para acrescentar algumas informações ao cadastro, mas não consigo ninguém para me ajudar. A poeira está baixando rápido demais e isso preocupa muito. Tenho medo de ficar esquecida. A gente tem muita dificuldade para adquirir nossas coisas, para depois ver tudo indo embora em meio à lama”.
O técnico em segurança do trabalho Airton Sales, 31 anos, costumava passar o fim de semana na casa da mãe, no distrito de Paracatu, também atingido pela tragédia. A irmã dele morava no povoado e estava reformando a casa para a chegada do filho que está esperando. Agora, estão todos hospedados em hotéis e pousadas de Mariana. “Nossa preocupação é que, enquanto o assunto está na mídia, a empresa responsável pelas barragens vai dar suporte. Mas, como saber onde vamos estar depois de um ano desse acidente? Será que a mineradora vai continuar pagando as nossas diárias? Queremos saber para onde vamos e o que vai ser feito”.
A pedagoga Edna Cerqueira Mol, 48 anos, tinha um sítio no mesmo local onde a mãe de Airton morava. A casa era boa, composta por quatro quartos, varanda, copa, sala. Ela, o marido e as três filhas trabalham e estudam em Mariana mas, nos fins de semana, procuravam descanso no local, hoje tomado pela lama e pelo barro.
“Esse sítio era o sonho da minha vida. Demorei 18 anos para deixar tudo como estava. Tínhamos piscina, sauna. Ficou tudo destruído” disse. “Graças a Deus, não fiquei desabrigada. Mas o prejuízo foi altíssimo e não é justo pagar essa conta” (ABr).

Quadro de Modigliani é vendido por US$ 170,4 milhões

Quadro temporario

A obra do pintor italiano Amedeo Modigliani, “Nu Couché” (“Nu deitado, em tradução livre) foi arrematada por US$ 170,4 milhões (R$ 647,5 milhões) e se tornou a segunda pintura mais cara da história a ser vendida em um leilão. O quadro foi adquirido por um comprador não identificado durante uma sessão da famosa casa de leilões de Nova York, a Christie’s.
A venda superou as expectativas dos leiloeiros, que era de US$ 100 milhões (R$ 380 milhões). A peça mostra uma mulher nua sobre um sofá e causou grande escândalo quando foi apresentada em Paris, pela primeira vez, entre os anos de 1917 e 1918. Ela não é a única obra do pintor que mostra nudez, mas por ter sido a primeira, é considerada uma das mais importantes do artista italiano durante sua estadia na França. Essa foi a primeira vez que “Nu Couché” foi leiloada, pois antes ela era mantida pela historiadora italiana Laura Mattioli Rossi, há mais de 60 anos.
Rossi é filha de Gianni Mattioli, um dos maiores colecionadores de artes conhecidos, que comprou a peça por 5 milhões de liras - a antiga moeda italiana. O quadro mais caro a ser leiloado na história foi “Les femmes d’Alger”, do espanhol Pablo Picasso, que foi arrematado por US$ 179,4 milhões (R$ 681,7 milhões) em maio (ANSA).

Israel pensa em manter Colinas de Golã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que seu país está interessado em discutir com Washington a incorporação definitiva das Colinas de Golã devido à guerra civil na Síria. Segundo fontes anônimas citadas pelo site “Haaretz”, o assunto foi mencionado pelo premier israelense durante sua visita à Casa Branca na última segunda-feira (9), mas não foi abordado “em profundidade”.
Ainda de acordo com o portal, Netanyahu acredita que a Síria não voltará a ser um Estado único como antes do conflito, situação que permitiria “pensar de maneira diferente” sobre o futuro do território. Obama não teria respondido esse comentário. As Colinas de Golã, então pertencentes à Síria, foram ocupadas por Israel durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, e anexadas unilateralmente em 1981. No entanto, a comunidade internacional nunca reconheceu esse ato, e diversas resoluções da ONU - jamais respeitadas - exigiram a devolução da região.
Situada na fronteira entre os dois países, a área é considerada militarmente estratégica devido à sua altitude e fornece uma parcela significativa da água que abastece Israel. A disputa territorial mantém as nações em estado de guerra desde 1967, apesar das tentativas de negociação no fim do século passado (ANSA).

Beckenbauer assinou documento de propina

Ex-jogador Franz Beckenbauer.

O ex-jogador e um dos líderes da campanha para a Alemanha sediar a Copa do Mundo de 2006, Franz Beckenbauer, teria assinado um documento que comprova o pagamento de propina na compra de votos para a eleição na Fifa, informaram os jornais “Bild” e “Süddeustsche”. Segundo as publicações, a assinatura foi firmada apenas quatro dias antes da eleição para a escolha da sede, realizada em 2000, e que teve os alemães vencedores por um voto de diferença contra os sul-africanos.
Além de Beckenbauer, o contrato teria também a assinatura de Fedor Radmann, considerado o homem forte do comitê, e do ex-presidente da Concacaf, Jack Warner. Este último foi banido “por toda a vida” de participar de qualquer evento de futebol ligado à Fifa por ter “cometido muitos atos de má conduta contínua e repetidamente durante seu tempo de dirigente”.
Ao “Bild”, um dos presidentes interinos da Federação Alemã de Futebol (DFB), Rainer Kock, confirmou a informação e fez um “apelo” para que Beckenbauer “traga uma explicação do que aconteceu”. Em outubro, quando as primeiras denúncias envolvendo Beckenbauer começaram a surgir na imprensa, o ex-jogador se defendeu e afirmou ser inocente. Porém, agora, ele ainda não se manifestou sobre o caso (ANSA).

Papa pede combate à corrupção

O papa Francisco pediu o combate à exploração no trabalho, à corrupção e à ilegalidade, em discurso aos cidadãos de Prato, localidade da Toscana, que visitou ontem (10). “A sacralidade de cada ser humano requer para cada um respeito, acolhimento e trabalho digno. A vida de cada comunidade exige que se combata, até o final, o câncer da corrupção, da exploração humana e o veneno da ilegalidade”, disse em uma das varandas da catedral de Prato.
O discurso de Francisco foi inspirado pelo acidente de dezembro de 2013, quando um incêndio em uma fábrica ilegal de Prato causou a morte de sete imigrantes chineses, que trabalhavam, viviam e dormiam no edifício.
Em Prato vivem 191 mil pessoas, 35 mil das quais imigrantes de 123 nacionalidades e a maior comunidade chinesa da Itália. O papa saiu do Vaticano no início da manhã, de helicóptero, e desceu no campo desportivo de Prato, seguindo para a Praça da catedral. Depois dessa etapa, Francisco vai a Florença, que sedia o 5º Congresso Nacional da Conferência Episcopal Italiana. Ele almoça com um grupo de pessoas carentes (Ag. Lusa).

 
 
 
 

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171