ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Taiwan tem primeiros casamentos gays da Ásia

Os primeiros casamentos homossexuais legais na Ásia ocorreram em Taiwan na sexta-feira (24), primeiro dia em que a decisão histórica de legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo entrou em vigor.

Taiwan temporario

Cerca de 300 casais do mesmo sexo já se registraram para casar. Foto: Via Reuters

O Parlamento de Taiwan – oficialmente República da China – aprovou uma lei que autoriza "uniões permanentes exclusivas" para casais do mesmo sexo e permite que eles solicitem "registro de casamento" em agências governamentais – direitos pelos quais ativistas LGBT do país lutaram por duas décadas.

O ministro do Interior de Taiwan, Hsu Kuo-yung, disse que cerca de 300 casais do mesmo sexo já se registraram para casar. Os fundadores da Aliança de Taiwan para Promover os Direitos de Parceria Civil estavam entre os primeiros casais que selaram suas uniões. "Quando percebi ser lésbica, aos 15 anos, nunca pensei na possibilidade de me casar", disse Victoria Hsu, presidente da Aliança. Sua esposa Chih-Chieh Chien, a secretária-geral do grupo, celebrou que os pais do casal tenham colocado suas assinaturas na certidão de casamento.

A assistente social Huang Mei-yu e sua parceira You Ya-ting também selaram a união. "É tardio, mas estou feliz de podermos nos casar oficialmente", disse Huang, após assinar a certidão de casamento.
Taiwan está na vanguarda do florescente movimento pelos direitos homossexuais na Ásia, apesar da firme oposição conservadora. A capital Taipei sedia a maior parada de orgulho gay da Ásia.

A questão dos direitos LGBT, no entanto, polarizou a sociedade local.
Grupos conservadores e religiosos se mobilizaram nos últimos meses e ganharam uma série de referendos em novembro, nos quais os eleitores rejeitaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A nova legislação aprovada pelos parlamentares coloca restrições não enfrentadas pelos casais heterossexuais. Casais do mesmo sexo só podem adotar filhos biológicos de seus parceiros e só podem se casar com estrangeiros de países onde o casamento gay também é reconhecido e legalizado (Deutsche Welle/ABr).

Filhos de refugiados venezuelanos estão se tornando apátridas

Filhos temporario

Pessoas apátridas não são reconhecidas como cidadãs de nenhum país. Foto: Ricardo Moraes/Reuters

Milhares de crianças nascidas de mães venezuelanas na Colômbia estão em situação de indefinição judicial, sem documentos de identidade, sob risco de se tornarem apátridas, informou a Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) nessa quinta-feira (23). Aproximadamente 1,3 milhão de venezuelanos se estabeleceram na vizinha Colômbia, fugindo de uma crise política e econômica que tem provocado grave escassez de alimentos e medicamentos.

Cerca de 20 mil filhos de pais venezuelanos nasceram na Colômbia, de acordos com números do governo, e muitos não são considerados aptos à obtenção de cidadania colombiana, o que os torna apátridas.
Juan Ignacio Mondelli, oficial de proteção da Acnur, diz que a Colômbia está comprometida com a resolução do problema, mas precisa desenvolver um mecanismo para identificar se crianças são apátridas.

"A recomendação que temos é que, qualquer que seja o caminho escolhido pelas autoridades colombianas, seja uma lei, um decreto, ou um mecanismo planejado, que ele permita que os casos registrados atualmente sejam resolvidos", disse Mondelli. "Isso passa de um problema sobre nacionalidade para um problema de documentação", disse ele a jornalistas em Bogotá.

Pessoas apátridas não são reconhecidas como cidadãs de nenhum país e, muitas vezes, não conseguem acesso a serviços de saúde ou educação e não podem viajar, se casar, abrir uma conta bancária, alugar ou ser dono de uma casa (Reuters/ABr).

Homens são os que mais morrem no trânsito

Acidentes de trânsito provocaram a morte de 35,3 mil pessoas, em 2017. É o que mostram os dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Os números são preocupantes, e um detalhe chama a atenção: a maior parte das vítimas fatais é do sexo masculino e jovens em idade produtiva, entre 20 a 39 anos (36,75%). São milhares de mortes prematuras, ocorridas todos os anos, com forte impacto social, econômico, no setor saúde e para as famílias.

Segunda maior causa de mortes externas no país, os acidentes de trânsito geram uma grande sobrecarga nos serviços de urgência e emergência do SUS com números crescentes de internações. Em 2017, foram 182.838, gerando gastos de aproximadamente R$ 260,7 milhões. Deste total de internação, 78,2% ocorreram no sexo masculino. As principais vítimas fatais foram: os motociclistas (12.199), seguidos de ocupantes de automóveis e caminhonetes (8.511); pedestres (6.469); e ciclistas (1.306).

Em mulheres, os óbitos por acidente de trânsito foram de 6.336, correspondendo a 18% dos casos em 2017. A maior parte delas também eram jovens, em idade entre 20 e 39 anos (35,7%). Segundo estudo baseado em 1,7 milhões de internações entre 2000 a 2013, foi evidenciado que 23,5% dos pacientes apresentaram diagnóstico sugestivo de sequela física, sendo que amputação e traumatismo crânio encefálico são as principais causas, sobretudo entre homens de 20 a 29 anos, pedestres e motociclistas (AgênciaSaúde).

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171