ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Itália e Brasil levam maior delator da máfia para Cannes

A história de um dos mais célebres mafiosos italianos concorrerá à Palma de Ouro no Festival de Cannes, que começou ontem (14), na França

Italia temproario

A atriz Maria Fernanda Cândido dá vida a Maria Cristina de Almeida Guimarães, terceira esposa do mafioso. Foto: ANSA/Divulgação

“O Traidor”, de Marco Bellocchio, narra a trajetória de Tommaso Buscetta (1928-2000), que teve sua vida diretamente ligada ao Brasil e entrou para a história como o primeiro grande delator da Cosa Nostra, a máfia siciliana.

Chefe do clã Porta Nuova, Buscetta fugiu para o Brasil duas vezes para escapar da guerra deflagrada pelos Corleone pelo controle da máfia e foi extraditado para a Itália nas duas ocasiões. Na segunda, passou a colaborar com a Justiça e deu informações inéditas sobre o funcionamento da Costa Nostra. Em 1985, foi mandado para os Estados Unidos, onde viveria até sua morte, em 2000, sob proteção do FBI.

“Estamos falando de um personagem muito polêmico: tem gente que gosta, tem gente que detesta, que o acha um grande traidor. Mas o filme não é a favor nem contra, simplesmente conta a história desse homem”, diz Fabiano Gullane, da produtora brasileira Gullane. Com orçamento de 8 milhões de euros, longa é uma coprodução entre Itália, Brasil, Alemanha e França e será exibido pela primeira vez em Cannes.

A produtora foi indicada a Bellocchio por Marco Muller, diretor artístico do Festival de Veneza, e reuniu uma equipe de cerca de 80 pessoas para as filmagens no Brasil. “Filmamos por duas semanas no Rio de Janeiro, em dezembro passado. A equipe foi embora quase no Natal”, contou a produtora-executiva Daniela Aun.

Entre as locações estão uma casa no bairro de Santa Teresa e o Museu Aeroespacial da FAB. “Para você ter uma ideia, no começo a gente teria só uma semana de filmagem aqui no Brasil e, ao longo dos meses, durante a produção lá na Itália, eles começaram a perceber que queriam fazer mais coisas por aqui”, acrescentou. O filme é estrelado por Pierfrancesco Favino, que interpreta Buscetta, e Maria Fernanda Cândido, que dá vida a Maria Cristina de Almeida Guimarães, terceira esposa do mafioso e a quem é atribuída a decisão do italiano de colaborar com a Justiça.

Fabiano Gullane chegou a sugerir Maria Fernanda diretamente para Bellocchio, mas achou melhor abrir um teste que reuniu cerca de 10 “grandes atrizes brasileiras”. “Quando o Bellocchio assistiu aos testes, me mandaram mensagens dizendo ‘Fabiano, você tinha razão, a personagem é para a Maria Fernanda mesmo’”, relembrou o produtor.

“O Traidor” está previsto para estrear nos cinemas brasileiros em agosto e deve se aproveitar dos debates no país em torno das delações premiadas (ANSA).

Natureza beneficia bem-estar e saúde da população, mostra pesquisa

Natureza temproario

Quanto maior a exposição à natureza, menor o risco de infecções, maior a taxa de recuperação. Foto: Valter Campanato/ABr

Agência Brasil

Estudo tem demonstrado como o contato com a natureza pode ajudar a melhorar o ânimo de pacientes em tratamento contra o câncer. Coordenado pela pesquisadora Eliseth Leão no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, o estudo demonstra como relação com a natureza pode ser um elemento de promoção da saúde. Na primeira fase, houve mais de 28 mil avaliações de imagens da natureza produzidas pela própria equipe do estudo, com foco no bem-estar, que formou um banco de 450 fotos que podem ser usadas dentro dos hospitais em futuros procedimentos como este da pesquisa.

A partir dessas imagens, um vídeo foi criado e apresentado a 78 pacientes durante sessões de quimioterapia. Os dados ainda estão sendo analisados, mas já mostram que o estado de ânimo deles no momento que começam a receber o medicamento melhora após a visualização do vídeo. “Já foi possível notar que os aspectos negativos de preocupação e ansiedade são inibidos e os positivos, de tranquilidade, são aumentados. Espero que esta tendência seja mantida com o final do tratamento dos dados”, ressaltou Eliseth.


Segundo a pesquisadora, "as pessoas já sabem que a natureza faz bem, como quando dizem querer ir à praia em situações de estresse, mas alguns tendem a achar que é algo muito pessoal e sem evidência científica”. Por exemplo, um dos estudos que foram feitos na década de 80, segundo Eliseth, colocava pacientes internados em quartos que tinham vista para a natureza e outros em quartos que não tinham. “Aqueles que tinham vista [para a natureza] saíam do hospital antes, se recuperavam mais rapidamente. Tem uma série de teorias que mostram que [a natureza] é um ambiente restaurador”.

O médico patologista Paulo Saldiva concorda com as afirmações da pesquisadora. Para ele, as pessoas não passam indiferentes por uma floresta e, quanto maior a exposição à natureza, menor o risco de infecções, maior a taxa de recuperação e menor o tempo para a alta de um paciente. “Ao termos contato com a natureza percebemos que há uma afinidade com ela, algo que enxergamos, pois foi imprintado em nosso genoma por milhares de anos de evolução”.

Vaticano reconhece novo milagre e Irmã Dulce será santa

O papa Francisco reconheceu ontem (14) o segundo milagre atribuído à beata Irmã Dulce, o que permite que a freira brasileira seja proclamada santa. Nascida em Salvador, em 26 de maio de 1914, com o nome de batismo de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, irmã Dulce ficou conhecida por obras de caridade e assistência aos necessitados. Apelidada de "O Anjo bom da Bahia", ela morreu em 22 de maio de 1992 e foi beatificada em 22 de maio de 2011.

O processo de canonização de Irmã Dulce começou em janeiro de 2000. No ano seguinte, foi reconhecido o primeiro milagre atribuído à brasileira. De acordo com o site "Vatican News", o segundo milagre foi reconhecido por meio de um decreto. Com isso, ela será a primeira mulher nascida no Brasil a ser canonizada. A cerimônia, no entanto, ainda não tem data para acontecer.

O papa Francisco recebeu em audiência, na segunda-feira (13), o prefeito do Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu, o qual autorizou o Dicastério vaticano a promulgar o decreto. Entre outros decretos promulgados, também está um que reconhece as virtudes heroicas do Servo de Deus Salvador Pinzetta, Frade Menor Capuchinho, nascido em Casca, no Rio Grande do Sul, em 1911 (ANSA).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171