ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Papa Francisco pede que luta contra a fome seja prioridade

O papa Francisco fez um apelo ontem (14) para que a luta contra a fome no mundo seja "primordial" durante cerimônia de abertura da 42ª sessão do Conselho de Presidentes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Papa temproario

"A fome não tem presente nem futuro. Só passado", afirmou o papa Francisco. Foto: AFP

Em visita na sede do FAO, em Roma, Francisco lembrou que sua presença deseja trazer os anseios e as necessidades da multidão de 'nossos irmãos que sofrem no mundo'.

"Gostaria que pudéssemos olhar para seus rostos sem ficarmos vermelhos de vergonha, pois finalmente seu clamor foi ouvido e suas preocupações foram atendidas", ressaltou. O líder da Igreja Católica denunciou que há pessoas que vivem em "situações precárias", em um mundo no qual o "ar está viciado, os recursos naturais dizimados, os rios poluídos, os solos ácidos".

Segundo Jorge Bergoglio, milhões de cidadãos "não têm água suficiente para si ou para suas colheitas; suas infraestruturas de saúde são precárias, suas casas escassas e defeituosas". "Ser determinado nesta luta é fundamental porque podemos finalmente ouvir - não como um slogan, mas como uma verdade - : A fome não tem presente nem futuro. Só passado", afirmou. Entretanto, Francisco acrescentou que, para isso, "é necessária a ajuda da comunidade internacional, da sociedade civil e daqueles que possuem recursos".

"As responsabilidades não escapam, passando-as de um para o outro, mas devem ser assumidas para que ofereçam soluções concretas e reais", disse. Ele exortou todos aqueles com responsabilidades em nações e órgãos intergovernamentais, bem como aqueles que podem contribuir nos setores público e privado, desenvolvendo os canais necessários para implementar medidas apropriadas nas regiões rurais da terra.

Com isso, os camponeses poderão ser responsáveis por sua produção e progresso. O Papa ressaltou que os "problemas afetam negativamente o destino de muitos de nossos irmãos na atualidade e não podem ser resolvidos isoladamente, de forma ocasional ou efêmera" (ANSA).

Ministério 'foi rápido' para preencher vagas no Mais Médicos

Ministerio temproario

O programa Mais Médicos conseguiu incrementar o número de profissionais onde eram mais necessários. Foto: Sesai/Ministério da Saúde

Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro elogiou ontem (14), em sua conta no Twitter, o trabalho do Ministério da Saúde no preenchimento das vagas do Mais Médicos. A pasta conseguiu cobrir a lacuna de atendimento em saúde aberta há quase dois meses, quando o governo cubano suspendeu a participação no programa brasileiro.

“De forma irresponsável, Cuba suspendeu sua participação subitamente, colocando em xeque o caráter humanitário do acordo feito com o PT. Oferecemos asilo aos que cidadãos queriam ficar em nosso país. A esquerda mesmo assim poupou a ditadura e colocou na conta do novo Governo”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que a equipe, comandada pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, agiu rapidamente e conseguiu concluir o processo com o registro de brasileiros formados no exterior que declararam interesse em atuar no Mais Médicos. “Eles receberão seus salários de forma integral e terão a liberdade necessária para uma vida digna. A resposta para quem torce contra o Brasil é o trabalho. Vamos em frente”, afirmou.

O presidente ainda criticou a reação de Cuba em relação às declarações feitas por ele a respeito das condições impostas aos profissionais de saúde cubanos que atuavam no país e alertou que milhões de pessoas poderiam ter ficado sem atendimento. “Meses atrás exigimos que a ditadura cubana revisse as regras impostas aos profissionais cubanos participantes do Mais Médicos, que recebiam apenas uma pequena parte de seus salários e não tinham liberdade para ver seus familiares”.

Leilão para suprimento de energia em Roraima

Agência Brasil

O Ministério de Minas e Energia (MME) determinou que o leilão para suprimento de energia em Roraima seja feito até 31 de maio, conforme portaria publicada na edição de ontem (14) do DOU. De acordo com a sistemática, serão ofertados dois produtos para a garantia do suprimento de Roraima: potência e energia. Na modalidade de energia, os contratos de suprimento terão duração até 31 de dezembro de 2035.

Além de aumentar o prazo para realização do certame, o governo alterou a data para início do fornecimento de energia e também da potência. "Para ambos produtos, o início do suprimento de energia elétrica ocorrerá em 28 de junho de 2021, devendo os respectivos contratos permitir a antecipação do início da entrada em operação comercial das soluções de suprimento, desde que haja disponibilidade de margem de escoamento para a energia produzida", diz a portaria.

Roraima é o único estado que não está interligado ao sistema elétrico nacional. Desde julho de 2001, grande parte do estado, incluindo a capital, Boa Vista, é suprida por energia elétrica proveniente da Venezuela, por meio de um sistema de transmissão situado parte em território venezuelano, parte em território brasileiro.

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171