ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo

Pesquisa pretende trazer contribuições para intervenções que garantam a preservação de um bem cultural ameaçado

img DEST bexiga mapa 20190311 temporario

Planta da Capital do Estado de São Paulo e seus arrabaldes, desenhada e publicada por Jules Martin, 1890. Foto: Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo (DPH)

Texto: Carmo Gallo Netto/Jornal da Unicamp

Graduada em arquitetura pelo Politécnico de Turim, capital da região do Piemonte, Itália, da qual é originária, Giulia Vercelli veio ao Brasil interessada em estudar questões relacionadas à migração italiana, praticamente desconhecida em seu país, e ao patrimônio paulistano construtivo deixado por ela. Encantou-se com o antigo bairro da Bela Vista, na região central da capital, mais conhecido como Bexiga, denominação que recebeu o loteamento, de 1890, da antiga Chácara do Bexiga, ao que consta, assim chamada porque seu antigo proprietário era conhecido por Antônio Bexiga em razão do rosto marcado pela varíola.

img DEST bexiga pesquisadora giulia 20190311 temporario

Foto: Antonio Scarpinetti

A arquiteta Giulia Vercelli, autora da pesquisa: “É preciso fazer uma leitura das camadas do tempo”.

Mas logo se deu conta de que havia poucos conhecimentos da história construtiva deste bairro e de que a literatura disponível sobre a influência italiana repercutia uma alegoria, uma ficção sobre uma Itália que não existe mais, sem valorizar as interações multiculturais de que São Paulo foi palco no final do século XIX e início do século XX. Mesmo mantendo o interesse pelo legado construtivo dos italianos, ela passou a observar o bairro dentro de uma nova perspectiva, pois considera que “o Bexiga contemporâneo, assim como na origem, é um caldeirão multicultural de novos imigrantes, continuando como um lugar de acolhimento para quem começa uma nova vida na capital”.

Além do mais, tratando-se de um dos bairros mais antigos de São Paulo, a sua manutenção permite conhecer uma importante fase da história do desenvolvimento da cidade, fundamental para que as novas gerações se deem conta de que a beleza não está apenas nos prédios espelhados. Preservar o Bexiga é manter a história viva da cidade e suas raízes.

A pesquisa voltou-se então para a identificação e análise do atual estado de conservação das edificações e conjuntos históricos no Bexiga que ainda testemunham tipologias arquitetônicas e características particulares de inserção na malha urbana relacionada ao desenvolvimento da cidade de São Paulo. Seu reconhecimento como inequívoco patrimônio histórico ocorreu em 2002, quando o bairro foi objeto de tombamento integral, decorrente da implementação do Inventário Geral do Patrimônio Ambiental, Cultural e Urbano da cidade, um sistema de documentação inédito para estudo sistemático dos bairros antigos da sua área central visando-lhe a proteção. O objetivo geral da pesquisa, de caráter exploratório, foi o de refletir sobre mudanças ocorridas no bairro, relacionando-as ao seu desenvolvimento histórico sob o ponto de vista da representatividade arquitetônica e urbana, o que implicou na reavaliação desse inventário. A pesquisadora estruturou sua dissertação de forma a ir além da alegoria e de aprofundar o conhecimento na formação histórica da cidade e do bairro do Bexiga.

img DEST bexiga Rua-Sao-Domingos-01 20190311 temporario

Rua São Domingos 1922 – 2018 | Fonte (imagem à esquerda): AHMWL | Arquivo Histórico de São Paulo. In: SCHNECK, 2010, p.184. À direita, fotografia realizada por Giulia Vercelli em 05/03/2018.

Na pesquisa, orientada pela professora Regina Andrade Tirello, da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Unicamp, ela reflete sobre as mudanças ocorridas no bairro, relacionando-as ao seu desenvolvimento histórico e à sua permanência arquitetônica e urbana na cidade. Mais que isso, a questão central que permeou a sua investigação foi a constatação da ausência de preservação efetiva dos bens de interesse cultural localizados no bairro, o que tem contribuído para a perda de exemplares significativos da arquitetura histórica paulistana. Em face disso, a autora buscou compreender como a legislação urbana e preservacionista incide nas questões que envolvem o patrimônio histórico construtivo do bairro. Para tanto, ela analisou as transformações arquitetônicas que estão ocorrendo no bairro, tombado integralmente em 2002, e deteve-se em identificar o atual estado de conservação das suas edificações e conjuntos históricos.

 img DEST bexiga Escadaria-do-Bexiga 20190311 temporario

Escadaria do Bexiga 1929 – 2018 | Fonte (imagem à esquerda): www.dicionarioderuas.prefeitura.sp.gov.br/ | Acesso em 15 nov. 2017. À direita, fotografia realizada por Giulia Vercelli em 05/03/2018.

Neste bairro, que começou no Piques, junto ao atual centro da cidade, e foi subindo pela hoje Avenida Brigadeiro Luiz Antonio até chegar à posterior Avenida Paulista, conhecido pelas cantinas, em que casas antigas e bonitas se alternam com outras em ruinas, a pesquisadora se deparou com o seu caráter histórico e a manutenção de suas características multiétnicas, ocupado que fora na sua origem, a partir do final do século XIX, principalmente por italianos, espanhóis e negros libertos da escravidão e hoje por nordestinos, africanos de língua portuguesa, haitianos e sírios, que mantêm suas características populares. Mesmo sem consciência do que o bairro representa para a memória histórica de São Paulo, seus atuais moradores têm por ele particular afeição, ocupam suas ruas e se conhecem, e nele se identifica uma atmosfera diferente.

 img DEST bexiga Rua-13-de-Maio  20190311 temporario

Rua 13 de Maio 1921 – 2018 | Fonte (imagem à esquerda): Arquivo Histórico de São Paulo. In: SCHNECK, 2010, p. 187. A direita, fotografia realizada por Giulia Vercelli em 05/03/2018. A presença de um detalhe decorativo embaixo da janela do
edifício do lado direito, permitiu a precisa localização da imagem de 1921, correspondente hoje à Rua 13 de Maio n. 298.

Ela esclarece que, mesmo com o amplo levantamento do patrimônio histórico do bairro e tombamentos de suas construções mais significativas realizado pelo Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo, o que culminou em normas que precisam ser respeitadas, nem sempre isso se verifica, ou por falta de fiscalização ou porque os proprietários, sem condições de manter os imóveis, preferem deixá-los cair, o que lhes possibilita depois vender o terreno ou transformá-lo em estacionamento. Esse conflito entre a legislação e as pressões do mercado imobiliário constitui uma grande ameaça para o Bexiga, ocupado por casas baixas que, se demolidas, darão origem à verticalização e à perda de sua identidade. Diante desse quadro e do perigo da progressiva extinção desse rico patrimônio histórico em decorrência da exploração imobiliária e do plano diretor da cidade que incentiva a verticalização, a pesquisadora se propôs a estudar e sugerir medidas que possam ajudar a preservação dessa parte da cidade profundamente ligada ao seu desenvolvimento. Ela espera que seu trabalho venha a colaborar com o aperfeiçoamento de futuros de inventários de bairros históricos da cidade de São Paulo.

Origens
Para o desenvolvimento do trabalho, a autora considerou importante estudar primeiramente a formação da cidade e a origem e o desenvolvimento do bairro de forma a entender seu contexto atual e sugerir intervenções que lhe garantam a preservação. Para atender a estes objetivos ela elegeu como método de análise o sistema de Saverio Muratori, que propicia leitura concomitante da tipologia arquitetônica com o desenvolvimento do traçado urbano, o que a levou a adaptar os estudos do professor e arquiteto italiano, que os aplicou em Roma e principalmente Veneza, nas décadas de 1950 e 1960.

Muratori considerava que, para projetar o hoje, é fundamental conhecer a origem histórica da cidade, as razões do seu traçado, sua importância arquitetônica e o uso dos edifícios e não apenas seus aspectos estéticos atuais. A propósito diz ela: “O Bexiga é importante não só pelas suas construções características e pelos seus belos palacetes, mas também pelo traçado de suas ruas e quarteirões, reveladores da história da formação da cidade de São Paulo”.

A conformação original do Bexiga reflete a configuração geomorfológica da região, ocupada por morros e brejos insalubres e atravessada por três córregos que com o desenvolvimento do local acabaram canalizados. Essas características inóspitas barateavam os preços dos lotes o que atraía imigrantes e negros libertos já no final do século XIX.

Depois de realizar uma revisão histórica da formação de São Paulo e do Bexiga e da teoria de análise proposta por Muratori e seus seguidores, adaptando-a às condições locais, ela adotou como estudo de caso os três quarteirões que hoje compõem a rua São Domingos, onde se encontra a famosa padaria do mesmo nome. A rua foi escolhida por ser uma das mais antigas do bairro e porque nela se encontram várias construções antigas e tombadas, com tipologias características do bairro e que, além disso, sofreu uma grande mudança com a construção da Radial Leste-Oeste.

A partir daí, ela construiu uma classificação tipológica representativa dos prédios da rua, utilizando os arquivos cartográficos de São Paulo, em que pesem suas precariedades, pois a maioria desses mapas contêm apenas o traçado das ruas, sem o desenho dos lotes, que são indicados apenas a partir de 1930. As primeiras e poucas construções registradas nos mapas são da década de 1910.

Mesmo assim, com base do que ele encontrou nos arquivos, entre 1910 e 1930, e no que existe hoje ela conseguiu delinear vários tipos arquitetônicos que constituem um suporte para o entendimento da cronologia do que deve ter acontecido na rua escolhida para estudo entre as décadas de 1910 e 1960. Com base nisso e no que existia na década de 1980, em que se deu o primeiro inventário, e no que foi fichado no grande inventário de 2002, ela concluiu que a mudança no bairro foi grande. Entretanto, a pesquisadora enfatiza a importância da descoberta de que, embora possa ter mudado a fachada das casas, dos sobrados ou dos prédios, a forma dos lotes continua a mesma, estreitos e compridos, bem como os esqueletos das construções.

Mais artigos...

  1. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  2. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  3. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  4. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  5. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  6. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  7. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  8. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  9. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  10. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  11. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  12. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  13. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  14. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  15. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  16. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  17. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  18. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  19. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  20. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  21. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  22. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  23. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  24. Busca por doenças raras
  25. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  26. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  27. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  28. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  29. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  30. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  31. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  32. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  33. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  34. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  35. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  36. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  37. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  38. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  39. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  40. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  41. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  42. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  43. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  44. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  45. Uma desnecessária operação de guerra
  46. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  47. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  48. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  49. Eram os deuses jornaleiros?
  50. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  51. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  52. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  53. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  54. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  55. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  56. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  57. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  58. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  59. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  60. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  61. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  62. Em busca do trem perdido
  63. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  64. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  65. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  66. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  67. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  68. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  69. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  70. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  71. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  72. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  73. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  74. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  75. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  76. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  77. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  78. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  79. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  80. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  81. A água no Brasil: da abundância à escassez
  82. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  83. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  84. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  85. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  86. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  87. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  88. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  89. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  90. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  91. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  92. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  93. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  94. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  95. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  96. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  97. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  98. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  99. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  100. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171