ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo

O Aquífero Guarani é um reservatório de águas doces subterrâneas que ocupa parte dos territórios do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Entre 2002 e 2010, durante as negociações com esses países para a assinatura do acordo que regula a utilização dessas águas, o Brasil atuou de modo soberanista e não exerceu o papel de líder das negociações

 Aquiferoguarani temproario

Valéria Dias/Agência USP de Notícias

“A maior preocupação do Brasil foi garantir que não haveria interferência dos outros três países. As autoridades brasileiras buscaram preservar a soberania nacional para que o acordo não permitisse nenhuma interferência no território subterrâneo nacional e em seus recursos naturais. Porém, foi uma atuação reticente, com a intenção de que o envolvimento fosse o menor possível”, aponta a jornalista Cínthia Leone Silva dos Santos, autora da dissertação de mestrado 'Atuação do Brasil na negociação do acordo sobre o aquífero guarani', apresentada em 14 de dezembro de 2015 ao Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP.

A pesquisa, realizada sob a orientação do professor Wagner Costa Ribeiro, mostra que o Uruguai foi o país que mais se mobilizou pela assinatura do acordo. “Os diplomatas uruguaios se movimentaram e iam pessoalmente para as discussões”, conta a jornalista. O Brasil foi o país que mais interrompeu as negociações. Apesar disso, a reunião de assinatura do acordo, na Argentina, em 2010, ocorreu por iniciativa brasileira.

Após a descoberta do Aquífero Guarani, em 1996, era necessário regulamentar o uso das águas. Porém, existiam poucas informações técnicas a respeito. Entre 2002 e 2009, foi realizado, com recursos do Banco Mundial, um projeto de pesquisa sobre o aquífero. “Havia um grande temor de que a realização de alguma obra para a utilização das águas no território brasileiro pudesse causar repercussão negativa para os outros países”, informa a pesquisadora, lembrando que as pesquisas mostraram que essa interferência não existe.

Segundo a jornalista, outra preocupação, principalmente do governo uruguaio, era de que a ONU considerasse as águas do aquífero como internacionais, abrindo assim a possibilidade de exploração por outros países além de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. A primeira proposta para o acordo foi em 2004, mas não houve consenso devido a existência de divergências. Segundo Cinthia, foram feitas cinco versões do mesmo acordo até a assinatura, em 2010.

Além de analisar esses cinco textos, a pesquisadora investigou também as propostas de cada país e as trocas de correspondências entre o Ministério das Relações Exteriores do Brasil e os outros países, além de documentos do Ministério do Meio Ambiente brasileiro. Ela também entrevistou especialistas ligados ao aquífero.

Uma das propostas da Argentina era a criação de um órgão de solução de controvérsias e também a necessidade de consulta prévia para a realização de obras de aproveitamento das águas. “O Brasil se posicionou contra essas duas propostas. Está previsto que haverá um órgão próprio de solução de controvérsias, mas sem nenhum molde definido e sem usar nada do que estava contido na proposta argentina. O acordo final exclui a necessidade de consulta prévia, ou seja, ficou como o Brasil queria”, diz.

Caminho pacífico embasado pela ciência
Aqüífero Guarani temproario“O acordo sobre o Aquífero Guarani se tornou o primeiro sobre águas transfronteiriças [cujos limites vão para além das fronteiras dos países] a ser assinado de modo pacífico. Isso é algo novo na diplomacia”, diz a pesquisadora. Outro ponto positivo foi que o documento assinado teve como embasamento as pesquisas científicas realizadas durante o projeto do Banco Mundial. “Isso mostra a influência daquilo que estava sendo produzido no campo científico”, destaca. Sobre a gestão do aquífero, ela é realizada de modo independente pelos quatro países, sem que um interfira nas decisões do outro.

A pesquisadora lembra que Argentina e Uruguai já ratificaram o acordo, ao contrário do Brasil e do Paraguai. “Com a não ratificação, os países deixam de criar alguns órgãos propostos no acordo”, explica. No caso do Paraguai, a proposta é a criação de uma escola de formação para capacitação técnica. No Brasil, é a existência de um órgão técnico para monitoramento dos poços que utilizam as águas do aquífero. Para o Uruguai, a criação de um órgão de análise das características físico-químicas da água, pensando nos corredores termais existentes naquele país. Para a Argentina, não havia especificações, mas o país forneceria dados sobre a utilização dessas águas.

Outros aquíferos
Ao ser descoberto, o Aquífero Guarani foi considerado como a maior reserva de água doce subterrânea do mundo. “Posteriormente, foram descobertos dois outros aquíferos: o Alter do Chão, que abrange os estados do Pará, Amazonas e Amapá, no Brasil; e a Grande Bacia Artesiana, na Austrália. Ambos desbancaram o Guarani e hoje são os maiores do mundo”, esclarece a pesquisadora.

mapa-do-aquifero-alter-do-chao temproarioA maior parte do Aquífero Guarani está localizada em território brasileiro, sob os Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “Mais de 90% de toda a água retirada do aquífero é usada pelo Brasil. Encontrei dados na literatura apontando que de 70 a 80% dessa retirada de água é feita pelo Estado de São Paulo. E a maior cidade abastecida exclusivamente pelo Guarani é Ribeirão Preto, com mais de 600 mil habitantes”, finaliza.

 

Filtros capacitivos mostram eficácia em qualidade de energia

Antonio Carlos Quinto/Agência USP de Notícias

O Laboratório de Física Aplicada e Computacional (Lafac) da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP, em Pirassununga, testou a eficiência dos efeitos de um filtro capacitivo que é capaz de reduzir “ruídos” na rede elétrica o que como consequência pode gerar economias da ordem de 5% a 20%.

O professor Ernane Xavier, do Lafac, explica que o equipamento foi testado por um período de 30 dias, durante 24 horas ininterruptas, e mostrou eficiência na redução dos ruídos gerados por surtos e artefatos harmônicos presentes na rede elétrica. Xavier explica que a rede elétrica que fornece energia para industrias e residências deve oscilar a uma frequência de 60 hertz (hz), mas isso não ocorre devido a ruídos e imperfeições

“Os chamados ruídos são causados por picos de tensão que provocam descargas nos equipamentos gerando os ‘artefatos harmônicos’ na rede elétrica”, descreve o cientista. Estas oscilações introduzem outras frequências na rede denominadas de harmônicas, pois, são múltiplos inteiros da frequência principal que é de 60 Hz e acontecem acima ou abaixo desta medida. “Em geral, sempre acima, e quase nunca abaixo. Estas oscilações geram correntes espúrias que podem gerar aumentos no consumo que o consumidor chega a sentir no bolso”, descreve.

Os detalhes técnicos sobre os testes foram publicados na revista Sodebras e apresentados no XXXIII International Sodebras Congress, que aconteceu no primeiro semestre deste ano em Salvador. Xavier conta que o equipamento testado não foi desenvolvido no seu laboratório, mas por ex-alunos da universidade que atuam no mercado de tecnologia e engenharia elétrica. “O que fizemos, na verdade, foi um caminho inverso. Normalmente uma inovação começa pelos estudos, redação de um artigo científico e depois a construção de um protótipo”, descreve. “Neste caso validamos, cientificamente, o equipamento que já tem cerca de dez anos de existência, mas que ainda não é acessível ao consumidor em geral”.

O filtro capacitivo testado no Lafac foi instalado em paralelo à rede elétrica. Segundo Xavier, não se tratou apenas de um simples teste. Os técnicos do laboratório também sugeriram melhorias no equipamento, como a digitalização do filtro. Na linha de teste que foi estabelecida no Lafac, os pesquisadores identificaram diferentes tipos de surtos e artefatos harmônicos na rede elétrica de Pirassununga, onde está localizada a FZEA.

“O painel onde foi instalado o filtro foi constituído de um reator gerador de surtos e artefatos harmônicos operando sobre um sistema de lâmpadas fluorescentes”, descreve o professor. O sinal da rede elétrica foi amostrado antes e depois da atuação do filtro capacitivo e os resultados foram analisados num medidor de frequência. Os resultados foram positivos, com a redução dos ruídos e artefatos harmônicos e, consequentemente, diminuindo as perdas no consumo de energia elétrica.

Segundo Xavier, os ruídos na rede elétrica também podem danificar e aumentar o consumo de equipamentos que compõem a rede, como motores e geradores, transformadores, cabos de alimentação, capacitores e equipamentos eletrônicos. Os filtros testados foram das versões monofásica e trifásica.

O pesquisador explica que filtros capacitivos ainda não são de conhecimento dos consumidores em geral, mas trata-se de um equipamento que poderá ser usado, no futuro, em residências, gerando economia para o consumidor. “Estes equipamentos são usados geralmente na indústria, onde o consumo e as perdas de energia são bem maiores”.

Mais artigos...

  1. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  2. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  3. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  4. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  5. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  6. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  7. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  8. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  9. Licença para voar
  10. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  11. A supressão da cidadania nas celas
  12. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  13. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  14. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  15. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  16. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  17. Pequeno príncipe, grande aviador
  18. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  19. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  20. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  21. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  22. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  23. Revelando o turista-fotógrafo
  24. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  25. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  26. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  27. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  28. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  29. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  30. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  31. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  32. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  33. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  34. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  35. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  36. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  37. O padre aviador
  38. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  39. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  40. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  41. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  42. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  43. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  44. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  45. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  46. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  47. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  48. Entenda as novas regras para aposentadoria
  49. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  50. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  51. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  52. Tecnologia 29/10/2015
  53. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  54. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  55. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  56. Como identificar infarto, AVC e angina
  57. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  58. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  59. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  60. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  61. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  62. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  63. Aviação também é um negócio bizarro!
  64. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  65. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  66. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  67. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  68. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  69. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  70. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  71. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  72. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  73. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  74. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  75. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  76. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  77. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  78. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  79. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  80. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  81. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  82. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  83. Não há limites para quem sonha em pilotar
  84. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  85. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  86. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  87. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  88. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  89. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  90. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  91. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  92. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  93. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  94. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  95. O colapso dos grandes herbívoros
  96. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  97. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  98. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  99. Mais fogo e menos água
  100. As novas cores da (des)igualdade racial no país
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171