ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Tratado de Versalhes marcou 'nova fase do capitalismo'

O Tratado de Versalhes foi assinado no dia 28 de junho de 1919, em Paris, na França – há exatos 100 anos, portanto -, celebrando um acordo de paz entre os países envolvidos na Primeira Guerra Mundial

Tratado 1 temproario

Rol de entrada do Palácio de Versalhes à época da assinatura do tratado. Foto: Wikimedia Commons/CC BY-SA 4.0


Claudia Costa/Jornal da USP

Ele entrou em vigor em 10 de janeiro de 1920, colocando um ponto final nas hostilidades iniciadas em 1914 entre as potências europeias, suas colônias e aliados ao redor do mundo. O tratado devolveu a paz ao continente e determinou que a Alemanha arcasse com todos os prejuízos causados pela guerra, principalmente as perdas financeiras.

Os alemães o chamaram de “Ditado de Versalhes”, já que não houve nenhuma possibilidade de o país negociar as condições para a paz definitiva, gerando um sentimento de derrota e de humilhação em toda a população alemã, além de intensa crise econômica e social. Apenas em outubro de 2010 a Alemanha quitou a dívida imposta pelo Tratado de Versalhes.

Tratado 2 temproario

Manifestação na Alemanha contra o Tratado de Versalhes, chamado pelos alemães de “Ditado de Versalhes”. Foto: Wikimedia Commons

Segundo o professor Everaldo de Oliveira Andrade, do Departamento de História da FFLCH/USP, o tratado foi assinado em uma situação peculiar, na derrota dos grandes impérios do centro – Austro-Húngaro, Alemão e Otomano. “Na verdade, o Tratado de Versalhes é parte de um conjunto de tratados. É o mais conhecido, mas houve outros tratados com outros países derrotados que impuseram uma série de dificuldades para que esses países se recuperassem rapidamente dos efeitos da Primeira Guerra Mundial”, afirma.

Para o professor, essa demora em entrar em vigor, somente seis meses depois da sua assinatura, deve-se ao período revolucionário que a Alemanha vivia. “A Revolução de 1919, pouco lembrada, é fruto direto da guerra. Foi um período de grande instabilidade, em que foram proclamados os sovietes na Alemanha, e também da morte de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, líderes revolucionários assassinados pelas forças da extrema direita”, relata.

Além disso, diz Andrade, há uma série de divergências entre os próprios vencedores. “Há uma insistência da França de que o tratado impusesse pesadas perdas e reparações de guerra à Alemanha, em uma tentativa de atrasar o seu desenvolvimento econômico, que já era bem superior nesse período em relação à própria França e a outros países europeus”, informa.

Segundo ele, a França, mais do que resolver a questão da guerra e conseguir a paz, buscava o revanchismo, utilizando o tratado como uma forma de impor, a longo prazo, uma derrota mais profunda ao desenvolvimento e a uma futura hegemonia econômica da Alemanha na Europa. Para o professor, “nenhum tratado de paz do vencedor contra o derrotado é justo, porque não existe guerra justa de fato”.

Em sua opinião, o Tratado de Versalhes não é um tratado de paz, e sim uma expressão de uma nova fase do capitalismo. “Uma fase de guerra e revoluções, em que há um acirramento das disputas pelo mercado mundial. Inglaterra e França buscavam aniquilar seu rival econômico, que era a Alemanha”, explica, acrescentando que o tratado representa uma fase de ruptura com uma situação anterior, em que o capitalismo ainda não havia se consolidado. “Uma fase de conflitos cada vez maiores, que vão desembocar na Segunda Guerra Mundial, e depois em outras tensões permanentes no mundo na história contemporânea”.

Segundo Andrade, não foi o tratado que levou à depressão econômica. “Já existia uma situação de crise econômica que gerou a própria guerra. São tensões que não se resolvem na Primeira Guerra e vão se refletir no futuro”, afirma. “Mas é uma crise do capitalismo, uma crise profunda que se revela na depressão econômica e na ascensão da União Soviética, em uma revolução que ocorre no meio da Primeira Guerra Mundial, em fevereiro de 1917, na Rússia, que destrói não só o império russo mas a própria república, quando é proclamado o socialismo e depois a União Soviética”, diz, informando ainda que essa crise tem um novo round em 1929, com a quebra da Bolsa de Valores de Nova York.

 Tratado 3 temproario

No dia 28 de junho de 1919, Alemanha é obrigada a assinar o Tratado de Versalhes. Foto: Wikimedia Commons

O Tratado de Versalhes, sob os auspícios do presidente norte-americano Woodrow Wilson, do primeiro-ministro britânico David Lloyd George e do primeiro-ministro francês Georges Clemenceau, instituiu a Liga das Nações, órgão internacional que atuaria como regulador da situação política do mundo, a fim de evitar futuras guerras. Apesar de ser um dos principais negociadores do tratado, o Congresso dos Estados Unidos não ratificou o documento nem aderiu à Liga das Nações, firmando um acordo bilateral com os alemães pelo Tratado de Berlim, de 1921.

A Liga fracassou porque não dispunha de um poder executivo forte, e sua dissolução oficial ocorreu em abril de 1946. Sua sucessora, a ONU, já havia iniciado suas atividades em outubro de 1945. “A Liga das Nações foi construída sobre a base de uma situação muito instável. Apesar de França, Inglaterra e Estados Unidos vencerem a guerra, a Alemanha não foi ocupada militarmente, seu exército não foi derrotado, gerando uma situação irresolvida”, comenta Andrade.

“Não havia uma base política nem um acordo com as grandes potências, o que acabou ocorrendo com a fundação da ONU, que teve a participação da União Soviética.” Como lembra o professor, a Liga das Nações não envolvia a União Soviética. “Pelo contrário, houve uma união entre países vencedores e vencidos para esmagar o Estado soviético que estava nascendo”.

O professor ainda conta que a União Soviética, após a Revolução de 1917, passou por uma guerra civil, de 1918 a 1922, e a Liga das Nações não tinha autoridade política e moral para impedir essa ação. Ele também fala sobre o papel dos Estados Unidos: “Embora o presidente Wilson defendesse uma série de pontos importantes, ele foi derrotado internamente por uma política isolacionista dos Estados Unidos nesse período, fragilizando a possibilidade de a Liga das Nações ter um resultado positivo”.

“Essa experiência tem um reflexo evidente na história das relações internacionais, porque mostrou que um tratado humilhante – contra a Alemanha, depois contra o Império Austro-Húngaro e contra o próprio Império Otomano – não favorecia a reorganização do Estado e acabava gerando uma instabilidade política maior.” Segundo o professor, de alguma maneira, o tratado acabou colaborando para uma década de 20 ainda instável. “Os efeitos do Tratado de Versalhes na crise de 1929 foram mais profundos à medida em que se colocavam obstáculos quase intransponíveis para que a Alemanha pudesse se recuperar plenamente da derrota e do caos econômico provocado pela Primeira Guerra Mundial.”

Mais artigos...

  1. Teatro Kabuki reúne transgressão e perenidade na cultura japonesa
  2. Febre das patinetes desafia cidades brasileiras
  3. Plano do MEC de transferir escolas públicas para Polícia Militar divide opiniões
  4. Senado já rejeitou médico e general para o Supremo Tribunal Federal
  5. Varejo eleva, em 10 anos, representatividade no comércio
  6. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional
  7. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (2)
  8. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (3)
  9. Checar os dados é premissa para proteger os cidadãos
  10. Instituto do Patrimônio quer forró como patrimônio imaterial
  11. Livro retrata o teatro de resistência de Sami Feder
  12. No Brasil, apenas 85 municípios cumprem requisitos de saneamento básico
  13. Mulheres aumentam escolaridade em relação aos homens, mostra pesquisa
  14. Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à URSS
  15. Falta de gestão prejudica oferta de creches
  16. Militarização de colégio público divide opiniões
  17. Extrato de jabuticaba pode prevenir doenças
  18. 1ª Previdência permitia aposentadoria aos 50 anos
  19. Projetos buscam maior rigor para o trânsito
  20. Estudo aponta fragilidade da Previdência nos estados
  21. Senadores querem política para doenças raras
  22. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  23. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  24. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  25. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  26. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  27. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  28. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  29. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  30. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  31. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  32. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  33. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  34. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  35. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  36. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  37. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  38. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  39. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  40. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  41. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  42. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  43. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  44. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  45. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  46. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  47. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  48. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  49. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  50. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  51. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  52. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  53. Dança e Direitos Humanos
  54. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  55. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  56. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  57. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  58. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  59. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  60. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  61. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  62. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  63. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  64. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  65. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  66. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  67. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  68. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  69. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  70. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  71. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  72. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  73. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  74. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  75. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  76. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  77. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  78. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  79. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  80. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  81. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  82. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  83. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  84. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  85. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  86. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  87. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  88. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  89. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  90. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  91. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  92. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  93. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  94. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  95. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  96. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  97. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  98. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  99. Busca por doenças raras
  100. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171