ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Dá para viver bem de agricultura familiar na Amazônia

Qual é o padrão de vida que pequenos agricultores familiares, produtores de cacau e/ou gado, podem alcançar em termos de bem-estar econômico?

Homem 1 temproario

Moradia de agricultores familiares, rodeada por sistema agroflorestal, com cacau conectando-se com a floresta conservada na Reserva Legal. Foto: cedida pelo pesquisador

Letícia Santin/AC-Esalq/Jornal da USP

Essa é a pergunta que Daniel Braga procurou responder em sua tese, realizada no Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP.

O trabalho concluiu que produtores de cacau em sistemas agroflorestais (SAFs) podem ser tão bem-sucedidos quanto produtores de gado, considerando que o cacau gerou, no mínimo, seis vezes mais renda que o gado (por hectare). Mais que isso: os produtores de cacau também tendem a ocupar menores áreas e conservar mais florestas.

“Quando as famílias adotaram cacau e gado na mesma propriedade a chance de sucesso aumentou, consequentemente ao custo de maior desmatamento pela pecuária extensiva. Entendendo a complementaridade econômica entre ambos os sistemas produtivos, a intensificação da pecuária em áreas menores é fundamental”, disse Braga.

A tese foi orientada pelo professor Edson Vidal (Esalq), com supervisão do professor Flávio Gandara (Esalq) e parceria com o professor Benno Pokorny, da Universidade de Freiburg, na Alemanha. A partir da abordagem conhecida como Meios de Vida Sustentáveis, aperfeiçoada pelo Laboratório de Silvicultura Tropical (Lastrop/Esalq), foram aplicadas 95 entrevistas ao longo de sete municípios do Pará (Uruará, Medicilândia, Brasil Novo, Anapu, Pacajá, Novo Repartimento e São Félix do Xingu).

Com os dados, o pesquisador desenvolveu um indicador de sucesso baseado na renda e moradia familiar. Segundo o pesquisador, após quase meio século de ocupação da Transamazônica, ainda há problemas graves de infraestrutura, educação, saneamento básico, criminalidade, disputa pela terra, entre outros.

“A preocupação com os problemas decorrentes da pobreza e desmatamento ilegal, diante do mercado do cacau em ascensão mundial, cada vez mais tem chamado atenção para os sistemas agroflorestais com cacau como potencial ferramenta de reabilitação de áreas degradadas/alteradas, capaz de conciliar a produção com a conservação florestal”, comentou.

Homem 1 temproario

Encontro de agricultores para troca de experiências a fim de melhorar a qualidade da produção de cacau no sudeste do Pará. Foto: cedida pelo pesquisador

Daniel sugere que o sistema agroflorestal com cacau, em condições favoráveis de solo, pode ser uma alternativa à pecuária extensiva. Segundo ele, além do cacau, os SAFs diversificam a renda familiar e, no melhor dos casos, podem incluir o uso de plantas nativas, adaptadas à menor fertilidade.

“No entanto, para difundir tais sistemas produtivos mais complexos, é necessário reforçar políticas direcionadas às condições e populações locais, com suporte à agricultura familiar. Além disto, é fundamental consolidar mercados atrativos para uma diversa gama de produtos nativos, como castanha-do-brasil, açaí, babaçu, cajá, cupuaçu, bacaba, buriti e muitos outros. Portanto, é urgente estabelecer novas estratégias de desenvolvimento sustentável para a Amazônia”, finalizou o pesquisador.

Pesquisa identifica composto com potencial para tratamento da malária

Camila Boehm/Agência Brasil

Pesquisa feita por um grupo internacional de pesquisadores identificou um composto capaz de interromper o ciclo de vida do parasita causador da malária no corpo humano, impedindo a transmissão da doença para o mosquito vetor. Os resultados do estudo abrem caminho para que um novo medicamento contra a doença seja desenvolvido. O trabalho teve a participação de brasileiros, financiados pela Fapesp.

Homem 1 temproario

O controle efetivo da Malária exige a adoção de estratégias diferenciadas para distintas realidades. Foto: Gov.Amazonas


A molécula denominada TCMDC-135051, sintetizada pela empresa farmacêutica GSK, conseguiu inibir uma proteína essencial para o ciclo de vida de três espécies de parasitas causadores da malária, sendo duas delas em circulação no Brasil. Mesmo o mais agressivo dos parasitas – Plasmodium falciparum – mostrou-se sensível ao composto.
"Foram documentados mais de 190 mil casos de pessoas infectadas pela malária no Brasil, a grande maioria na região amazônica. O número de pessoas infectadas é bastante grande. A indústria farmacêutica mundial tem pouco interesse nesse tipo de doença porque os países são pobres e as doenças não são crônicas”, disse Paulo Godoi, que realizou o trabalho de pesquisa no Centro de Química Medicinal, da Unicamp.
“A indústria tem muito interesse por doenças crônicas, nas quais o paciente tem que continuar tomando a medicação por muitos anos” acrescentou. A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por parasitas do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada da fêmea infectada do mosquito Anopheles. A ação do composto testado na pesquisa afeta o parasita em diferentes estágios de desenvolvimento, o que o torna mais eficiente.
Os testes foram realizados com cultura de células in vitro e em animais. “In vitro mostrou a inibição da enzima, que o parasita morria dentro da célula, e in vivo mostrou a eliminação do parasita circulante no camundongo”, disse Godoi. O resultado in vivo mostrou ainda a eliminação do parasita na corrente sanguínea após cinco dias de infecção.
O pesquisador explicou que há uma diferença importante entre a ação desse novo composto e dos medicamentos que já estão no mercado. “Essa molécula nova é bastante específica para eliminar o parasita sem, provavelmente, interferir em outras proteínas do corpo. Isso já é uma boa indicação de que efeitos colaterais no ser humano, se ocorrerem, devem ser pequenos”, disse. Para ser considerada segura, uma molécula candidata a se tornar um medicamento não pode ter interferência com proteínas humanas.
Além da falta de interesse da indústria farmacêutica, outra barreira para a erradicação da malária é que o parasita tem adquirido resistência aos medicamentos existentes. “Dado o número de casos no Brasil e em outras partes do mundo, acho que é interessante sim a gente trabalhar com uma droga nova, também porque as drogas atuais não estão mais funcionando muito bem, os organismos [dos parasitas] estão se tornando mais resistentes a essas drogas e, por isso, fica mais difícil tratar as pessoas que forem infectadas”.

Mais artigos...

  1. Perda do emprego e redução da renda são principais causas da inadimplência no país
  2. Girassol é símbolo de campanha para alertar sobre depressão
  3. Quatro países europeus perdem status de eliminação do sarampo
  4. Mortes por câncer de pulmão entre mulheres deve estabilizar em 2030
  5. Abrir mão do smartphone prejudicaria a rotina de 77% dos jovens conectados
  6. Congresso estuda novo Fundeb com o triplo de verbas federais
  7. Quer criar uma startup? Veja dicas e alertas de especialistas na área
  8. Dos balcões aos tabuleiros, a comida de rua chega à capital da Província de SP
  9. Por que o chefe troglodita está em extinção
  10. Evento sobre histórias em quadrinhos traz novas pesquisas na área
  11. Capoeira busca reconhecimento social junto a jovens de escolas públicas
  12. Senado volta a discutir fracionamento de medicamentos
  13. Menos de 7% dos territórios quilombolas reconhecidos têm títulos de propriedade
  14. Campanha 'Agosto Dourado' incentiva a amamentação
  15. Oito em cada dez brasileiros estão dispostos a adotar mais práticas de consumo colaborativo
  16. Licença-paternidade estendida favorece vínculo com filho
  17. Há 40 anos, Lei de Anistia preparou caminho para fim da ditadura
  18. Homem que fica em casa para cuidar dos filhos é "menos homem"
  19. Governo defende salvaguarda tecnológica da base de Alcântara
  20. Plano Nacional de Educação pode ajudar a atingir metas da Agenda 2030
  21. Mais de 60% dos brasileiros usam meios digitais para pagamentos
  22. Cosa Nostra, Camorra, 'ndrangheta: as diferenças entre as máfias da Itália
  23. Sete em cada dez brasileiros tiveram de fazer cortes no orçamento no primeiro semestre
  24. População de tigres na Índia cresce mais de 30% em quatro anos
  25. De olho nas contas públicas
  26. Portadores de deficiências graves têm mais dificuldade para trabalhar
  27. Juros do cheque especial subiram para 322,2% ao ano em junho
  28. Na fronteira da barbárie
  29. Descarte de eletroeletrônicos deve entrar em consulta pública
  30. Ações para proteção de recursos hídricos beneficiam comunidades rurais
  31. Elefante africano ajuda a aumentar estoque de carbono na floresta
  32. Alimentos afrodisíacos na história da gastronomia
  33. Estudo aponta aumento de câncer em população de 20 a 49 anos
  34. Novos negócios tentam inovação e solução de problemas da sociedade
  35. Endocrinologistas fazem campanha contra anabolizantes
  36. Casamentos via internet podem expor brasileiras a abusos
  37. Alerta de perigo ambiental
  38. Estudo analisa impactos de quedas na qualidade de vida de idosos
  39. Estudo mostra que adolescentes de faixas carentes estão mais obesos
  40. Tratado de Versalhes marcou 'nova fase do capitalismo'
  41. Teatro Kabuki reúne transgressão e perenidade na cultura japonesa
  42. Febre das patinetes desafia cidades brasileiras
  43. Plano do MEC de transferir escolas públicas para Polícia Militar divide opiniões
  44. Senado já rejeitou médico e general para o Supremo Tribunal Federal
  45. Varejo eleva, em 10 anos, representatividade no comércio
  46. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional
  47. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (2)
  48. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (3)
  49. Checar os dados é premissa para proteger os cidadãos
  50. Instituto do Patrimônio quer forró como patrimônio imaterial
  51. Livro retrata o teatro de resistência de Sami Feder
  52. No Brasil, apenas 85 municípios cumprem requisitos de saneamento básico
  53. Mulheres aumentam escolaridade em relação aos homens, mostra pesquisa
  54. Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à URSS
  55. Falta de gestão prejudica oferta de creches
  56. Militarização de colégio público divide opiniões
  57. Extrato de jabuticaba pode prevenir doenças
  58. 1ª Previdência permitia aposentadoria aos 50 anos
  59. Projetos buscam maior rigor para o trânsito
  60. Estudo aponta fragilidade da Previdência nos estados
  61. Senadores querem política para doenças raras
  62. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  63. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  64. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  65. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  66. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  67. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  68. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  69. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  70. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  71. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  72. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  73. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  74. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  75. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  76. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  77. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  78. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  79. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  80. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  81. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  82. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  83. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  84. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  85. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  86. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  87. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  88. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  89. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  90. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  91. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  92. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  93. Dança e Direitos Humanos
  94. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  95. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  96. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  97. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  98. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  99. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  100. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171