ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Brasil, país do improviso e da imprevidência

O soldador Erídio Dias costumava dizer que foi salvo pela sorte. Em novembro de 2015, a barragem onde ele trabalhava se rompeu, despejou 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos sobre a Bacia do Rio Doce e matou 19 pessoas em Mariana (MG)

imagem materia temporario

Destruição por rompimento de barragem em 2015 se repetiu em 2019. Fotos: Antonio Cruz/ Agência Brasil


Dante Accioly/Ag. Senado/
Especial Cidadania

Funcionário terceirizado da mineradora Vale S.A., Erídio contava que só escapou da tragédia porque, minutos antes, saiu para almoçar em um local afastado. Há três meses, o colapso de outra barragem da Vale voltou a devastar o interior de Minas Gerais. Uma onda de destruição matou mais de 200 pessoas em Brumadinho. Erídio estava entre elas.

PROJETO temporarioSe a sorte protegeu o soldador em 2015, não foi o azar que o matou em 2019. As tragédias de Mariana e Brumadinho, assim como uma série de outras catástrofes brasileiras, se explicam por uma combinação temerária de descuido na operação, falha na fiscalização e demora na condenação dos culpados. Pesquisador e doutor em gerenciamento de riscos e segurança pelo Departamento de Engenharia Naval da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Gerardo Portela afirma que a improvisação é um traço cultural dos gestores no Brasil, mesmo diante de situações de ameaça iminente.

— A prioridade não é enfrentar o problema e solucioná-lo. Na nossa cultura, falar do risco atrai o acidente ou é um ato que demonstra fraqueza. Na realidade deveria ser o contrário: fraqueza é não enfrentar o risco e não mitigá-lo — diz.
Desastres recentes ocorridos no Brasil confirmam o diagnóstico do pesquisador. Em Mariana, a Polícia Federal e o Ministério Público concluíram que a empresa Samarco e as controladoras Vale e BHP Billiton sabiam do risco de rompimento, mas não agiram. Em Brumadinho, a Polícia Civil descobriu que gerentes da mineradora foram alertados, mas também se omitiram.

A imprevidência é recorrente. Em setembro de 2018, um incêndio destruiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. A Polícia Federal concluiu que a causa do desastre foi um curto-circuito por superaquecimento em um aparelho de ar-condicionado, provavelmente sem manutenção. Em janeiro de 2013, outro incêndio ocorrera na boate Kiss, em Santa Maria (RS) e deixou 242 mortos. O fogo começou depois que o vocalista de uma banda acendeu um sinalizador pirotécnico no palco. Mas a Polícia Civil concluiu que a superlotação, a falta de saídas de emergência e a falha em extintores contribuíram para o grande número de vítimas.

Desastres
Rompimentos de barragens, incêndios, desabamentos de prédios, deslizamentos de encostas, enchentes, naufrágios de embarcações superlotadas. A lista de tragédias no Brasil impressiona não apenas porque são corriqueiras, mas principalmente porque há um arcabouço legal para evitá-las.

O então Ministério da Integração Nacional, hoje Ministério do Desenvolvimento Regional, publicou em 2017 as Noções Básicas em Proteção e Defesa Civil e em Gestão de Riscos, um compêndio que define que nas áreas de risco, por exemplo, cabe à União apoiar o mapeamento das regiões vulneráveis, enquanto os estados identificam os locais perigosos e os municípios promovem a fiscalização. Mas por que isso não acontece com a frequência e a eficiência necessárias? Para o professor da Universidade de Brasília (UnB) Frederico Flósculo o problema não está na legislação, que ele classifica como “mais que suficiente”.

— A política deformou o serviço de fiscalização, deixando-o quase totalmente sob o controle de interesses menores. Mais legislação fará pouca ou nenhuma diferença. Temos que ter para a Defesa Civil o mesmo status dado ao Ministério Público: de independência e defesa do interesse público — diz.

As calamidades acontecem mesmo quando a fiscalização funciona. Em outubro de 2017, a prefeitura do Rio interditou o Centro de Treinamento (CT) do Flamengo depois que o clube foi multado 31 vezes por falta de alvará. Apesar da proibição, o Flamengo reabriu o CT Ninho do Urubu e instalou contêineres para alojar os atletas em uma área com permissão para servir de estacionamento. Em janeiro, um curto-circuito no ar-condicionado matou dez jovens entre 14 e 16 anos.

Para Portela, tais atitudes expõem um vício do gerenciamento de riscos no Brasil: a ausência de valores éticos.

— A tecnologia deve ser usada para salvaguardar a vida, depois o patrimônio. Quando uma sociedade tem valores bem firmados, há uma cultura de segurança forte. No Brasil, nós não temos. Muitos gestores priorizam prazos, metas, interesses políticos e financeiros.

Providências
O Senado analisa pelo menos dez projetos de lei que pretendem evitar ou atenuar a ocorrência de novas tragédias. O PL 635/2019, do senador Lasier Martins (Pode-RS), proíbe a instalação de barragens de alteamento a montante — como as de Mariana e Brumadinho. O texto também impede a ocupação humana perto de represas. Já o PL 926/2019, de Eliziane Gama (Cidadania-MA), obriga as mineradoras a apresentarem plano de emergência, independentemente do grau de risco da barragem.

imagem temporarioPara combate a incêndios, o senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) apresentou o PL 1.152/2019. O texto exige que prédios acima de 30 metros de altura mantenham helipontos nas coberturas, para facilitar o resgate, por helicópteros, de pessoas isoladas pelo fogo. O senador lembra o caso de dois edifícios de São Paulo destruídos por chamas na década de 1970, Andraus e Joelma. O primeiro tinha um heliponto, mas o segundo era coberto por telhado e não por laje, o que inviabilizou o resgate.

— No Andraus pereceram 16 pessoas, enquanto no Joelma foram registradas 187 mortes.

As tragédias costumam endurecer a legislação. Após o incêndio na Boate Kiss, o Congresso aprovou a Lei 13.425, de 2017. O texto criou novas exigências para o licenciamento de edificações, como o uso de materiais não inflamáveis na construção e a utilização de sistemas de aspersão automática para o combate ao fogo.

Devido à tragédia em Mariana, a Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR) aprovou em 2018 um relatório sobre a Política Nacional de Segurança de Barragens. O autor do documento, Elmano Férrer (Pode-PI), denunciou a falta de recursos para manutenção e fiscalização dos equipamentos. Das 24 mil barragens do Brasil, 723 apresentam alto risco de acidentes e apenas 3% delas foram vistoriadas em 2017.

Depois de Brumadinho, o Senado instalou uma comissão para investigar o desastre. Diante da urgência do assunto, o relator da CPI, Carlos Viana (PSD-MG), apresentou um projeto (PL 1.396/2019) que obriga o responsável por crime ambiental a ressarcir o poder público pelas despesas com socorro, resgate, assistência e mitigação de danos.

— O desastre de Brumadinho gerou a necessidade de uma enorme mobilização de serviços públicos. Minas Gerais gastou R$ 1 milhão por dia com as operações de resgate de vítimas, localização de corpos e assistência à população. A reparação deve ser completa, incluídos os gastos para assistência às vítimas e para conter os efeitos do dano sobre comunidades atingidas — diz Viana.

Erídio, o soldador soterrado por dejetos em Brumadinho, digitou em suas redes sociais em junho de 2015 frases que deveriam servir de mantra para quem tem a missão de evitar tragédias: “A excelência não é um acidente. Ela é, acima de tudo, um hábito”.

Mais artigos...

  1. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  2. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  3. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  4. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  5. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  6. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  7. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  8. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  9. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  10. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  11. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  12. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  13. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  14. Dança e Direitos Humanos
  15. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  16. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  17. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  18. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  19. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  20. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  21. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  22. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  23. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  24. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  25. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  26. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  27. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  28. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  29. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  30. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  31. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  32. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  33. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  34. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  35. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  36. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  37. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  38. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  39. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  40. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  41. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  42. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  43. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  44. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  45. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  46. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  47. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  48. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  49. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  50. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  51. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  52. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  53. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  54. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  55. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  56. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  57. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  58. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  59. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  60. Busca por doenças raras
  61. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  62. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  63. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  64. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  65. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  66. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  67. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  68. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  69. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  70. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  71. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  72. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  73. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  74. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  75. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  76. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  77. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  78. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  79. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  80. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  81. Uma desnecessária operação de guerra
  82. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  83. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  84. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  85. Eram os deuses jornaleiros?
  86. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  87. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  88. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  89. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  90. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  91. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  92. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  93. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  94. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  95. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  96. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  97. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  98. Em busca do trem perdido
  99. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  100. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171