ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

O Estatuto do Desarmamento sob ameaça

Projeto que deixa a legislação brasileira de controle de armas mais permissiva está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados

 n-ARMA-large57044 temproario

Luana Lourenço/ABr

Depois de doze anos em vigor, a lei brasileira que restringiu a posse e o porte de armas de fogo no país está prestes a ser alterada pelo Congresso Nacional. Desde 2003, o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826) vem sendo ameaçado por tentativas de revogação que agora podem ser concretizadas com a aprovação do Projeto de Lei 3.722/2012, que está pronto para votação no plenário da Câmara dos Deputados.

Em meio a polêmicas e bate-bocas públicos entre parlamentares, as mudanças no estatuto foram aprovadas no começo de novembro pela comissão especial criada na Câmara, de onde seguiram para o plenário. Se aprovada pela maioria dos deputados, a proposta ainda precisa passar pelo Senado Federal, onde o debate deve ser mais equilibrado.

grafico-armas temproarioO projeto, batizado de Estatuto do Controle de Armas, dá a qualquer cidadão que cumpra requisitos mínimos exigidos na proposta o direito de comprar e portar armas de fogo, inclusive a quem responde a processo por homicídio ou tráfico de drogas. Além disso, reduz de 25 para 21 anos a idade mínima para comprar uma arma e garante o porte de armas de fogo a deputados e senadores.
O embate em torno das mudanças extrapola os corredores do Congresso e opõe entidades da sociedade civil e especialistas em segurança pública. O tema também tem ganhado espaço nas redes sociais.

Números
Mais de 880 mil pessoas morreram no Brasil vítimas de armas de fogo (homicídios, suicídios e acidentes) de 1980 a 2012, segundo o Mapa da Violência 2015. No último ano do levantamento, 42.416 pessoas morreram por disparo no país, o equivalente a 116 óbitos por dia.

Em 2004, primeiro ano após a vigência do Estatuto do Desarmamento, o número de homicídios por arma de fogo registrou queda pela primeira vez após mais de uma década de crescimento ininterrupto – diminuindo de 39.325 mortes (2003) para 37.113 (2004).

grafico-mortes temproario

Com 15 milhões de armas de fogo (8 para cada 100 mil habitantes), o Brasil ocupa a 75ª posição em um ranking que analisou a quantidade de armas nas mãos de civis em 184 nações. No levantamento, feito pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (Unodc) e a Small Arms Survey – entidade internacional que monitora o comércio de armas e conflitos armados no mundo –, os Estados Unidos aparecem no primeiro lugar do ranking, com 270 milhões de armas em uma população de 318 milhões de habitantes (mais de 85 armas para cada 100 mil habitantes).

Segundo o Mapa da Violência 2015, do total de armas no Brasil, 6,8 milhões estão registradas e 8,5 milhões estão ilegais, com pelo menos 3,8 milhões nas mãos de criminosos.

De acordo com o Ministério da Justiça, de janeiro de 2004 a julho deste ano, 671.887 armas de fogo foram entregues voluntariamente por meio da Campanha Entregue sua Arma, prevista no Estatuto do Desarmamento.

 

Por que manter o Estatuto do Desarmamento?

grafico-proximospassos temproarioA defesa do Estatuto do Desarmamento colocou do mesmo lado aliados improváveis, como o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) e o líder religioso pastor Silas Malafaia, além de nomes como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame; a ex-senadora Marina Silva; e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“A questão da arma de fogo não é uma questão conservadora ou progressista. Inundar a sociedade com armas de fogo é algo que diz respeito à segurança. E a segurança não é nem de direita nem de esquerda, é uma questão que envolve a vida das pessoas, independentemente da sua orientação política”, avalia o diretor executivo do Instituto Sou da Paz, Ivan Marques.

Para os defensores da atual legislação de controle de armas, as mudanças no estatuto representam um retrocesso e um risco aos avanços obtidos em 12 anos de implementação, como as 160 mil mortes evitadas no período, segundo projeções do Mapa da Violência de 2015.

“A gente volta a uma situação anterior a 2003, em que pessoas andavam armadas porque conseguiam uma licença facilmente com um delegado de polícia. O estatuto tem como premissa o porte arma como exceção. A nova lei transforma essa exceção em regra e isso é um absurdo para a segurança pública, uma vez que você inunda a sociedade com armas de fogo”, pondera Marques.


infografico-desarmamento temproarioOs que defendem o estatuto têm a seu favor um arsenal de pesquisas e estudos que mostram a efetividade de uma lei anti-armas mais rígida e alertam para o risco de violência associado à maior quantidade de armas de fogo em circulação.

No Mapa da Violência de 2015, por exemplo, o pesquisador e sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz chegou à conclusão que 160.036 vidas foram poupadas com o maior controle de armas decorrente do estatuto.

O indicador de morte evitadas é calculado pela comparação entre a tendência de crescimento de morte violentas antes da lei e os números reais de ocorrências após a implementação do estatuto.

Na série histórica de morte por armas de fogo do estudo (1980-2012), o ano de 2004, primeiro após a entrada em vigor da lei, registra a primeira queda no número de homicídios por disparos após dez anos de crescimento ininterrupto.

Já no estudo Mapa das Armas de Fogo nas Microrregiões Brasileiras, o pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Daniel Cerqueira concluiu que o aumento de 1% na quantidade de armas de fogo em circulação eleva em até 2% a taxa de homicídios. Dados da Organização das Nações Unidas mostram que, enquanto no mundo as armas de fogo estão associadas a 40% dos homicídios, no Brasil, os disparos são responsáveis por 71% dos casos.

“Revogar o Estatuto do Desarmamento é uma proposta não só reacionária, mas completamente desvinculada de qualquer critério técnico, porque todos os dados, 

Para além das conclusões teóricas sobre armas de fogo e violência, Lima destaca que quem lida com a segurança pública na prática também defende mais controle no acesso às armas.evidências, mostram que mais armas significam mais mortes”, acrescenta o vice-presidente do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima.

“Policial que passou por cargo de gestão e tem experiência é a favor do controle. Sabe que é mais fácil trabalhar em um ambiente onde quem estiver armado é criminoso, portanto poderá ser detido e poderá ser julgado. Liberar para todo mundo andar armado dificulta o trabalho da polícia”, compara.

Mais artigos...

  1. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  2. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  3. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  4. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  5. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  6. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  7. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  8. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  9. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  10. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  11. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  12. O padre aviador
  13. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  14. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  15. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  16. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  17. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  18. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  19. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  20. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  21. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  22. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  23. Entenda as novas regras para aposentadoria
  24. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  25. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  26. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  27. Tecnologia 29/10/2015
  28. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  29. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  30. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  31. Como identificar infarto, AVC e angina
  32. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  33. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  34. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  35. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  36. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  37. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  38. Aviação também é um negócio bizarro!
  39. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  40. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  41. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  42. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  43. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  44. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  45. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  46. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  47. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  48. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  49. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  50. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  51. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  52. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  53. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  54. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  55. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  56. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  57. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  58. Não há limites para quem sonha em pilotar
  59. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  60. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  61. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  62. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  63. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  64. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  65. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  66. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  67. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  68. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  69. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  70. O colapso dos grandes herbívoros
  71. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  72. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  73. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  74. Mais fogo e menos água
  75. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  76. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  77. Férias. É hora de aprender
  78. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  79. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  80. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  81. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  82. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  83. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  84. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  85. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  86. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  87. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  88. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  89. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  90. Como transformar crise em oportunidade?
  91. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  92. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  93. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  94. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  95. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  96. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  97. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  98. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  99. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  100. Conheça o mundo bizarro da visão

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171