ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol

Um modelo de governança corporativa específico para clubes de futebol pode melhorar a gestão interna, além de servir de base para um eventual marco regulatório do setor, mostra estudo realizado na FEARP da USP.

 page37 temproario

Valéria Dias/Agência USP de Notícias

O modelo para os clubes é descrito na tese de doutorado do professor universitário Daniel Siqueira Pitta Marques, orientada pelo professor André Lucirtom Costa.

O modelo final apresenta 5 dimensões: cultura organizacional e práticas de gestão; sustentabilidade financeira; direitos dos associados; conselhos de clube (administração, deliberativo e fiscal); e auditoria externa e independente. Cada um desses itens contempla várias sugestões e práticas que visam a um maior nível de qualidade da governança.

A governança corporativa envolve todos os mecanismos e práticas de direção e controle em uma organização. Sua origem veio da tentativa de solucionar os chamados conflitos de agência, originados pela separação, nas organizações, entre propriedade e controle: quem é o dono / quem administra.

Gestores profissionais: preparo, experiência e dedicação integral ao trabalho.“Em um enfoque mais amplo e atual, também busca conciliar os interesses de todos os steakholders [proprietários, gestores, setor público, fornecedores, clientes, etc.]“, aponta o pesquisador. “Atualmente, uma maior transparência na gestão e a profissionalização dos gestores pode ser um diferencial. Entretanto, no futuro, esses fatores poderão se tornar uma condição primordial para a sobrevivência dos clubes e a credibilidade de sua gestão”.

Marques realizou um levantamento dos principais modelos de governança corporativa existentes por meio de pesquisa em órgãos como o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, a Organização para Cooperação de Desenvolvimento Econômico, o International Corporate Governance Network, além de uma revisão bibliográfica sobre gestão de clubes de futebol.

Com base nessa análise, o pesquisador elaborou um modelo de governança corporativa e o submeteu a alguns especialistas do setor. Esses especialistas puderam concordar ou discordar das propostas e apresentar sugestões de ajustes, inclusão ou exclusão de itens, além de avaliar a relevância da aplicabilidade do modelo.

O pesquisador realizou as adequações sugeridas e escolheu dois itens para verificar se eram ou não utilizados em clubes. Esses itens são mais inovadores, e discordantes de práticas de governança tradicionalmente consagradas e utilizadas em outros setores. O primeiro é se havia limite de voto por pessoa, independentemente do numero de títulos adquiridos. E o outra é se os clubes exigiam tempo mínimo para a possibilidade de voto.

futebol-3 temproarioA partir desses dois itens, o pesquisador fez um levantamento junto aos 20 clubes da série A e aos 20 da série B do Campeonato Brasileiro de futebol. Desses, 27 disponibilizavam o estatuto social na internet. Marques analisou esses estatutos e constatou que a maioria era favorável a esses dois aspectos.

Marques explica que, nas empresas de capital aberto, os acionistas possuem, nas assembleias gerais, um direito a voto proporcional ao número de ações que possuem. “Mas esse exercício proporcional, no caso dos clubes, pode ter um efeito negativo na condução dos destinos dos mesmos, ao concentrar o poder decisório nas mãos de uma pessoa ou de um pequeno grupo”, revela.

A grande maioria dos steakholders – no caso, os torcedores – pode ser considerada como um público altamente interessado, mas sem direito a voto. E mesmo a figura do sócio-torcedor não contempla essa possibilidade. “Fica difícil para os gestores conseguirem ter legitimidade diante desse público que não têm voz”, comenta.

“Na maioria dos clubes, o voto é limitado a um por pessoa. Também é comum a exigência de um tempo mínimo como associado para o exercício desse direito. Essas são características que, apesar de recomendáveis para os clubes, vão contra as práticas de governança recomendadas para organizações privadas com fins lucrativos".

"No caso dos clubes, tal restrição serve para evitar que alguém se associe a um clube de futebol apenas para o exercício do voto, comprometendo interesses da coletividades do clube. Neste sentido, recomenda-se a adoção de um limite de prazo mínimo de associação, como uma carência, para haver possibilidade de voto”, explica.

“São muito comuns as notícias sobre problemas administrativos nos clubes, como má gestão e endividamento, principalmente no Brasil, um pouco na América Latina e até na Europa. Isso acaba levando a crises de credibilidade”, destaca o pesquisador, lembrando que existe todo uma maior conscientização por parte da opinião pública exigindo maior transparência dos clubes. Marques acredita que a legitimidade, a gestão eficiente e a sustentabilidade financeira são alguns mecanismos que ajudariam a melhorar esse quadro.

Ele ressalta que não é a formatação jurídica, como clube empresa, que traz a excelência administrativa. “A gestão mais profissionalizada envolve especialistas com preparo, experiência e que podem se dedicar a esse trabalho em tempo integral. Esse é um dos fatores que podem trazer êxito para a administração do clube”, finaliza.

 

"Olheiro virtual" auxilia a identificação de talentos esportivos

Olheiro temproarioOs treinadores de futebol e de outras modalidades esportivas poderão contar com o auxílio de um “olheiro virtual” para identificar novos talentos para seus clubes

Elton Alisson/Agência FAPESP

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP, campus de São Carlos, desenvolveu um método estatístico capaz de identificar atletas com desempenho acima da média em suas respectivas modalidades esportivas. Batizado de iSports, o projeto está sendo coordenado por pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Industria – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão financiados pela FAPESP.

“Um aspirante a jogador de futebol profissional, no Brasil, tem que passar por diferentes processos seletivos e pode ter que esperar anos para ter seu talento reconhecido. O sistema que estamos desenvolvendo vai funcionar como um ‘olheiro virtual’ e encurtar esse tempo de reconhecimento”, disse Francisco Louzada, professor do ICMC-USP e coordenador do projeto.

O sistema – que está sendo finalizado e deve ser disponibilizado antes dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro – está voltado, inicialmente, ao futebol, e se baseia em resultados de testes físicos e de habilidades esportivas de atletas. Realizados por técnicos e profissionais de educação física, os testes físicos de jogadores de futebol – como os de corrida de resistência, velocidade e potência anaeróbica – medem o desempenho do atleta em uma sequência de corridas com distâncias variadas.

criancasfuteboldes temproarioJá as provas de habilidades incluem testes de passe, drible e chute. No teste de passe, por exemplo, o atleta tem quatro tentativas de chutes em direção a um determinado alvo. No teste de drible, ele precisa correr em ziguezague em torno de cones. E na prova de chute, tem que receber a bola e acertar determinadas áreas demarcadas em um gol.

Os resultados dos testes físicos e de habilidades dos jogadores são inseridos em um banco de dados do sistema. Por meio de modelagens estatísticas avançadas, o sistema analisa os resultados obtidos pelos atletas, em conjunto e isoladamente, e cria indicadores na forma de gráficos e figuras ilustrativas, que podem ser visualizadas na tela de um computador, tablet ou smartphone.

Dessa forma, o técnico de um time de futebol amador pode, por exemplo, comparar o desempenho de cada jogador individualmente em relação ao restante do grupo e identificar quais estão acima da média e deveriam ser encaminhados para participar de seletivas de clubes e quais necessitam melhorar o rendimento em campo. “O sistema pode ser customizado e adaptado para qualquer modalidade de esporte de alto desempenho, individual ou coletivamente. Basta mudar os tipos de testes físicos e de habilidades”, explicou Louzada.

Baseado em cloud computing – tecnologia que permite o acesso remoto a softwares, sem a necessidade de instalá-los –, o sistema também permite a comparação e o compartilhamento de resultados de desempenho esportivo de atletas de uma mesma modalidade de diferentes regiões do país.

Para isso, os técnicos, professores de educação física ou olheiros precisam se cadastrar no sistema e inserir dados de testes físicos e de habilidades de seus atletas. Por meio de um sistema semelhante ao utilizado em redes sociais, um técnico pode solicitar a outro fazer parte de sua rede e ambos passam a compartilhar os indicadores de seus atletas.

Dessa forma, é possível comparar o desempenho de atletas de uma cidade, estado e até mesmo do país e identificar quais são os mais aptos para serem jogadores profissionais, apontou Louzada. “Às vezes, há um talento esportivo escondido em uma cidade nos rincões do Brasil que dificilmente será descoberto. O iSports pode possibilitar que ele seja detectado e revelado e auxiliar o trabalho dos olheiros profissionais”, avaliou.

O sistema está sendo usado atualmente para analisar o desempenho de alunos da filial da escola de base do time paulista Santos Futebol Clube, a “Meninos da Vila”. “Esperamos oferecer o sistema também para outras escolinhas de futebol, de forma que seja amplamente testado”, disse Louzada. O protótipo do sistema está disponível em (www.mwstat.com/isports).

.

Mais artigos...

  1. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  2. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  3. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  4. Entenda as novas regras para aposentadoria
  5. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  6. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  7. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  8. Tecnologia 29/10/2015
  9. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  10. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  11. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  12. Como identificar infarto, AVC e angina
  13. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  14. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  15. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  16. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  17. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  18. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  19. Aviação também é um negócio bizarro!
  20. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  21. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  22. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  23. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  24. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  25. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  26. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  27. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  28. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  29. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  30. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  31. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  32. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  33. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  34. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  35. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  36. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  37. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  38. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  39. Não há limites para quem sonha em pilotar
  40. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  41. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  42. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  43. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  44. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  45. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  46. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  47. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  48. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  49. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  50. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  51. O colapso dos grandes herbívoros
  52. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  53. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  54. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  55. Mais fogo e menos água
  56. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  57. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  58. Férias. É hora de aprender
  59. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  60. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  61. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  62. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  63. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  64. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  65. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  66. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  67. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  68. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  69. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  70. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  71. Como transformar crise em oportunidade?
  72. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  73. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  74. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  75. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  76. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  77. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  78. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  79. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  80. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  81. Conheça o mundo bizarro da visão
  82. Pioneirismo e modernidade em surdina
  83. Treino combinado atenua obesidade
  84. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  85. É a vez de proteger os oceanos
  86. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  87. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  88. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  89. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  90. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  91. Integrado, ma non troppo
  92. O poder do boca a boca
  93. Especial 22/04/2015
  94. Especial 19/03/2015

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171