ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Senadores querem política para doenças raras

O Senado quer encontrar soluções para as pessoas que sofrem de doenças raras. Nos próximos dias, os senadores formarão uma subcomissão para discutir com ONGs, médicos, cientistas, indústria farmacêutica e autoridades da saúde pública medidas que amenizem o sofrimento dos doentes

imagem materia 01 04 06 2019 temproario

Romário (2º à esq.), Mandetta e Heinze com pessoas com doença rara e famílias. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Ricardo Westin/Ag. Senado/Especial Cidadania

As doenças raras formam um grupo bastante heterogêneo, cada uma com características muito próprias. O que as une são a baixa prevalência individual (daí o adjetivo “raras”) e o fato de serem crônicas, progressivas, degenerativas e incapacitantes. A grande maioria não tem cura. Em muitos casos, no entanto, há tratamentos que garantem o bem-estar e aumentam a sobrevida dos pacientes.

Para ser enquadrada como rara, a doença não pode atingir mais do que duas pessoas a cada grupo de 3 mil indivíduos. Como comparação, a diabete (que não é rara) afeta 230 brasileiros a cada grupo de 3 mil.

No Brasil, o grande problema que os pacientes enfrentam é o despreparo do Sistema Único de Saúde (SUS) para atendê-los: quase não existem centros especializados no diagnóstico e no tratamento das doenças raras, boa parte dos médicos desconhece essas enfermidades (o que leva a diagnósticos tardios, tratamentos equivocados e mortes evitáveis) e a rede pública de saúde distribui poucos remédios específicos.

 imagem materia 03 04 06 2019 temproario

Mara Gabrilli, que propôs a criação de subcomissão sobre doenças raras. Foto: Pedro França/Agência Senado

A nova subcomissão funcionará dentro da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e terá 12 meses para concluir seus trabalhos. Quem pediu a criação foi a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP).

Um universo grande de pessoas acompanhará com expectativa os debates da subcomissão do Senado. De acordo com a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), 13 milhões de brasileiros sofrem de alguma doença rara. O número equivale ao dobro da população da cidade do Rio de Janeiro.

raras temproarioDado esse contingente, o termo “raras” pode soar contraditório. Não é. Existem 8 mil enfermidades diferentes que podem ser classificadas assim. Cada uma, isolada, afeta um número relativamente pequeno de indivíduos. Mas quando as doenças são somadas, os pacientes chegam a 13 milhões.

Entre as doenças raras, possivelmente as mais conhecidas são o lúpus, que obrigou a cantora americana Selena Gomez a submeter-se a um transplante de rim, a esclerose múltipla, que afastou a atriz brasileira Claudia Rodrigues da TV, e a esclerose lateral amiotrófica (ELA), que levou à cadeira de rodas e depois matou o físico britânico Stephen Hawking.

Doentes esquecidos
Outras enfermidades desse grupo são a acromegalia, a doença de Crohn, a doença falciforme, a fenilcetonúria e a fibrose cística.

— São doentes esquecidos — afirma a presidente da Associação de Familiares Amigos e Portadores de Doenças Graves, Maria Cecília de Oliveira. — Se os pacientes que têm doenças de maior prevalência já encontram dificuldades gigantescas para conseguir tratamento no SUS, os pacientes que têm doenças raras enfrentam cerca de cem vezes mais obstáculos.

Em 2017 e 2018, o Senado abrigou uma subcomissão dedicada às doenças raras. A sua grande vitória foi a aprovação do PLC 56/2016, que prevê a criação da Política Nacional de Doenças Raras. Como os senadores alteraram o texto, a proposta foi reenviada para a Câmara. Se os deputados a aprovarem, a transformação em lei só dependerá da sanção presidencial.

Política
Desde 2014, o país tem uma política para as pessoas com doenças raras. As entidades de pacientes, no entanto, não estão satisfeitas com ela. Primeiro, porque nunca foi plenamente executada, sobretudo por falta de dinheiro. Depois, porque ela está prevista numa portaria do Ministério da Saúde e, como tal, não tem força de lei e pode ser abandonada a qualquer momento.

A nova subcomissão ouvirá os atores envolvidos na questão, que terão as audiências no Senado como tribuna para, numa frente, narrar suas dificuldades cotidianas e tentar sensibilizar a opinião pública e, em outra, sugerir ajustes no projeto que está na Câmara e pressionar o governo a colocar a portaria do Ministério da Saúde em prática.

O Brasil conta com apenas sete serviços públicos de saúde que lidam com doenças raras. Não existe, portanto, uma rede nacional de atenção aos pacientes. Se todo o contingente procurasse os serviços existentes, cada um teria que atender a mais de 1,8 milhão de doentes. Nem mesmo a cidade de São Paulo, principal referência em saúde no país, dispõe de uma unidade especializada.

Essas unidades fazem falta não apenas para o tratamento, mas também para o diagnóstico. Como a maioria das doenças raras tem origem genética, elas podem ser detectadas precocemente. Quanto mais cedo se inicia o tratamento, melhor é o prognóstico.

Os medicamentos são outra questão pendente. Eles costumam ser muito caros. O tratamento de um único paciente com atrofia muscular espinhal (AME), por exemplo, custa R$ 1,3 milhão por ano. Os preços se explicam pela baixa demanda, típica das doenças raras, e pelos altos custos envolvidos nas pesquisas.

“Pagar para viver”
Os doentes ainda têm que enfrentar a lentidão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para liberar o uso de remédios e a demora do Ministério da Saúde para incluí-los nas farmácias do SUS. O medicamento Aldurazyme, por exemplo, que é usado no tratamento da mucopolissacaridose, ganhou o registro da Anvisa em 2005, só foi incorporado pelo SUS em 2017 — mas sua distribuição não começou até hoje.

— Não é justo que tenhamos que pagar para viver — disse, numa audiência na CAS em março, a estudante Laissa Polyanna, que sofre de AME.

Como resultado, muitos pacientes recorrem à Justiça para obter os remédios gratuitamente. Isso é ruim para eles, que podem morrer por não receber o tratamento a tempo, e também para o poder público, que, ao fazer compras isoladas e urgentes, fica sem poder de negociação com a indústria farmacêutica. Em 2016, o Ministério da Saúde gastou mais de R$ 1 bilhão para atender ordens judiciais desse tipo.

 imagem materia 02 04 06 2019 temproario

Laissa, de 12 anos, que tem doença rara, em reunião presidida pelo senador Romário. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Em abril, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, assinou no Senado uma portaria que incluiu nas farmácias do SUS um remédio específico para o tratamento da AME.

Entre os projetos em estudo no Senado que beneficiam os pacientes, estão o PL 682/2019, de Flávio Arns (Rede-PR), que prevê benefícios no Imposto de Renda de quem tiver dependente com doença rara, e o PLS 56/2017, de Rose de Freitas (Pode-ES), que autoriza a entrada de remédio estrangeiro para doença rara, desde que legalizado no país de origem.

Mais artigos...

  1. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  2. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  3. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  4. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  5. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  6. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  7. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  8. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  9. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  10. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  11. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  12. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  13. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  14. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  15. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  16. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  17. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  18. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  19. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  20. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  21. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  22. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  23. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  24. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  25. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  26. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  27. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  28. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  29. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  30. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  31. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  32. Dança e Direitos Humanos
  33. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  34. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  35. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  36. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  37. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  38. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  39. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  40. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  41. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  42. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  43. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  44. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  45. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  46. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  47. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  48. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  49. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  50. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  51. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  52. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  53. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  54. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  55. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  56. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  57. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  58. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  59. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  60. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  61. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  62. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  63. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  64. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  65. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  66. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  67. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  68. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  69. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  70. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  71. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  72. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  73. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  74. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  75. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  76. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  77. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  78. Busca por doenças raras
  79. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  80. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  81. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  82. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  83. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  84. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  85. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  86. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  87. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  88. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  89. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  90. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  91. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  92. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  93. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  94. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  95. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  96. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  97. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  98. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  99. Uma desnecessária operação de guerra
  100. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171