ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa

Há exatamente 100 dias, o capitão reformado Jair Bolsonaro subia a rampa do Palácio do Planalto para dar início a seu mandato como presidente do Brasil

 106108955 trumpbolsonaro temprorio

Agenda internacional prevaleceu sobre a interna até o momento. Na foto, Bolsonaro em sua visita à Casa Branca, em 19 de março. . Foto: Ammar Awad/Reuters

O político do PSL conseguiu vencer as eleições de outubro com 55,13% dos votos, mas, apenas três meses após sua posse, viu sua popularidade despencar. Além disso, em 100 dias de governo, Bolsonaro vivenciou impasses nos diálogos com o Congresso e rusgas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

A dificuldade em manter uma articulação política emperrou o andamento de pautas que eram algumas de suas promessas de campanha, como a reforma da Previdência. Sem depender da articulação política nem de aprovações legislativas, a agenda externa acabou ganhando destaque no primeiro trimestre de seu mandato, já que decisões diplomáticas cabem praticamente apenas do presidente - as chamadas "canetadas".

"É surpreendente o foco nas relações exteriores, esse não foi um tema sobre o qual ele falou muito na campanha. E, nas últimas semanas, não faltaram notícias, viagens, um foco maior do que ele havia dado na campanha", diz Sérgio Praça, professor e pesquisador da Escola de Ciências Sociais da FGV no Rio de Janeiro (FGV-RJ). Bolsonaro fez sua estreia internacional no Fórum de Davos, na Suíça, no fim de janeiro, ocasião em que seu breve discurso oficial foi duramente criticado pela imprensa e virou meme nas redes sociais.

Dois meses depois, em março, Bolsonaro cumpriu sua primeira viagem internacional de caráter bilateral, indo aos Estados Unidos. Com grande pompa e numerosa comitiva, o presidente se reuniu com expoentes da direita americana e não economizou elogios ao país e ao governo de Donald Trump, demonstrando explícito alinhamento. Ao mandatário dos EUA, o brasileiro prometeu abrir mão de seu tratamento especial na Organização Mundial do Comércio (OMC) e autorizar o uso da base de Alcântara (MA), no Maranhão.

Para casa, Bolsonaro trouxe o apoio de Washington à entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Ao fim, a viagem teve mais consequências ideológicas do que ações práticas. Depois dos EUA, o Chile foi a segunda parada de Bolsonaro, com uma passagem apagada e marcada pela frieza do mandatário Sebastián Piñera, que chegou a criticar as falas do brasileiro sobre a ditadura militar (já depois da partida de Bolsonaro), e pela forte rejeição da oposição chilena.

000img temprorio

Jair Bolsonaro esteve acompanhado do primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu no Muro das Lamentações, em Jerusalém. Foto: Ammar Awad/Reuters

Diplomacia ideológica
Apesar das críticas enfáticas durante a campanha eleitoral contra o que chamavam de "política externa ideológica" do governo do PT, Bolsonaro, seu guru Olavo de Carvalho e o chanceler Ernesto Araújo acabaram promovendo uma diplomacia baseada parcialmente nas próprias visões de mundo. Ignorando tradições e recomendações do Itamaraty - Bolsonaro pretende trocar até uma dezena de embaixadores brasileiros -, o novo governo do PSL tem tomado decisões que vão contra a história do país na diplomacia mundial.

Esse cenário ficou mais evidente na terceira e mais recente viagem bilateral de Bolsonaro, para Israel, entre o fim de março e o início de abril. Excluindo locais muçulmanos de seu roteiro, o brasileiro demonstrou total apoio aos israelenses e chegou a visitar o Muro das Lamentações ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O presidente também deu um passo em direção à sua promessa de transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

A decisão, de alto risco para o comércio brasileiro com países árabes, agrada aos seus eleitores evangélicos e condiz com seu posicionamento pessoal. Alertado para as consequências da mudança da embaixada, Bolsonaro optou por, primeiro, abrir um escritório comercial em Jerusalém e, até o fim do mandato, tomar a decisão final. Não é a primeira vez que o presidente recua, mas, na maioria delas, ele consegue fazer manobras para cumprir parcialmente suas promessas no campo internacional.

A crise na Venezuela e o comércio com a China também estiveram na pauta de Bolsonaro durante os 100 primeiros dias de gestão, porém os dois temas geram divisões dentro do governo. Em relação à crise política e humanitária no país vizinho, Bolsonaro já ameaçou algumas vezes adotar posições mais fortes e não descartou sequer uma ação militar - opção rejeitada pelas Forcas Armadas e pelo vice-presidente Hamilton Mourão. Já a China, principal parceira comercial do Brasil, foi acusada por Bolsonaro e sua equipe durante a campanha de estar "comprando" o país, porém os tons foram suavizados após a posse.

Ao fim de três meses de governo, a certeza que fica é que Bolsonaro não abrirá mão de decisões polêmicas nem de declarações bombásticas; que o presidente, apesar de criticar os governos anteriores pela ideologia diplomática, também se guiará baseado em suas próprias concepções; mas que, alertado das consequências, Bolsonaro não se intimida em recuar ou modificar as estratégias internacionais. Logo ao voltar de Israel e em meio à polêmica do escritório comercial em Jerusalém, o brasileiro prometeu fazer um giro por países árabes do Oriente Médio no segundo semestre, quando também deve visitar a China.

Política interna
Apesar do foco na política externa em seu início de mandato, os principais desafios de Bolsonaro residem dentro das próprias fronteiras do Brasil. Sem conseguir formar uma base no Congresso, o governo já sofreu derrotas acachapantes - como na derrubada de mudanças na Lei de Acesso à Informação - e enfrenta dificuldades com a reforma da Previdência.

"A única exceção é a negociação para a presidência do Senado [quando Davi Alcolumbre derrotou Renan Calheiros]. É uma exceção importante. Imagine se fosse o Renan, o cenário estaria um caos", diz Sérgio Praça. O professor ressalta que construir uma articulação política não é tarefa simples, principalmente em um contexto de fragmentação partidária.

Os 100 primeiros dias de Bolsonaro também foram marcados pelas recorrentes crises no Ministério da Educação, com uma intensa "dança das cadeiras" que atingiu até o comando da pasta - no 98º dia do governo, Ricardo Vélez Rodríguez foi substituído por Abraham Weintraub. "Não se deve exagerar a importância desse vaivém no Ministério da Educação. A imensa maioria das coisas que foram aventadas não saiu do papel, mas é notável a falta de capacidade de Bolsonaro de identificar um problema e resolvê-lo com rapidez", ressalta Praça.

 15523194735c8683f105474 1552319473 3x2 rt temprorio

Centro de lançamento de Alcântara, no Maranhão. Foto: Ladeira/Folhapress

Com um início turbulento de governo, a popularidade do presidente também foi golpeada e atingiu o nível mais baixo para os três primeiros meses de mandato desde a redemocratização, segundo o Datafolha.

Parte disso, é verdade, se deve ao fato de que uma parcela considerável do eleitorado votou em Bolsonaro motivada pelo sentimento anti-PT, não por apoiar as ideias do capitão reformado, mas a queda da popularidade mostra que a política externa ideológica tem efeito limitado à sua base mais fiel.

"A popularidade dele caiu bastante. Tenho dificuldade em achar que o brasileiro se importa com política externa. Mesmo se o Brasil entrar na OCDE, os efeitos práticos demorarão anos. Não foi a base mais radical quem o elegeu", conclui Praça (ANSA).

Mais artigos...

  1. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  2. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  3. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  4. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  5. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  6. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  7. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  8. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  9. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  10. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  11. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  12. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  13. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  14. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  15. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  16. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  17. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  18. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  19. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  20. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  21. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  22. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  23. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  24. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  25. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  26. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  27. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  28. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  29. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  30. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  31. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  32. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  33. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  34. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  35. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  36. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  37. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  38. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  39. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  40. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  41. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  42. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  43. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  44. Busca por doenças raras
  45. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  46. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  47. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  48. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  49. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  50. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  51. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  52. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  53. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  54. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  55. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  56. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  57. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  58. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  59. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  60. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  61. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  62. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  63. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  64. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  65. Uma desnecessária operação de guerra
  66. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  67. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  68. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  69. Eram os deuses jornaleiros?
  70. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  71. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  72. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  73. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  74. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  75. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  76. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  77. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  78. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  79. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  80. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  81. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  82. Em busca do trem perdido
  83. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  84. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  85. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  86. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  87. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  88. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  89. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  90. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  91. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  92. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  93. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  94. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  95. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  96. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  97. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  98. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  99. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  100. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171