ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga

"Chegou a nossa hora. Para os outros, será apenas mais uma Olimpíada. Para nós, será uma oportunidade sem igual. Aumentará a autoestima dos brasileiros, consolidará conquistas recentes, estimulará novos avanços"

184988 CSD240915D004F01 temproario

 

Estas foram as palavras do então presidente Lula ao defender perante o Comitê Olímpico Internacional (COI), em 2009, a candidatura do Rio de Janeiro para sediar os Jogos de 2016.

Hoje, faltando 80 dias para a cerimônia de abertura, está claro que a hipótese do ex-mandatário, que pensava em usar o evento para consolidar a imagem do Brasil como potência mundial, não se confirmou. Segundo um levantamento feito pela ANSA Brasil em seis jornais internacionais entre 1º de janeiro e 31 de março, as notícias sobre a Rio 2016 foram ofuscadas pelas turbulências que afastaram a presidente Dilma Rousseff e podem levar Lula à prisão e pela epidemia de vírus zika.

Das matérias referentes ao país publicadas neste período pelos diários "Corriere della Sera" e "la Repubblica" (Itália), "El País" (Espanha), "The New York Times" (EUA), "Le Monde" (França) e "La Nación" (Argentina), apenas 29% diziam respeito às Olimpíadas, sendo que a maior parte delas falava de atletas classificados, ou seja, o foco não estava no Brasil. Por outro lado, 39% se referiam à crise institucional em Brasília, e 32%, à epidemia de zika. Os dados reforçam a sensação de que os Jogos Olímpicos perderam parte de sua capacidade de gerar dividendos à nação e de influenciar positivamente sua imagem no exterior.

O vizinho "La Nación" publicou no início de fevereiro um artigo com o título "Jogos (ainda) sem entusiasmo", que fala justamente que a preocupação do brasileiro está mais voltada para o bolso do que para as arenas esportivas. "Com uma recessão de 3,7% na economia no ano passado e uma expectativa de contração de pelo menos 3% para este ano, os brasileiros, em geral, e os cariocas, em particular, têm outras preocupações muito maiores", escreveu o periódico argentino. Contudo, lembrou que o brasileiro tem o hábito de deixar tudo para a última hora.

O ex-jogador de vôlei Giovane desfila com a tocha olímpica da Rio-2016, em Olímpia, na Grécia.Já o norte-americano "The New York Times" realizou, em 2014, uma espécie de diário durante os 100 dias que antecederam a Copa do Mundo, com atualizações frequentes sobre o estágio de preparação do país para o torneio. No entanto, as Olimpíadas, até aqui, se resumem para o jornal ao vírus zika: das 21 notícias publicadas nos três primeiros meses de 2016, 17 estavam relacionadas à epidemia.

Outro dado que pode indicar um desinteresse pelo evento é a venda de ingressos. Até o fim de abril, apenas 62% da carga de 5,7 milhões de bilhetes havia sido comercializada. "Temos que reconhecer que, sem dúvida nenhuma, um pouco do foco foi deslocado neste primeiro momento. É natural que o impeachment seja mais matéria de primeira página. Mas eu acredito que, assim que se aproximarem mais os Jogos Olímpicos, o foco vai se deslocando naturalmente", diz o presidente dos Correios, Giovanni Queiroz. A estatal é um dos patrocinadores oficiais da Rio 2016 e também seu operador logístico. Das medalhas aos cavalos do hipismo, a empresa transportará mais de 30 milhões de objetos relativos às Olimpíadas.

O contrato foi assinado em 2014, quando a crise política apenas se desenhava e poucos tinham ouvido falar de zika e microcefalia. No entanto, Queiroz garante que não houve mudança de planos para se adaptar a essa nova realidade. Em breve começará a ser veiculado no Brasil um comercial para evidenciar a participação dos Correios nos Jogos, embora boa parte da atenção da companhia esteja voltada ao mercado externo, onde a Rio 2016 vem sendo tratada como um mero apêndice da crise política e da epidemia de zika.

"A transmissão [das crises] para os Jogos será feita naturalmente. O mundo todo estará olhando para as Olimpíadas, e nós temos a intenção de expandir nossas ações para outros países, particularmente na Ásia, na Europa e nos Estados Unidos", completa o presidente da estatal. O Bradesco Seguros, que é patrocinador e segurador oficial dos Jogos, não comentou os efeitos da crise sobre o evento, mas destacou que já está promovendo uma série de ações promocionais, como um concurso que premiará novos clientes com "pacotes de experiências" e a criação de um museu itinerante que passará por 45 cidades. Procurados, os outros apoiadores da Rio 2016, Bradesco, Claro, Embratel e Nissan, não quiseram se pronunciar sobre o tema.

Bandeira-Olimpica temproario"As Olimpíadas geram menos impacto que a Copa, isso é normal pela estrutura do país. Mas, trazendo para a questão do marketing, [o momento atual] dificulta demais o engajamento para o evento", diz o consultor esportivo Erich Beting. Ele destaca que um dos pontos que pode ajudar a envolver mais a população é a passagem da tocha olímpica pelo Brasil. O evento, que está sendo realizado em mais de 300 cidades, deve dar uma "aquecida" nos negócios, apesar de não haver um clima de "oba-oba".

Já para o consultor de marketing esportivo Amir Somoggi, o COI "cometeu um erro enorme" ao entregar os Jogos Olímpicos para o Rio de Janeiro. "Como podem dar as Olimpíadas e a Copa do Mundo para um mesmo país em tão pouco tempo? O Brasil não é a China ou os Estados Unidos, que podem fazer as duas competições em um espaço de dois anos porque já têm uma grande parte da estrutura pronta e uma economia pujante", diz.

Segundo ele, do ponto de vista econômico, a Rio 2016 será um "fracasso" e dará prejuízos financeiros. "Como deu a Copa", acrescenta. Somoggi acredita que o COI precisará "colocar dinheiro" no evento ou "diminuir os lucros para não ter uma perda muito grande". Para confirmar sua visão, ele cita os problemas que "não existiam" tempos atrás. "Há três anos não tínhamos toda essa violência no Rio, que parecia ter diminuído, e nem tínhamos zika e H1N1, que agora temos".

Evento-teste de canoagem contou com competições Olímpicas e Paralímpicas, reunindo atletas de 30 países.Por sua vez, Beting tem uma opinião um pouco diferente. De acordo com ele, os contratos assinados entre o comitê e alguns dos patrocinadores, entre 2009 e 2010, "foram muito vantajosos financeiramente" para a entidade. "Sobre o COI colocar dinheiro, ainda não tenho certeza. O Rio tinha atingido a meta financeira lá atrás, então acho que a conta para os Jogos está ok", ressalta o especialista, lembrando que, em termos de gestão, o comitê internacional é "muito melhor que a Fifa". Se ainda há dúvidas quanto à capacidade da Rio 2016 de gerar lucros, parece mais claro que ela perdeu seu potencial de proporcionar dividendos políticos, como havia sido em 2009, quando o então presidente Lula, o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes usaram os Jogos para reforçar a imagem de potência emergente do Brasil.

Evento-teste de Hóquei sobre grama."A própria mídia oficial não está mais dando muito destaque para não haver a rejeição que teve a Copa do Mundo, quando se gastou muito dinheiro em estádios. Inteligentemente, o governo não está divulgando muito as Olimpíadas por causa disso, estão esperando que elas passem logo. Na realidade, você tem uma divulgação muito pífia - por ser um evento internacional - no Brasil", explica o especialista em marketing político Carlos Manhanelli, destacando que isso vale para as três esferas: federal, estadual e municipal. Segundo ele, a empolgação começou a evaporar quando as perspectivas em relação ao Brasil não se confirmaram, com a deterioração da economia. Se o governo insistisse no discurso da Rio 2016, os efeitos sobre sua imagem poderiam ser mais negativos do que positivos. Em um contexto no qual os índices econômicos estivessem nos trilhos, os Jogos poderiam ser usados como contraponto ao processo de impeachment da presidente Dilma.

"Com certeza o governo [afastado] estaria usando esse evento para mostrar a capacidade que ele tem de aglutinação, mas hoje seria prejudicial. Falar de Olimpíadas pioraria as coisas. Divulgando as Olimpíadas, ele daria munição para quem acha que é dinheiro jogado fora", afirma Manhanelli (ANSA).

Mais artigos...

  1. À capela
  2. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  3. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  4. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  5. Sede em casa facilita microempreendimento
  6. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  7. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  8. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  9. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  10. Senado debate limitação da internet fixa
  11. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  12. Rosa despetalada
  13. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  14. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  15. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  16. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  17. Depressão também atinge populações da Amazônia
  18. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  19. O circo chega às escolas
  20. Infarto também é assunto de mulher
  21. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  22. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  23. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  24. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  25. Chaplin a serviço de Chaplin
  26. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  27. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  28. Relatório revela privatização da educação pública no país
  29. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  30. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  31. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  32. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  33. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  34. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  35. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  36. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  37. O pêndulo demográfico
  38. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  39. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  40. Congresso combate violência obstétrica
  41. Sob a lona, o poder do riso
  42. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  43. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  44. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  45. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  46. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  47. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  48. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  49. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  50. Quando as emoções entram em pane
  51. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  52. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  53. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  54. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  55. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  56. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  57. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  58. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  59. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  60. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  61. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  62. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  63. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  64. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  65. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  66. Mais tempo para mães de prematuros
  67. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  68. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  69. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  70. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  71. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  72. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  73. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  74. Vegetais: crus ou cozidos?
  75. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  76. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  77. Aída foi a primeira a voar
  78. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  79. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  80. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  81. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  82. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  83. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  84. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  85. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  86. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  87. Licença para voar
  88. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  89. A supressão da cidadania nas celas
  90. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  91. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  92. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  93. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  94. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  95. Pequeno príncipe, grande aviador
  96. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  97. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  98. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  99. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  100. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171