ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Guaraná tem potencial antioxidante maior do que chá verde

O chá verde é amplamente consumido devido a uma série de benefícios de uma classe de compostos químicos presente em sua formulação: as catequinas, com ação antioxidante e propriedades anti-inflamatórias, entre outras

Capa da revista Food & Function

Pesquisa realizada na Faculdade de Saúde Pública da USP revela potencial do guaraná na prevenção de doenças cardiovasculares, entre outras.

Diego Freire/Agência FAPESP

Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da USP descobriram um concorrente à altura para a bebida, com pelo menos 10 vezes mais catequinas e velho conhecido dos brasileiros: o guaraná. Ensaios clínicos com voluntários humanos saudáveis revelaram o guaraná como importante fonte de catequinas.

Efetivamente absorvidas, elas reduzem o estresse oxidativo no organismo, relacionado ao surgimento de doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, diabetes e câncer, inflamações e envelhecimento precoce em virtude da morte de células, entre outras condições prejudiciais à saúde e ao bem-estar. Os ensaios foram feitos no âmbito da pesquisa Bioacessibilidade, biodisponibilidade e atividade antioxidante de compostos fenólicos do Guaraná (Paullinia cupana) in vitro e in vivo, realizada com apoio da FAPESP e coordenada pela pesquisadora Lina Yonekura.

“Até então, o guaraná era visto apenas como estimulante devido ao seu alto teor de cafeína, principalmente pela comunidade científica internacional. No Brasil, também observamos que havia uma escassez de trabalhos enfocando outros efeitos biológicos do guaraná. A avaliação pioneira sobre a absorção e os efeitos biológicos de suas catequinas em voluntários humanos pode aumentar o interesse da comunidade científica, do mercado e da sociedade em geral pelo fruto como alimento funcional”, acredita Yonekura, atualmente professora assistente da Faculdade de Agricultura da Kagawa University, no Japão. O paper com os resultados da pesquisa foi destaque de capa da revista Food & Function, da Royal Society of Chemistry, do Reino Unido.

Muito além da cafeína
timthumb 1 temproarioOs testes duraram um mês e foram realizados em duas etapas. Para medir os parâmetros de referência dos efeitos do guaraná em voluntários saudáveis, mas com sobrepeso e risco cardiovascular ligeiramente elevado, os indivíduos foram submetidos a exames clínicos após 15 dias de dieta controlada. Nos 15 dias seguintes, passaram a consumir 3 g de guaraná em pó suspenso em 300 ml de água todas as manhãs, em jejum.

As comparações foram feitas entre os exames dos mesmos voluntários, evitando-se, assim, influências da variabilidade entre os indivíduos. O efeito agudo do guaraná foi medido uma hora após a ingestão da solução no primeiro e no último dia. Já o efeito prolongado foi avaliado quando os indivíduos estavam em jejum, também no primeiro e no último dia.

Os efeitos do consumo de guaraná ao longo dos 15 dias de intervenção foram observados por meio de marcadores do estresse oxidativo. Também foi feito um estudo detalhado da absorção e do metabolismo das catequinas, pois até o momento não havia informações na literatura científica sobre a biodisponibilidade desses compostos no guaraná.

Entre os marcadores utilizados estava a oxidação lipídica da LDL, a lipoproteína de baixa densidade – conhecida como colesterol ruim. Essencial para o bom funcionamento do organismo, a LDL é a principal partícula que carrega o colesterol para as células, função importante para a produção das membranas celulares e dos hormônios esteroides (estrógeno e testosterona). No entanto, quando oxidada, a LDL causa aterosclerose e aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Nos testes realizados por Yonekura, a LDL coletada dos voluntários após o consumo do guaraná se mostrou mais resistente à oxidação.

Outro marcador foi um ensaio cometa, técnica que mede quebras de DNA induzidas por diferentes fatores – entre eles, o estresse oxidativo. No estudo, o DNA dos linfócitos colhidos uma hora após o consumo de guaraná sofreu menos danos quando submetido a um ambiente oxidante, indicando a presença de substâncias antioxidantes ou um melhor desempenho do sistema antioxidante enzimático dessas células. “Todos esses marcadores dependem da presença das catequinas em circulação. A melhora desses parâmetros foi geralmente observada junto com o aumento da concentração de catequinas no plasma após a ingestão do guaraná, indicando que o guaraná era de fato o responsável por esse efeito”, diz Yonekura.

Além disso, conta a pesquisadora, as catequinas do guaraná melhoraram o sistema de defesa antioxidante enzimático natural das células, composto principalmente pelas enzimas glutationa peroxidase, catalase e superóxido dismutase. Juntas, elas transformam superóxido em peróxido e, finalmente, em água, protegendo assim as células de danos oxidativos causados pelo próprio metabolismo e por fatores externos. Nos testes foi observado um aumento na atividade da glutationa peroxidase e da catalase logo após a ingestão de guaraná, mantido até o dia seguinte.

“Os resultados são animadores e mostram que a biodisponibilidade das catequinas do guaraná é igual ou superior às do chá verde, cacau e chocolate, sendo suficiente para promover efeitos positivos sobre a atividade antioxidante no plasma, proteger o DNA dos eritrócitos e reduzir a oxidação dos lipídeos no plasma, além de promover um aumento da atividade de enzimas antioxidantes. Com a pesquisa, esperamos que haja um maior interesse científico pelo guaraná, já que essa é uma espécie nativa da Amazônia e o Brasil é praticamente o único país a produzi-lo em escala comercial”, afirma a pesquisadora.

Cirurgia de obesidade: mais de 10% dos pacientes voltam a engordar após o procedimento

cirurgia-obesidade-1 temproarioGiorgio Baretta (*)

No mundo há mais de um bilhão de adultos com sobrepeso e 300 milhões com obesidade segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, a obesidade é uma doença crônica que afeta cerca de 18% das mulheres e 13% dos homens. Isso representa cerca de 19 milhões de habitantes, sem contar os mais de 50% de brasileiros com sobrepeso, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.
Nos Estados Unidos, cerca de dois terços dos indivíduos são obesos ou têm excesso de peso, um em cada três norte-americanos é considerado obeso, e a outra terça parte sofre de excesso de peso crônico. Em geral 31% dos homens e 35% das mulheres sofrem de obesidade e apenas 1% destes têm acesso à cirurgia bariátrica. No Brasil, que ocupa a segunda colocação nesse tipo de procedimentos, foram realizadas cerca de 93,5 mil cirurgias bariátricas em 2015, o que representa um crescimento de 6,25% se comparado ao mesmo período de 2014. Mas o problema não acaba com a realização do procedimento, já que entre 10% a 20% dos pacientes voltam a ganhar peso com o passar dos anos, aumentando as chances de doenças associadas à obesidade como diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia (aumento do colesterol e triglicerídeos), apneia do sono e artropatias. Além disso, ficam mais suscetíveis a sofrer com baixa autoestima e problemas psicológicos ou psiquiátricos.

O que fazer com este número cada vez maior e mais preocupante de novos obesos “de novo”?

Primeiro devemos levar em consideração os motivos pelos quais esses pacientes reganham peso. Os maus hábitos dietéticos como a ingesta abusiva de doces e álcool, o sedentarismo, a má escolha da técnica cirúrgica pelo paciente ou pelo cirurgião e o rápido esvaziamento dos alimentos do novo estômago pela dilatação ou confecção maior da anastomose gastrointestinal (costura entre o estômago novo e o intestino desviado) devem ser investigados. Uma boa entrevista com o paciente, avaliação nutricional e psicológica ou psiquiátrica no pré-operatório, bem como o incentivo à atividade física e aos retornos com a equipe multidisciplinar são de fundamental importância para evitar o insucesso da cirurgia bariátrica. Com relação à anastomose gastrointestinal, várias técnicas para redução do seu calibre vêm sendo tentadas, porém sem muitos resultados animadores. Quanto maior o calibre desta anastomose, mais rápido o esvaziamento gástrico e consequentemente maior a ingesta alimentar. O contrário é verdadeiro, ou seja, quanto menor o diâmetro desta “saída” do novo estômago operado, mais lento será o esvaziamento gástrico e mais precoce será a saciedade alimentar do paciente.
Baseado neste preceito, o Serviço de Endoscopia do Hospital VITA Batel – Endobatel vem desenvolvendo um procedimento endoscópico que visa reduzir o diâmetro da saída do estômago operado em pacientes já submetidos à cirurgia bariátrica e que estão reganhando peso. Trata-se da coagulação com plasma de argônio. O plasma de argônio ganhou importância no campo da endoscopia digestiva desde a década passada. Esta técnica promove uma termocoagulação da mucosa da anastomose gastrointestinal e consequentemente uma redução do seu calibre. Com isso, o esvaziamento gástrico é retardado e a saciedade alimentar do paciente torna-se mais precoce.
O procedimento é ambulatorial, ou seja, o paciente recebe alta logo após despertar da sedação que é realizada sob a supervisão de um médico anestesiologista. São realizadas no mínimo três sessões com intervalo de 6 semanas entre cada uma delas. Os resultados iniciais são animadores, porém o paciente deve ser encorajado a realizar atividade física e acompanhamento psicológico.
A vantagem de tudo isso é que o procedimento é minimamente invasivo, não necessitando de outra cirurgia; praticamente isento de riscos e completamente bem tolerado pelos pacientes. A ideia é que isto se torne mais uma arma no vasto arsenal terapêutico disponível no auxílio do número cada vez maior de obesos em todo mundo.

(*) É cirurgião do aparelho digestivo e especialista em cirurgia da obesidade do Hospital VITA.

Mais artigos...

  1. Velho Chico está mandando a conta
  2. Pecuária brasileira expande-se em direção ao sul
  3. Passaportes diplomáticos concedidos a líderes religiosos dividem opiniões
  4. Brasil terá sexta maior população de idosos no mundo até 2025
  5. O Caminho do Pódio
  6. Matar e morrer
  7. Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação
  8. Adolescentes estão exagerando no consumo de bebidas esportivas
  9. Especialistas listam desafios para criação de política de cuidados com idosos
  10. Conheça 15 viagens que fazem bem para a pele
  11. Barreiras intransponíveis
  12. Projeto facilita novo registro de nome e sexo
  13. Atletas contam como driblar a ansiedade na reta final para a Rio 2016
  14. Aqui e agora, entre o cômico, o onírico e a eternidade
  15. Queima de lenha e carvão pode contribuir para piora da qualidade do ar em São Paulo
  16. Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimento por dia, diz entidade
  17. Há 100 anos, o fim da sangrenta Guerra do Contestado
  18. Especialistas apresentam tecnologias que vão mudar o mundo em 2016
  19. Esportes: disputas ‘castigam’ pernas, tornozelos e joelhos
  20. Professores ganham menos que outros profissionais com a mesma formação
  21. Reino Unido deixa UE e se lança em poço de incertezas
  22. Senado pode facilitar acesso ao leite materno
  23. O que acontecerá com o Reino Unido após o referendo?
  24. Quatro problemas dentais mais comuns depois dos 50 anos
  25. Brasileiro recebe prêmio em festival russo de arte contemporânea
  26. Pesquisa resgata a memória da mineração do ouro em Guarulhos
  27. Especialistas afirmam que há risco de retrocesso no tratamento de pessoas com transtornos mentais
  28. Atual geração de adolescentes poderá ter surdez precoce, alerta estudo
  29. Estudo mostra que regularizar o jogo pode gerar arrecadação de R$ 16,5 bilhões
  30. Consumidores veem o cartão de crédito como algo positivo, mas 47% não controlam gastos
  31. Setor nuclear quer triplicar número de usinas no mundo até 2050
  32. Há 50 anos, ditadura derrubava governador de São Paulo
  33. TV deverá ser apenas digital até o fim de 2018
  34. Risco de contrair Zika durante as Olimpíadas divide especialistas
  35. Qual foi o legado dos projetos para a Copa em São Paulo?
  36. Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo
  37. Exposição traz obras de Picasso colecionadas pelo próprio autor ao longo da vida
  38. Um retrato do autismo no Brasil
  39. Os caminhos da fotografia digital: conheça a história e as promessas dessa tecnologia revolucionária
  40. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico
  41. Jovens negras da periferia mostram suas expectativas sobre o futuro
  42. Conflitos olímpicos
  43. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  44. À capela
  45. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  46. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  47. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  48. Sede em casa facilita microempreendimento
  49. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  50. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  51. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  52. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  53. Senado debate limitação da internet fixa
  54. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  55. Rosa despetalada
  56. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  57. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  58. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  59. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  60. Depressão também atinge populações da Amazônia
  61. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  62. O circo chega às escolas
  63. Infarto também é assunto de mulher
  64. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  65. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  66. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  67. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  68. Chaplin a serviço de Chaplin
  69. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  70. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  71. Relatório revela privatização da educação pública no país
  72. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  73. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  74. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  75. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  76. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  77. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  78. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  79. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  80. O pêndulo demográfico
  81. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  82. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  83. Congresso combate violência obstétrica
  84. Sob a lona, o poder do riso
  85. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  86. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  87. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  88. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  89. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  90. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  91. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  92. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  93. Quando as emoções entram em pane
  94. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  95. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  96. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  97. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  98. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  99. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  100. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171