ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Conflitos olímpicos

“Apesar das repetidas advertências dos dirigentes olímpicos, desde 1896, sobre a separação entre política e esportes, diversas competições foram marcadas por situações inversas”

veja.com/VEJA

Hoje, as fotos de autoridades e celebridades brasileiras emocionadas em Copenhague, em 2 de outubro de 2009, podem parecer miragens.

Flávio de Campos-FFLCH/Jornal da USP

Faixas de protesto, passeatas em avenidas, queimas de pneus, enfrentamentos com policiais, vaias e xingamentos à chefia da Presidência da República, depredações a agências bancárias, manifestantes de verde-amarelo, manifestantes de preto.

Tais ingredientes foram vistos à farta durante a Copa das Confederações em 2013 e também durante a Copa do Mundo de 2014. Na verdade, apimentaram de política o tempero que se pretendia mais palatável e exitoso da agenda esportiva brasileira que se iniciara com os Jogos Pan-americanos de 2007 e deverá se concluir com os Jogos Olímpicos e a Paralimpíada, ambos de 2016, e todos no Rio de Janeiro. Tal agenda, por sua vez, havia sido viabilizada pelo governo federal e o seu amplo consórcio político, financiada pelo BNDES e pavimentada pelas empreiteiras nacionais.

Hoje, as fotos de autoridades e celebridades emocionadas em Copenhague, em 2 de outubro de 2009, podem parecer miragens. Chorando e pulando de alegria, lá estavam Lula, Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Michel Temer, Renan Calheiros, Henrique Meirelles, João Havelange, Carlos Nuzman, Pelé, Guga, Parreira, Paulo Coelho e muitos outros, integrantes de uma imensa comitiva. Na praia de Copacabana, milhares de brasileiros com muito orgulho, também estavam emocionados. Há apenas sete anos, Lula “era o cara” e os ventos políticos eram amplamente governistas.

Tommy Smith e John Carlos, de punhos fechados e erguidos, com luvas pretas, no pódio dos 200 metros rasos, numa alusão aos Panteras Negras.Protestos em competições esportivas, no entanto, não se constituem em especificidades de nossa sociedade, tampouco dos tempos atuais. A despeito das repetidas advertências e pronunciamentos dos dirigentes olímpicos, desde 1896, sobre a necessária e obrigatória separação entre política e esportes, diversas competições foram marcadas por situações inversas.

Sem dúvida, o exemplo dos Jogos do México em 1968 é talvez o mais reproduzido em imagens, celebrizando os gestos de Tommy Smith e John Carlos, de punhos fechados e erguidos, com luvas pretas, no pódio dos 200 metros rasos, durante a execução do hino dos EUA e o hasteamento das bandeiras. Como é bem conhecido, a alusão aos Panteras Negras e à luta contra o racismo custaram-lhes as medalhas olímpicas, mas não foram as únicas tensões políticas daquela competição.

Antes do início dos Jogos, o Comitê Olímpico Internacional havia convidado a África do Sul, revendo a proibição estabelecida a partir dos Jogos de 1964, como retaliação ao regime do Apartheid. Tal iniciativa, contudo, provocou forte reação internacional, que culminaria no cancelamento do convite.

Dez dias antes da abertura, milhares de estudantes mexicanos participaram de uma intensa onda de protestos contra a realização dos Jogos, contra a estrutura social do país e contra a invasão de duas universidades por forças militares. Concentrados na Plaza de las Tres Culturas, os manifestantes foram atacados por soldados fortemente armados. Estima-se em 300 o número de mortos, no episódio que ficou conhecido como Massacre de Tlatelolco.

Quatro anos antes, em Tóquio, a cerimônia de abertura ofereceu um protesto mais discreto, mas não menos contundente. A pira olímpica foi acesa pelo jovem corredor Yoshinori Sakai, nascido em 6 de agosto de 1945, na localidade de Miyoshi, pertencente à prefeitura de Hiroshima, no mesmo dia em que a bomba atômica Little Boy foi lançada pelas forças militares estadunidenses. A emocionante cerimônia de abertura lembrava as atrocidades da Segunda Guerra Mundial no contexto da Guerra do Vietnã.

Os Jogos de Berlim, em 1936, provocaram os maiores constrangimentos para os defensores da neutralidade política nas competições esportivas.Momentos mais dramáticos transcorreram em 1972, em Munique, com o ataque terrorista do grupo palestino Setembro Negro à Vila Olímpica, matando dois integrantes da delegação de Israel e mantendo outros nove como reféns. Os Jogos só foram interrompidos com o desfecho trágico que culminou com a desastrosa operação da polícia alemã. No total, onze integrantes da delegação israelense, cinco terroristas e um policial foram mortos.

Tensões nacionalistas e boicotes provocados pelas mais variadas motivações verificaram-se ao longo dos cento e vinte anos de Jogos Olímpicos da Era Moderna. Mas, sem dúvida, os Jogos de Berlim, em 1936, provocaram os maiores constrangimentos para os defensores da neutralidade política nas competições esportivas.

Uma forte campanha internacional havia defendido o boicote aos Jogos nazistas. O movimento mais contundente ocorreu na Espanha cujo governo chegou a planejar a Olimpíada Popular, prevista para se realizar entre 19 e 26 de julho de 1936. Todavia, os acontecimentos políticos que levaram à eclosão da Guerra Civil Espanhola em 18 de julho impediram a realização dos Jogos Populares.

O jovem Yoshinori Sakai, que nasceu no dia em que a bomba nuclear destruiu Hiroshima.Por decisão pessoal, atletas judeus de vários países boicotaram os Jogos nazistas. Nos Estados Unidos, o Congresso Judaico Americano e o Comitê Trabalhista Judaico empreenderam uma forte campanha de boicote que foi enfraquecida com a decisão do Sindicato dos Atletas Amadores dos Estados Unidos em participar dos Jogos.

Enquanto os protestos se ouviam em diversas partes do mundo, as autoridades nacionais de trinta e dois países e o Comitê Olímpico Internacional concordaram em participar do espetáculo nazista. No caso da Inglaterra, tratava-se da conivência com as recorrentes violações de tratados internacionais e da militarização empreendida pelo governo alemão que permitiram a anexação da Áustria e dos Sudetos e que desembocaria na invasão da Polônia.

As autoridades esportivas internacionais contentaram-se com as imagens oficiais e não ousaram condenar o regime nazista, em nome da separação entre esportes e política. No seio da nação germânica governada pelos nazistas, como nunca antes, esportes e política estiveram intrinsecamente vinculados.

Ao final dos XI Jogos, o barão de Coubertin saudava o povo alemão pela realização e anunciava alvíssaras para as competições que se desenrolariam no Japão, “nas longínquas margens do Pacífico”, em 1940. O barão faleceu em 1937 e foi poupado de acompanhar as competições bélicas que ocorreram no Pacífico e em diversas outras partes do mundo. A guerra, uma vez mais, paralisaria os Jogos de 1940 e de 1944. A pacificação dos Jogos não se estendeu ao cenário internacional.

Flávio de Campos é professor de História Medieval na FFLCH e coordenador do Ludens.No caso brasileiro, retomando os Jogos Olímpicos de 2016, estabelece-se uma irônica sobreposição temporal, que também escapou ao planejamento de seus organizadores. O período do advento da abertura oficial dos Jogos pode coincidir com o desfecho do ciclo de governos petistas no plano federal. A sonhada apoteose olímpico-política parece ter se transformado no pesadelo da emergência das tendências reacionárias que desfilaram em parceria com o lulismo desde 2003.

Se tal quadro vier a se confirmar, nas fotos da tribuna das autoridades, possivelmente, estarão registrados Michel Temer, Eduardo Paes, Renan Calheiros e Henrique Meirelles. A maior parte do público estará elegantemente fardada de verde-amarelo. A tocha irá incendiar a pira olímpica e a comoção nacionalista, consagrando uma longa jornada, vai tomar conta das locuções esportivas e dos corações dos espectadores.

Se tudo isso vier realmente a ocorrer, valerá a pena revisitar as palavras de ordem das manifestações populares. Vai ter Jogos. Vai ter luta? - (Francisco Costa/Editorias: Artigos/Jornal da USP).

Mais artigos...

  1. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  2. À capela
  3. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  4. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  5. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  6. Sede em casa facilita microempreendimento
  7. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  8. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  9. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  10. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  11. Senado debate limitação da internet fixa
  12. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  13. Rosa despetalada
  14. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  15. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  16. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  17. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  18. Depressão também atinge populações da Amazônia
  19. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  20. O circo chega às escolas
  21. Infarto também é assunto de mulher
  22. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  23. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  24. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  25. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  26. Chaplin a serviço de Chaplin
  27. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  28. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  29. Relatório revela privatização da educação pública no país
  30. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  31. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  32. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  33. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  34. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  35. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  36. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  37. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  38. O pêndulo demográfico
  39. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  40. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  41. Congresso combate violência obstétrica
  42. Sob a lona, o poder do riso
  43. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  44. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  45. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  46. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  47. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  48. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  49. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  50. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  51. Quando as emoções entram em pane
  52. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  53. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  54. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  55. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  56. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  57. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  58. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  59. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  60. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  61. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  62. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  63. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  64. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  65. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  66. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  67. Mais tempo para mães de prematuros
  68. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  69. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  70. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  71. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  72. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  73. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  74. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  75. Vegetais: crus ou cozidos?
  76. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  77. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  78. Aída foi a primeira a voar
  79. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  80. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  81. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  82. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  83. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  84. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  85. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  86. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  87. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  88. Licença para voar
  89. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  90. A supressão da cidadania nas celas
  91. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  92. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  93. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  94. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  95. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  96. Pequeno príncipe, grande aviador
  97. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  98. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  99. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  100. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171