ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Separação de votações enfraqueceu entendimento de improbidade

O professor adjunto e coordenador de Graduação em Direito da FGV, no Rio de Janeiro, Thiago Bottino, disse que ao separar as votações do impeachment e da manutenção dos direitos políticos da presidenta cassada Dilma Rousseff, o Senado contrariou a expectativa de que a questão fosse votada de maneira conjunta

Marcelo Camargo/ABr

Com 61 votos favoráveis e 20 contrários, o plenário do Senado decide pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Segundo ele, a decisão enfraqueceu o entendimento de que houve improbidade por parte da presidenta afastada. “Foi uma surpresa para as pessoas verem o Senado fazer essa separação. A gente fica imaginando o porquê da separação e aí, embora não vá mudar nada, fragiliza um pouco o reconhecimento de que houve de fato um crime ou improbidade, por essas pessoas que votaram de forma diferente”, afirmou.

Para o professor, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que conduziu o julgamento no Senado, foi provocado por uma questão nova e reagiu no momento, considerando que era um julgamento político e, portanto, caberia ao Senado decidir se haveria o voto em separado. “Ele não estava agindo como juiz, estava agindo muito mais como um árbitro, como uma pessoa que conduz as discussões".

A atitude de Lewandowski, de deixar que os senadores decidissem, no voto, os efeitos foi uma forma de não se imiscuir na atribuição de outro poder, dado que é um julgamento político - a decisão não tem que ser de um membro do Judiciário. "Dizer não votem significaria limitar o direito de escolha deles [senadores]”, afirmou.

De acordo com Bottino, com a segunda votação, o Senado preferiu não impor todas as consequências do processo de impeachment. “O que o Senado fez foi a opção de um impeachment sem todas as consequências, quer dizer, limitar as consequências daquela decisão de tirá-la. Reforça a ideia de que 'não queremos que ela seja presidente, porque não tem condição de gerir a nação, porém, não vamos aplicar os efeitos de inelegibilidade, isso é só para quem é culpado, quem foi condenado pela Justiça e não é o que nos move' ”, comentou.

Thiago Bottino descartou a possibilidade de a separação das votações criar uma jurisprudência, porque o conceito não pode ser aplicado em casos isolados. “Poderia falar que há um precedente, mas não é aquela ideia de um posicionamento reiterado, consolidado, até porque a gente teve dois impeachments com regras diferentes. É muito complicado falar de uma jurisprudência, de um precedente”, informou, lembrando que a separação das duas questões durante o julgamento não chegou a ser suscitada quando o processo começou no STF. O professor contestou a aplicação da Lei da Ficha Limpa para esta situação, porque os conceitos são diferentes.

Presidente do Senado, Renan Calheiros, foi favorável a manutenção dos direitos políticos de Dilma.A doutora em direito público e mestre em teoria do Estado e direito constitucional Silvana Batini, que tem o mesmo entendimento, disse que embora se aplique a outros cargos eletivos, a Lei da Ficha Limpa não pode ser usada em casos de afastamento de presidentes da República, para a interrupção de direitos políticos, porque essa possibilidade não foi incluída nessa legislação, uma vez que estava impressa na Constituição. Mas lembrou que a decisão acabou por provocar uma distorção.

“Com a decisão, o Senado retirou a consequência da inelegibilidade sobre a presidente da República e fez com que o presidente da República fosse o único cargo da República hoje que, sendo cassado, não sofre a consequência da inelegibilidade. Então, houve uma quebra do sistema das inelegibilidades no Brasil”, disse.

A professora acrescentou que, teoricamente, o precedente aberto nessa quarta-feira só poderá ser usado em outro impeachment de presidente da República. “A inelegibilidade, supressão de direito político de deputados cassados, governadores e prefeitos, decorre da Lei da Ficha Limpa e não da Constituição. Embora o sistema das inelegibilidades seja o único harmônico, tem fontes normativas diferentes. No caso de presidente da República, diretamente na Constituição e nos outros casos, na Lei da Ficha Limpa”.
Apesar disso, observou que como houve quebra desse sistema, é de se esperar que seja invocado em questões futuras de cassação de deputados. “É possível que a Câmara queira trazer para si o mesmo poder que o Senado demonstrou e atraiu”, afirmou, destacando que não acredita que isso possa prevalecer juridicamente, mas abre discussão, cria instabilidade e pode implicar mais questionamentos.

Bottino não acredita que possa prosperar no STF qualquer ação de questionamento das decisões do Senado. “O Judiciário tem buscado em todo o processo de impeachment dar o maior espaço possível para o Poder Legislativo. Interferir o menos possível. Mesmo os argumentos processuais não tiveram muito sucesso. Foi como eu vi o Supremo se comportando, deixando a maior parte das decisões com o próprio Legislativo”. Para Silvana Batini, no entanto, como houve uma quebra no rito processual adotado pelo próprio STF, o tribunal pode ter que se posicionar no futuro sobre a questão.

O presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), disse que o partido não fechou questão na votação que manteve os direitos políticos da ex-presidenta Dilma Rousseff e que os votos de peemedebistas favoráveis à Dilma foram de caráter pessoal. Jucá considerou inconstitucional a decisão do Senado, mas minimizou o fato de correligionários terem optado por não aplicar a pena da perda dos diretos políticos à Dilma. “A hora não é de ficar com raiva devido a algum posicionamento pessoal, mas de construir convergências, buscar os caminhos, corrigir os erros e, a partir de hoje, termos a coragem de mudar o Brasil”, disse (ABr).

Agosto é mês 'sombrio' para presidentes no Brasil

Dilma Rousseff durante pronunciamento, no Palácio da Alvorada, após a aprovação de seu impeachment.O mês de agosto é historicamente um mês sombrio para os presidentes brasileiros e não só para a agora ex-presidente Dilma Rousseff, que teve seu mandato cassado nesta quarta-feira, dia 31, e que deverá deixar a Presidência da República, mas também para outros mandatários que o país já teve. Por 61 votos a favor, 20 contra e nenhuma abstenção, a primeira mulher a ser tornar presidente do país também foi a primeira a ser condenada em um processo de impeachment.
Pelas chamadas "pedaladas fiscais" e a emissão de decretos de suplementação orçamentária sem autorização do Congresso, a mineira, afastada desde maio, perdeu seu cargo, mas pode manter seus direitos políticos. Segundo a própria Dilma e seus apoiadores, o processo não se passa de um "golpe". Agosto também foi um mês difícil para os ex-presidentes Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. O primeiro comandou o Brasil durante dois períodos: interruptamente entre 1930 e 1945 e entre 1951 e 1954.
No primeiro período, foi instaurado o chamado Estado Novo, um regime totalitário, nacionalista, autoritário e anticomunista. Já no segundo mandato de Vargas, quando foi eleito por voto direto, o "pai dos pobres", como foi apelidado, continuou com seu caráter populista.
No entanto, acusações de corrupção, medidas polêmicas que desagradavam as elites, incluindo os militares, e o atentado que matou o major Rubens Florentino Vaz e feriu o jornalista da oposição Carlos Lacerda, provocado pelo chefe da guarda pessoal de Vargas, tornaram insustentável o mandato do político. Vargas foi então pressionado a renunciar o cargo pela imprensa e pelos militares e, na madrugada de 23 para 24 de agosto de 1954, se suicidou, deixando uma carta onde dizia a célebre frase "saio da vida para entrar na história".
Já Juscelino Kubitschek, que foi mandatário entre 1956 e 1961, começou sua carreira na política no início da década de 1930 e passou pelos cargos de deputado federal pelo estado de Minas Gerais, senador por Goiás, prefeito de Belo Horizonte e governador de Minas Gerais. Em 1956, assumiu a Presidência do país com uma proposta desenvolvimentista e o famoso slogan "50 anos em 5". Além disso, foi o responsável pela construção de Brasília e da mudança da capital federal do Rio de Janeiro para o centro do país, o que fazia parte da sua ideia de desenvolver melhor o interior do Brasil e a integração entre as regiões da nação.
JK concluiu seu mandato com certa tranquilidade e até tentou concorrer a outros cargos, mas não teve muita sorte. Já no dia 22 de agosto de 1976, o ex-presidente faleceu em um acidente de carro na Rodovia Presidente Dutra. O veículo onde Juscelino estava chocou-se com um caminhão que transportava gesso. Ele e o motorista do carro morreram no local. Na época, o ocorrido foi considerado um mero acidente. Porém, o caso foi reaberto com o passar dos anos e, em 2013, a Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog, em São Paulo, divulgou documentos que comprovaram que o incidente na verdade teria se tratado de um possível assassinato (ANSA).

Mais artigos...

  1. PT deixa o poder após 13 anos com avanços sociais e economia debilitada
  2. Um mitômano nos primórdios do cinema brasileiro
  3. Lei permite punir preparação de ato terrorista
  4. “Pílula do câncer” é testada em seres humanos
  5. Vertendo a mestiçagem
  6. Associativismo ginástico marca gênese da educação física no país
  7. Imprensa norte-americana destaca sucesso dos Jogos Olímpicos no Brasil
  8. Brasileiros têm a oportunidade de acompanhar novos esportes na Rio 2016
  9. Conceição: “Se eu não praticasse boxe, eu não sei o que seria de mim"
  10. Marido-técnico fez Poliana Okimoto migrar da piscina para o mar
  11. Usain Bolt: a história do tricampeonato olímpico nos 100m rasos
  12. O Brás volta a ser tema de um livro
  13. Não me tens de regresso
  14. Impeachment: por 59 votos a 21, plenário do Senado aprova denúncia contra Dilma
  15. Antenas de celular não fazem mal à saúde, defendem especialistas
  16. Falta transparência em custos do sistema carcerário no Brasil
  17. Rio 2016: moradores de comunidades removidas dizem que não há clima de festa
  18. 66% dos índios em reserva Xavante sofrem de obesidade, diabetes e doença coronariana
  19. Olimpíadas chegam ao Rio de Janeiro, mas não à Cidade de Deus
  20. Senado aprovou verba que permitiu primeira participação do Brasil nas Olimpíadas
  21. Guaraná tem potencial antioxidante maior do que chá verde
  22. Velho Chico está mandando a conta
  23. Pecuária brasileira expande-se em direção ao sul
  24. Passaportes diplomáticos concedidos a líderes religiosos dividem opiniões
  25. Brasil terá sexta maior população de idosos no mundo até 2025
  26. O Caminho do Pódio
  27. Matar e morrer
  28. Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação
  29. Adolescentes estão exagerando no consumo de bebidas esportivas
  30. Especialistas listam desafios para criação de política de cuidados com idosos
  31. Conheça 15 viagens que fazem bem para a pele
  32. Barreiras intransponíveis
  33. Projeto facilita novo registro de nome e sexo
  34. Atletas contam como driblar a ansiedade na reta final para a Rio 2016
  35. Aqui e agora, entre o cômico, o onírico e a eternidade
  36. Queima de lenha e carvão pode contribuir para piora da qualidade do ar em São Paulo
  37. Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimento por dia, diz entidade
  38. Há 100 anos, o fim da sangrenta Guerra do Contestado
  39. Especialistas apresentam tecnologias que vão mudar o mundo em 2016
  40. Esportes: disputas ‘castigam’ pernas, tornozelos e joelhos
  41. Professores ganham menos que outros profissionais com a mesma formação
  42. Reino Unido deixa UE e se lança em poço de incertezas
  43. Senado pode facilitar acesso ao leite materno
  44. O que acontecerá com o Reino Unido após o referendo?
  45. Quatro problemas dentais mais comuns depois dos 50 anos
  46. Brasileiro recebe prêmio em festival russo de arte contemporânea
  47. Pesquisa resgata a memória da mineração do ouro em Guarulhos
  48. Especialistas afirmam que há risco de retrocesso no tratamento de pessoas com transtornos mentais
  49. Atual geração de adolescentes poderá ter surdez precoce, alerta estudo
  50. Estudo mostra que regularizar o jogo pode gerar arrecadação de R$ 16,5 bilhões
  51. Consumidores veem o cartão de crédito como algo positivo, mas 47% não controlam gastos
  52. Setor nuclear quer triplicar número de usinas no mundo até 2050
  53. Há 50 anos, ditadura derrubava governador de São Paulo
  54. TV deverá ser apenas digital até o fim de 2018
  55. Risco de contrair Zika durante as Olimpíadas divide especialistas
  56. Qual foi o legado dos projetos para a Copa em São Paulo?
  57. Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo
  58. Exposição traz obras de Picasso colecionadas pelo próprio autor ao longo da vida
  59. Um retrato do autismo no Brasil
  60. Os caminhos da fotografia digital: conheça a história e as promessas dessa tecnologia revolucionária
  61. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico
  62. Jovens negras da periferia mostram suas expectativas sobre o futuro
  63. Conflitos olímpicos
  64. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  65. À capela
  66. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  67. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  68. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  69. Sede em casa facilita microempreendimento
  70. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  71. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  72. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  73. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  74. Senado debate limitação da internet fixa
  75. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  76. Rosa despetalada
  77. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  78. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  79. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  80. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  81. Depressão também atinge populações da Amazônia
  82. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  83. O circo chega às escolas
  84. Infarto também é assunto de mulher
  85. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  86. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  87. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  88. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  89. Chaplin a serviço de Chaplin
  90. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  91. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  92. Relatório revela privatização da educação pública no país
  93. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  94. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  95. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  96. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  97. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  98. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  99. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  100. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171