ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo

Cerca de 45,8 milhões de pessoas em todo o mundo estão sujeitas a alguma forma de escravidão moderna. A estimativa é do relatório Índice de Escravidão Global 2016, da Fundação Walk Free. Segundo o documento, 58% dessas pessoas vivem em apenas cinco países: Índia, China, Paquistão, Bangladesh e Uzbequistão. Já os países com a maior proporção de população em condições de escravidão são a Coreia do Norte, o Uzbequistão, o Camboja e a Índia

Divulgação MPT

Relatório da Fundação Walk Free aponta que 45,8 milhões de pessoas em todo o mundo estão sujeitas a alguma forma de escravidão moderna.

A escravidão moderna ocorre quando uma pessoa controla a outra, de tal forma que retire dela sua liberdade individual, com a intenção de explorá-la. Entre as formas de escravidão estão o tráfico de pessoas, o trabalho infantil, a exploração sexual, o recrutamento de pessoas para conflitos armados e o trabalho forçado em condições degradantes, com extensas jornadas, sob coerção, violência, ameaça ou dívida fraudulenta.

Embora seja difícil verificar as informações sobre a Coreia do Norte, as evidências são de que os cidadãos são submetidos a sanções de trabalho forçado pelo próprio Estado. No Uzbequistão, apesar de algumas medidas de combate à escravidão na indústria do algodão, o governo ainda força o trabalho na colheita do algodão.

No Camboja, há prevalência de exploração sexual e mendicância forçada e os dados do relatório destacam a existência de escravidão moderna na indústria, agricultura, construção e no trabalho doméstico. Já na Índia, onde 18,3 milhões de pessoas estão em condição de escravidão, apesar dos esforços do governo em lidar com a vulnerabilidade social, as pesquisas apontam que o trabalho doméstico, na construção, agricultura, pesca, trabalhos manuais e indústria do sexo ainda são preocupantes. No último relatório, de 2014, cerca de 35,8 milhões de pessoas viviam nessa situação.

Escravidão moderna
2eac temproarioSegundo a Walk Free, a escravidão moderna é um crime oculto que afeta todos os países e tem impacto na vida das pessoas que consomem produtos feitos a partir do trabalho escravo. Por isso, é preciso o envolvimento dos governos, da sociedade civil, do setor privado e da comunidade para proteção da população vulnerável.

Segundo a fundação, quase todos os países se comprometeram a erradicar a escravidão moderna por meio de suas legislações e políticas. Os governos que mais respondem no combate ao trabalho forçado são aqueles com Produto Interno Bruto (PIB) mais elevado como a Holanda, os Estados Unidos, o Reino Unido, a Suécia e a Austrália. As Filipinas, a Geórgia, o Brasil, a Jamaica e a Albânia estão fazendo grandes esforços, apesar de ter relativamente menos recursos do que países mais ricos, segundo a Walk Free.

18fev2013---imagem-divulgada-pelo-ministerio-publico-do-trabalho-de-sao-paulo-mostra-a-confeccao temproarioNo prefácio do relatório ao qual a reportagem da Agência Brasil teve acesso, o fundador e presidente da Walk Free, Andrew Forresto, diz que o Brasil foi um dos países pioneiros na divulgação de uma lista de empresas nacionais multadas na Justiça pela utilização de trabalho forçado. Uma liminar impedia a publicação da chamada Lista Suja do Trabalho Escravo desde dezembro de 2014. Na semana passada, entretanto, o Supremo liberou a divulgação dos nomes das empresas autuadas.

Os governos que menos fazem para conter a escravidão moderna, segundo o relatório, são a Coreia do Norte, o Irã, a Eritreia, a Guiné Equatorial e Hong Kong.

Na avaliação da entidade, levando-se em conta o Produto Interno Bruto (PIB) e a riqueza relativa do país, Hong Kong, Catar, Singapura, Arábia Saudita e Bahrein poderiam fazer mais para resolver problemas de escravidão moderna dentro de suas fronteiras.

01111 temproarioSegundo a Walk Free, muitos países, incluindo as nações mais ricas, continuam resgatando vítimas, enquanto muitos não conseguem garantir proteções significativas para os trabalhadores mais vulneráveis. A pobreza e a falta de oportunidades são fatores determinantes para o aumento da vulnerabilidade à escravidão moderna. Os estudos também apontam para desigualdades sociais e estruturais mais profundas para que a exploração persista - a xenofobia, o patriarcado, as classes e castas, e as normas de gênero discriminatórias.

Escravidão no Brasil e nas Américas
Segundo a Walk Free, o Brasil tem 161,1 mil pessoas submetidas à escravidão moderna – em 2014, eram 155,3 mil. Apesar do aumento, a fundação considera uma prevalência baixa de trabalho escravo no Brasil, com uma incidência em 0,078% da população. O relatório aponta que a exploração no Brasil geralmente é mais concentrada nas áreas rurais, especialmente em regiões de cerrado e na Amazônia. Em 2015, 936 trabalhadores foram resgatados da condição de escravidão no país, em sua maioria homens entre 15 e 39 anos, com baixo nível de escolaridade e que migraram dentro do país buscando melhores condições de vida.

4166488-144701-lg-3ab34a5c temproarioNas Américas, pouco mais de 2 milhões de pessoas são vítimas de trabalho escravo, mais identificados na Guatemala, no México, no Chile, na República Dominicana e na Bolívia. Os resultados da Walk Free sugerem que os setores de trabalho manuais, como a construção, os trabalhos em fábricas e domésticos são os que concentram mais escravos modernos nas Américas. O país com maior número de pessoas submetidas à escravidão é o México, com 376,8 mil. Os governos com melhores respostas no combate a esse crime são os Estados Unidos, a Argentina, o Canadá e o Brasil.

O relatório completo da Walk Free está em (http://www.globalslaveryindex.org/) (ABr).

Mais artigos...

  1. Exposição traz obras de Picasso colecionadas pelo próprio autor ao longo da vida
  2. Um retrato do autismo no Brasil
  3. Os caminhos da fotografia digital: conheça a história e as promessas dessa tecnologia revolucionária
  4. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico
  5. Jovens negras da periferia mostram suas expectativas sobre o futuro
  6. Conflitos olímpicos
  7. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  8. À capela
  9. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  10. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  11. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  12. Sede em casa facilita microempreendimento
  13. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  14. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  15. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  16. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  17. Senado debate limitação da internet fixa
  18. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  19. Rosa despetalada
  20. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  21. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  22. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  23. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  24. Depressão também atinge populações da Amazônia
  25. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  26. O circo chega às escolas
  27. Infarto também é assunto de mulher
  28. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  29. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  30. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  31. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  32. Chaplin a serviço de Chaplin
  33. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  34. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  35. Relatório revela privatização da educação pública no país
  36. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  37. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  38. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  39. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  40. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  41. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  42. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  43. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  44. O pêndulo demográfico
  45. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  46. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  47. Congresso combate violência obstétrica
  48. Sob a lona, o poder do riso
  49. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  50. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  51. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  52. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  53. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  54. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  55. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  56. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  57. Quando as emoções entram em pane
  58. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  59. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  60. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  61. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  62. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  63. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  64. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  65. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  66. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  67. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  68. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  69. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  70. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  71. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  72. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  73. Mais tempo para mães de prematuros
  74. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  75. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  76. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  77. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  78. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  79. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  80. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  81. Vegetais: crus ou cozidos?
  82. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  83. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  84. Aída foi a primeira a voar
  85. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  86. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  87. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  88. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  89. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  90. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  91. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  92. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  93. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  94. Licença para voar
  95. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  96. A supressão da cidadania nas celas
  97. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  98. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  99. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  100. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171