ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Improviso e falta de reconhecimento marcaram início do esporte paralímpico

Em 1984, a delegação de atletas convocados para representar o Brasil na Paralimpíada de Nova York estava com tudo pronto para embarcar, só faltava um detalhe: uma das passagens de avião. A dois dias da viagem, o grupo de sete atletas cegos que ia para a competição só tinha conseguido seis passagens e teria que cortar um integrante da delegação.

Projeto Memória Paralímpica Brasileira

Atletas com deficiência visual que participaram da Paralimpíada de Nova York, em 1984. Ao centro, Mário Sérgio Fontes (de óculos) e Anelise Hermany.

“Definimos que se essa última passagem não fosse adquirida, deveríamos cortar uma pessoa, que seria a única menina da equipe. Em princípio, se achava que essa garota teria menos condições de alcançar resultados. Porém, essa última passagem foi conseguida em cima da hora, e a equipe foi completa”, conta o ex-atleta Mário Sérgio Fontes.

Por ironia, a menina que seria cortada era Anelise Hermany, que foi a única do grupo de deficientes visuais que voltou para o Brasil com medalhas: duas de prata e uma de bronze. Naquele ano, Márcia Malsar, também do atletismo, que tem paralisia cerebral, ganhou três medalhas - uma de ouro, uma de prata e uma de bronze.

A história contada por Fontes, um dos pioneiros do esporte para cegos no Brasil, reflete bem como era o esporte para deficientes no país há algumas décadas. A falta de financiamentos e de patrocínios dificultava o treinamento e a participação em torneios e disputas internacionais. Os atletas mais antigos contam que não havia exatamente um patrocínio para suas atividades, mas ajudas esporádicas, conquistadas de forma individual.

“Não tínhamos nenhuma condição financeira de ficar em hotéis para treinamento, nossa estrutura era totalmente empírica porém, com absoluta certeza, era feita com amor, com vontade, com dedicação de todos aqueles que militavam, porque ninguém fazia sequer pensando em ganhar dinheiro”, diz Fontes, que é deficiente visual e também participou da Paralimpíada de Seul (1988).

Delegação paralímpica do Brasil em Seul, em 1988.A atleta Ádria Santos, que participou de seis paralimpíadas entre 1988 e 2008, conta que só começou a receber apoio financeiro para a prática do esporte depois de ter participado de três competições. A ganhadora de 13 medalhas paralímpicas no atletismo (4 ouros, 8 pratas e 1 bronze) diz que, no início, treinava com tênis de futebol de salão e em pistas de carvão. Mesmo quando conseguiam ir à Paralimpíada, as condições enfrentadas não eram as ideais. “Em Seul, a gente teve uniforme, mas não era como hoje, com o tamanho certo e de marcas conhecidas. Naquela época, os uniformes eram feitos e muitos ficavam pequenos, curtos, e tinha que usar, porque era só aquilo que tinha”, conta Ádria.

Em 1982, a delegação brasileira que foi participar dos jogos Parapan-Americanos em Halifax, no Canadá, teve que contar com a boa vontade dos moradores locais para conseguir agasalhos. “Nós chegamos para disputar o campeonato em um frio abaixo de zero, e todo mundo estava de camiseta. Mas, como era uma colônia de portugueses, tivemos facilidade com a língua, e eles que compraram os primeiros casacos para vestirmos”, conta o ex-atleta Luiz Cláudio Pereira, que é cadeirante e hoje é presidente da Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas.

O atleta, que participou da Paralimpíada de Stoke Mandeville, em 1984, de Seul, em 1988, e de Barcelona, em 1992, e já conquistou nove medalhas paralímpicas diz que a principal diferença da prática do esporte naquela época é em relação aos recursos disponíveis. “Hoje, temos patrocinadores, todo mundo viaja muito bem. Isso mostra que não se faz esporte de alto rendimento só com desejo. Se faz com recursos”.

O primeiro presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, João Batista Carvalho e Silva, também considera a falta de recursos uma das maiores dificuldades para a prática do esporte por deficientes especialmente até a década de 90. Com a criação do CPB, em 1995, a captação de recursos para o esporte melhorou. Ele conta que o então ministro do Esporte, Pelé, deu muito apoio para o esporte paralímpico e até acompanhou a delegação que disputou os jogos em Atlanta, em 1996.

Abertura dos Jogos Olímpicos em Stoke Mandeville, em 1984.“Os atletas mais antigos relatam que não conseguiam patrocínio porque as empresas não queriam associar sua marca a uma pessoa com deficiência”, diz a doutora em educação física adaptada pela Unicamp Michelle Barreto, que elaborou sua tese de doutorado sobre o esporte paralímpico brasileiro entre os anos de 1976 e 1992. “Eles nunca tiveram nenhum tipo de pagamento ou bolsa. Alguns tinham um patrocínio, que era pessoal, que é diferente da concepção de patrocínio que temos hoje. Naquele período, os amigos se reuniam ou uma empresa dava recursos para eventos específicos, como viagens. Era uma ajuda de custo para aquele momento”.

A professora Janice Zarpellon Mazo, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da UFRGS, lembra que o preconceito em relação às pessoas com deficiência era muito evidente e que vários atletas pioneiros do paradesporto no país encontraram no esporte uma alternativa de socialização. Apesar das dificuldades, os ex-atletas consideram que os primeiros momentos do esporte paralímpico no Brasil foram fundamentais para embasar o que existe hoje. Para Ádria Santos, hoje os atletas de ponta têm uma boa estrutura, mas atletas menos conhecidos ainda enfrentam as mesmas dificuldades de antigamente. Mas ela também acredita que as dificuldades ajudam a melhorar o esporte.

O ex-ministro do Esporte Pelé com a delegação paralímpica que representou o Brasil em Atlanta, em 1996.A primeira participação do Brasil em Paralimpíada foi em 1972, em Heidelberg, na Alemanha, com uma equipe de dez atletas. Eles foram participar das competições de basquete em cadeiras de rodas, mas competiram também em outras modalidades, como atletismo e natação. Na Paralimpíada deste ano, no Rio de Janeiro, a delegação brasileira contará com 287 atletas, participando em 22 modalidades (ABr).

Mais artigos...

  1. Uma viagem ao Brasil do futuro
  2. Separação de votações enfraqueceu entendimento de improbidade
  3. PT deixa o poder após 13 anos com avanços sociais e economia debilitada
  4. Um mitômano nos primórdios do cinema brasileiro
  5. Lei permite punir preparação de ato terrorista
  6. “Pílula do câncer” é testada em seres humanos
  7. Vertendo a mestiçagem
  8. Associativismo ginástico marca gênese da educação física no país
  9. Imprensa norte-americana destaca sucesso dos Jogos Olímpicos no Brasil
  10. Brasileiros têm a oportunidade de acompanhar novos esportes na Rio 2016
  11. Conceição: “Se eu não praticasse boxe, eu não sei o que seria de mim"
  12. Marido-técnico fez Poliana Okimoto migrar da piscina para o mar
  13. Usain Bolt: a história do tricampeonato olímpico nos 100m rasos
  14. O Brás volta a ser tema de um livro
  15. Não me tens de regresso
  16. Impeachment: por 59 votos a 21, plenário do Senado aprova denúncia contra Dilma
  17. Antenas de celular não fazem mal à saúde, defendem especialistas
  18. Falta transparência em custos do sistema carcerário no Brasil
  19. Rio 2016: moradores de comunidades removidas dizem que não há clima de festa
  20. 66% dos índios em reserva Xavante sofrem de obesidade, diabetes e doença coronariana
  21. Olimpíadas chegam ao Rio de Janeiro, mas não à Cidade de Deus
  22. Senado aprovou verba que permitiu primeira participação do Brasil nas Olimpíadas
  23. Guaraná tem potencial antioxidante maior do que chá verde
  24. Velho Chico está mandando a conta
  25. Pecuária brasileira expande-se em direção ao sul
  26. Passaportes diplomáticos concedidos a líderes religiosos dividem opiniões
  27. Brasil terá sexta maior população de idosos no mundo até 2025
  28. O Caminho do Pódio
  29. Matar e morrer
  30. Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação
  31. Adolescentes estão exagerando no consumo de bebidas esportivas
  32. Especialistas listam desafios para criação de política de cuidados com idosos
  33. Conheça 15 viagens que fazem bem para a pele
  34. Barreiras intransponíveis
  35. Projeto facilita novo registro de nome e sexo
  36. Atletas contam como driblar a ansiedade na reta final para a Rio 2016
  37. Aqui e agora, entre o cômico, o onírico e a eternidade
  38. Queima de lenha e carvão pode contribuir para piora da qualidade do ar em São Paulo
  39. Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimento por dia, diz entidade
  40. Há 100 anos, o fim da sangrenta Guerra do Contestado
  41. Especialistas apresentam tecnologias que vão mudar o mundo em 2016
  42. Esportes: disputas ‘castigam’ pernas, tornozelos e joelhos
  43. Professores ganham menos que outros profissionais com a mesma formação
  44. Reino Unido deixa UE e se lança em poço de incertezas
  45. Senado pode facilitar acesso ao leite materno
  46. O que acontecerá com o Reino Unido após o referendo?
  47. Quatro problemas dentais mais comuns depois dos 50 anos
  48. Brasileiro recebe prêmio em festival russo de arte contemporânea
  49. Pesquisa resgata a memória da mineração do ouro em Guarulhos
  50. Especialistas afirmam que há risco de retrocesso no tratamento de pessoas com transtornos mentais
  51. Atual geração de adolescentes poderá ter surdez precoce, alerta estudo
  52. Estudo mostra que regularizar o jogo pode gerar arrecadação de R$ 16,5 bilhões
  53. Consumidores veem o cartão de crédito como algo positivo, mas 47% não controlam gastos
  54. Setor nuclear quer triplicar número de usinas no mundo até 2050
  55. Há 50 anos, ditadura derrubava governador de São Paulo
  56. TV deverá ser apenas digital até o fim de 2018
  57. Risco de contrair Zika durante as Olimpíadas divide especialistas
  58. Qual foi o legado dos projetos para a Copa em São Paulo?
  59. Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo
  60. Exposição traz obras de Picasso colecionadas pelo próprio autor ao longo da vida
  61. Um retrato do autismo no Brasil
  62. Os caminhos da fotografia digital: conheça a história e as promessas dessa tecnologia revolucionária
  63. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico
  64. Jovens negras da periferia mostram suas expectativas sobre o futuro
  65. Conflitos olímpicos
  66. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  67. À capela
  68. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  69. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  70. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  71. Sede em casa facilita microempreendimento
  72. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  73. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  74. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  75. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  76. Senado debate limitação da internet fixa
  77. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  78. Rosa despetalada
  79. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  80. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  81. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  82. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  83. Depressão também atinge populações da Amazônia
  84. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  85. O circo chega às escolas
  86. Infarto também é assunto de mulher
  87. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  88. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  89. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  90. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  91. Chaplin a serviço de Chaplin
  92. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  93. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  94. Relatório revela privatização da educação pública no país
  95. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  96. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  97. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  98. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  99. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  100. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171