ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Cães reconhecem o significado de expressões emocionais

Quem tem cachorro sabe que, muitas vezes, o melhor amigo do homem parece entender o que dizemos e como nos sentimos. Estudo da bióloga Natalia de Souza Albuquerque, do Instituto de Psicologia (IP) da USP, comprovou o que antes era desconfiança: esses animais conseguem, além de diferenciar, reconhecer expressões emocionais de raiva e alegria tanto em seres humanos como em outros cães

 caes tempsorario

Valéria Dias/Agência USP de Notícias

“Obtivemos, com este estudo, a primeira evidência científica de que essa habilidade está presente também em animais não primatas”, destaca a pesquisadora.

Natalia explica que os primatas, como chimpanzés e macacos Rhesus, são capazes de reconhecer emoções, mas apenas entre si. O estudo mostrou que os cães também fazem isso. Entretanto, até então, apenas seres humanos eram considerados capazes de reconhecer emoções, tanto de outros humanos como de outros animais. Mas a pesquisa de Natalia mudou tudo. “Um dos resultados mais interessantes deste trabalho é mostrar que os cães são os únicos animais, fora os seres humanos, que conseguem reconhecer as emoções entre si e em outras espécies”, comemora.

De acordo com a pesquisadora, os resultados dos experimentos mostram que os cães reconheceram muito bem as expressões humanas de raiva e alegria. No entanto, eles foram ainda melhores em reconhecer as expressões de outros cães. “Por isso, acreditamos que esta é uma habilidade intrínseca deles, que são animais naturalmente sociais e já interagiam em seu passado evolutivo com coespecíficos [animais da mesma espécie]“, destaca. Mas, segundo a bióloga, trata-se também de uma habilidade que deve ter sido altamente vantajosa para o estabelecimento e manutenção das relações com os seres humanos e identificação de pessoas amigáveis ou não.
Os dados foram obtidos durante o mestrado da pesquisadora, apresentado ao Instituto de Psicologia da USP e realizado parcialmente na Universidade de Lincoln, no Reino Unido, onde Natalia é atualmente pesquisadora visitante. A bióloga trabalhou com o grupo do pesquisador Daniel Mills, coorientador do mestrado, um dos maiores especialistas mundiais em comportamento animal. No IP, a orientação foi da professora Emma Otta.

cao-gato-doencas-cardiacas-9361 tempsorarioA metodologia utilizada foi desenvolvida em 1964 pelo psicólogo Robert Lowell Fantz para ser aplicada em crianças na fase não verbal, mas já foi usada em primatas. Natalia analisou o comportamento de 17 cães, que não passaram por nenhum tipo de treinamento ou tiveram qualquer contato com os estímulos utilizados. Eles foram colocados, individualmente, em uma sala, a cerca de dois metros de distância de um painel contendo duas grandes telas. Uma segunda experimentadora segurava o animal, mas sem interagir com ele. O cão ficava sentado, de frente para o painel.

Natalia permaneceu atrás do painel, sem estar visível, observando duas câmeras: uma focava o animal e a outra mostrava a imagem das telas. Um jogo de luzes, no meio do painel, chamava a atenção do animal no início de cada teste. Quando ele olhava para a região central, Natalia exibia nos telões duas imagens: de um lado, a face de uma pessoa com expressão de raiva e, no outro, a imagem da mesma pessoa com expressão de alegria. Esses estímulos eram de cães e humanos (femininos e masculinos). As imagens eram de pessoas e animais desconhecidos dos participantes e em tamanho real.

Simultaneamente à exibição da imagem, era tocado um som, que poderia ser uma vocalização (voz para humanos e latidos para cachorros) que poderia ser positiva, negativa ou um som neutro. “Para os seres humanos, utilizamos a expressão ‘venha cá’, em português, pois todos os cães eram ingleses e queríamos utilizar uma língua totalmente desconhecida para eles”.

O som era tocado e repetido durante 5 segundos, mesmo tempo de duração de apresentação dos estímulos visuais. A pesquisadora analisou o comportamento dos cães, observando os movimentos dos olhos e da cabeça. Ela percebeu que eles associavam os sons às imagens. Diante de um som positivo, eles passavam mais tempo olhando para a imagem correspondente a essa emoção positiva. “Se o animal consegue reconhecer aquele estímulo sonoro, ele passa mais tempo observando a imagem correspondente. Ele reconhece o conteúdo emocional do estímulo”, destaca.

adestramento de c es 2 tempsorarioSegundo ela, nesse caso, a única correspondência entre voz/latido e uma expressão facial é o conteúdo emocional. “São estímulos de modalidades sensoriais diferentes, um é auditivo, o outro é visual, e não há correspondência direta. Se os cães respondem apropriadamente ao experimento, é porque ao escutar o som eles ativam uma representação cognitiva daquela emoção que vai ser utilizada no momento de discriminar entre as duas telas. Isto quer dizer que eles conseguem categorizar e reconhecer as emoções”, finaliza.

Agora, em seu doutorado, a pesquisadora continua trabalhando numa parceria entre a USP e a Universidade de Lincoln sobre o tema. O foco desta vez é entender quais são os mecanismos que os animais utilizam para reconhecer essas emoções.

Mais artigos...

  1. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  2. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  3. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  4. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  5. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  6. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  7. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  8. Licença para voar
  9. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  10. A supressão da cidadania nas celas
  11. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  12. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  13. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  14. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  15. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  16. Pequeno príncipe, grande aviador
  17. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  18. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  19. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  20. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  21. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  22. Revelando o turista-fotógrafo
  23. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  24. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  25. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  26. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  27. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  28. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  29. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  30. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  31. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  32. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  33. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  34. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  35. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  36. O padre aviador
  37. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  38. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  39. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  40. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  41. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  42. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  43. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  44. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  45. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  46. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  47. Entenda as novas regras para aposentadoria
  48. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  49. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  50. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  51. Tecnologia 29/10/2015
  52. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  53. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  54. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  55. Como identificar infarto, AVC e angina
  56. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  57. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  58. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  59. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  60. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  61. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  62. Aviação também é um negócio bizarro!
  63. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  64. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  65. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  66. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  67. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  68. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  69. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  70. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  71. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  72. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  73. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  74. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  75. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  76. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  77. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  78. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  79. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  80. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  81. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  82. Não há limites para quem sonha em pilotar
  83. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  84. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  85. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  86. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  87. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  88. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  89. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  90. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  91. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  92. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  93. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  94. O colapso dos grandes herbívoros
  95. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  96. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  97. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  98. Mais fogo e menos água
  99. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  100. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171