ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Avatar é usado por surdos em sala de aula

Estudo mostra como alunos compreendem a tradução para Libras em atividade proposta em livro do ensino fundamental

img DEST avatar-libras pesquisadora 20190109 temporario

Débora Gonçalves Ribeiro Dias durante a apresentação da sua dissertação.

Fotos: Scarpa

Texto: Carmo Gallo Netto / Fotos: Antonio Scarpinetti / Imagens: Reprodução

O professor José Mario De Martino, da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Unicamp, conta que em uma das edições do evento anual “Ciência e Arte nas Férias” recebeu, no Laboratório do Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial (DCA) da FEEC, um grupo de alunos surdos do curso médio, entre 16 e 17 anos, acompanhados por uma intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) interessados em conhecer as atividades de pesquisa lá desenvolvidas. Em dada altura da exposição, uma aluna, que revelava muito interesse, quis saber como as imagens aparecem na TV. Ao abordar o conceito de luz e de sua propagação no espaço, a moça se mostrou atônita e nervosa porque, para a ela, o conceito de propagação da luz não fazia sentido. Depois de certa dificuldade e de um bom tempo, se esclareceu que o conceito de luz tinha sido entendido como lâmpada e, para ela, a movimentação de uma lâmpada no espaço era incompreensível. Diante do ocorrido, ele aventou a possibilidade de alguns problemas que afetam essa comunicação: a dificuldade de tradução por falta ainda de sinais adequados em Libras, deficiência na tradução e até carência de conhecimentos básicos de ciências desses alunos. Essa jovem, diz ele, embora revelasse muito interesse e potencial, provavelmente não tivera acesso a conhecimentos que devem ser do domínio de um aluno que vem do ensino médio. Para o docente, gerações de surdos estão sendo marginalizadas e desperdiçadas em decorrência do ensino deficiente que recebem, pois a maioria das escolas brasileiras não está preparada para atendê-los.

tela 01 temporarioA linguista Ivani Rodrigues da Silva, professora do curso de Fonoaudiologia, mantido pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, e que presta serviços ao Cepre (Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel Porto), que pertence à própria FCM e atende pessoas surdas e cegas, funcionando como clínica-escola do curso de Fonoaudiologia, conta que, assistindo a uma aula de matemática em uma turma de escola em que havia uma aluna surda, percebeu que ela, embora tivesse muito empenho em participar da mesma forma que os demais colegas ouvintes, era ignorada pela professora, que se sentia desconfortável e sem condições de se comunicar com essa jovem. Com a intervenção de colegas, a professora enfim a chamou para a resolução de um exercício na lousa e deve ter se sentido aliviada pela solução correta, pois certamente não saberia como corrigi-la se fosse necessário. Ao final da aula, desconfiada de que a aluna se revelasse deslocada, em conversa a docente perguntou-lhe se gostava da escola. “Sim, gosto muito”, foi a resposta surpreendente.

Para Ivani, esses dois episódios mostram que professores e escolas precisam estar preparados para atender alunos surdos, oferecendo-lhes metodologias e materiais adequados para que tenham acesso ao conhecimento da mesma forma que os alunos ouvintes, mesmo porque muitas vezes o que o professor fala acaba sendo muito simplificado pela dificuldade da tradução simultânea do conteúdo expresso em uma língua oral (o português) para uma língua visuoespacial (Libras), não possibilitando um bom entendimento. Ignora-se ainda que, apesar da limitação sensorial, esses alunos têm anseios e desejos e são capacitados como qualquer outra pessoa, mas precisam de ajuda para vencer certas barreiras. Episódios desconcertantes como estes revelam o desconhecimento da sociedade, e não apenas dos professores, em relação aos problemas enfrentados pelos surdos que são cidadãos bilíngues, ou seja, aprendem o português como segunda língua, sendo a Libras a primeira.

tela 02 temporarioImagine-se a dificuldade desses alunos surdos para compreenderem o conteúdo das diferentes disciplinas escolares quando submetidos a um sistema de educação excludente, pela ausência de metodologias adequadas e sem contarem, como em geral se verifica, com a Libras como língua de instrução. Conscientes da complexidade desse aprendizado, esses dois professores da Unicamp, de áreas tão diversas, em um trabalho multidisciplinar, vêm se dedicando há anos em desenvolver ferramentas que possam pavimentar o caminho percorrido por esses estudantes, de forma a diminuir o número de barreiras a serem por eles vencidas.

A ideia de utilizar um avatar que sinalizasse Libras surgiu em 2005, por ocasião de uma palestra que o professor José Mario, que tinha trabalhos envolvendo leitura labial, havia proferido, a convite, para um grupo de pesquisadores da FFLCH/USP envolvidos com questões da surdez e das línguas de sinais. A consolidação da primeira versão do avatar se deu em 2012 no bojo de uma tese de doutorado por ele orientada. Neste contexto, avatar corresponde à transposição da imagem de um indivíduo para um corpo virtual, ou seja, para uma figura criada à imagem do usuário, permitindo sua personalização no computador. Trata-se de um modelo tridimensional computadorizado que permite criar uma representação de um interprete virtual da Libras. A parceria entre os docentes remonta dessa época.

A dissertação
Em 2015, os docentes passaram a orientar conjuntamente a dissertação de mestrado da surda Débora Gonçalves Ribeiro Dias, graduada em pedagogia e licenciada em letras com habilitação em Libras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, e que desde 2011 passara a lecionar na área de Libras na Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTFPR), campus Cornélio Procópio. Ela foi a primeira aluna surda admitida no mestrado da FCM da Unicamp.

tela 03 temporarioA pesquisadora se propôs a investigar como os alunos surdos compreendem a tradução de uma atividade de livro de ciências do terceiro ano do ensino fundamental apresentada por um avatar sinalizador da Libras. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que busca verificar se os avatares de língua de sinais são adequados para traduzir a língua portuguesa para Libras. O trabalho teve como objetivo avaliar, através de um estudo de caso, se o uso de avatares pode facilitar a compreensão de alunos surdos de conteúdos de textos escolares e se esse recurso tem potencial para ajudar o aluno surdo a compreender melhor a língua portuguesa na modalidade escrita, uma das dificuldades que esse estudante tem.

A importância do trabalho ressalta quando se sabe que, de acordo com o Censo 2010 do IBGE, existem no Brasil pouco menos de dez milhões de deficientes auditivos, e parte deles utiliza Libras como língua principal e em geral possuem apenas um conhecimento básico da língua portuguesa. De certa forma isso é compreensível porque apenas a partir de decreto federal de 2005 que legitima Libras como uma língua natural a sociedade começa a se estruturar para atender às necessidades específicas dos surdos.
Na dissertação, a pesquisadora esclarece: “Muitos autores já atestaram que para melhorar a aprendizagem das pessoas surdas é importante inseri-las em um contexto em que possam ter contato com Libras, sua primeira língua, e o português, apresentado a elas como segunda língua. O reconhecimento de que o surdo é um sujeito bilíngue faz diferença quando se pensa em estratégias de ensino diferenciadas e na promoção do conhecimento escolar. Daí a importância do estudo da utilização dos avatares em Libras proposto pelo professor José Mario”.

Como os avatares são personagens virtuais, que por meio de animações são capazes de sinalizar conteúdos, podem ser incorporados a aplicativos para funcionar como tradutores automáticos da língua escrita para a língua de sinais, oferecendo aos surdos novas possibilidades de comunicação. No trabalho, além de investigar como os alunos surdos compreendem a tradução de uma atividade proposta em livro de ciências, a pesquisadora propôs-se a avaliar compreensão e inteligibilidade da Libras via avatares e verificar se o aluno consegue compreender e responder às questões da atividade executada.

A pesquisa, desenvolvida no Instituto Londrinense de Educação de Surdos, escola bilíngue, que atende a pessoas com essa deficiência, da educação infantil ao ensino médio, foi realizada com alunos surdos do quinto ano do ensino fundamental ao terceiro ano do ensino médio e também com estudantes ouvintes do ensino fundamental da cidade de Cornélio Procópio.

Para tanto, o experimento a ser executado foi mostrado aos alunos surdos primeiro pelo avatar e depois por intérprete. Após cada uma destas apresentações, os jovens, que não tiveram acesso ao livro e suas ilustrações, foram levados a realizar a atividade proposta para que pudessem ser comparados os resultados. A ideia era avaliar se esse avatar tem potencial para ser utilizado com ferramenta auxiliar de apoio ao ensino e aprendizagem de alunos surdos. Para a professora Ivani, os resultados mostraram-se afirmativos, pois os alunos conseguiram executar a tarefa proposta e os resultados dos experimentos com a participação do avatar e do intérprete não possuem diferenças significativas. Por sua vez, para efeitos comparativos, aos alunos ouvintes foram apresentadas as mesmas instruções apenas em áudio. A conclusão da pesquisa é a de que o avatar tem potencial para a tradução e apresentação do texto para o surdo, permitindo que ele estude e reveja temas com autonomia e independência, quando e onde não houver intérprete para auxiliá-lo.

Débora conclui a dissertação afirmando que a pesquisa mostra a inteligibilidade do avatar testado, embora a ele ainda não tenham sido incorporadas expressões faciais e corporais próprias dessa língua. No futuro, o instrumento poderá vir a ajudar alunos surdos a traduzir trechos de textos em português para Libras, tornando-se um recurso útil para a autonomia desses estudantes, embora o caminho a ser percorrido ainda seja longo. Ela conclui esperançosa de que “esta pesquisa contribua para o desenvolvimento de avatares expressivos, com maior inteligibilidade, que possam ser utilizados na tradução automática de Libras, permitindo que esse grupo de alunos estude com maior independência”.

Como o processo de gramatização da Libras é ainda recente, a tradução do português pelo avatar apresenta um desafio gigantesco, demandando um trabalho paulatino, metódico e contínuo, de resultados lentos, o que frustra as famílias dos surdos que esperam muitas vezes a imediata transformação dos estudos em produtos. A propósito, o professor José Mario cita aos seus orientados, que trabalham no aperfeiçoamento do mecanismo de tradução automática português-Libras, uma frase motivadora: “O desafio é gigantesco, mas não nos é permitido o luxo do desânimo, considerando as necessidades e urgências daqueles que se beneficiarão da solução”.

Mais artigos...

  1. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  2. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  3. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  4. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  5. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  6. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  7. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  8. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  9. Uma desnecessária operação de guerra
  10. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  11. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  12. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  13. Eram os deuses jornaleiros?
  14. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  15. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  16. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  17. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  18. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  19. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  20. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  21. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  22. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  23. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  24. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  25. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  26. Em busca do trem perdido
  27. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  28. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  29. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  30. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  31. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  32. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  33. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  34. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  35. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  36. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  37. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  38. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  39. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  40. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  41. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  42. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  43. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  44. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  45. A água no Brasil: da abundância à escassez
  46. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  47. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  48. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  49. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  50. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  51. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  52. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  53. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  54. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  55. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  56. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  57. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  58. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  59. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  60. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  61. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  62. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  63. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  64. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  65. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  66. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  67. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  68. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  69. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  70. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  71. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  72. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  73. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  74. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  75. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  76. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  77. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  78. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  79. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  80. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  81. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  82. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  83. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  84. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  85. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  86. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  87. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  88. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  89. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  90. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  91. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  92. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  93. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  94. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  95. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  96. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  97. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  98. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  99. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  100. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171