ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Sede em casa facilita microempreendimento

Nova lei, sancionada em abril, autoriza o microempreendedor a usar a residência para sediar o negócio, reduzindo custos e oferecendo alternativa aos desempregados

Reprodução/Agência Senado

Com negócio próprio há seis anos, a cerimonialista Rosângela Maia comemora que não terá os custos de manter um escritório

Paola Lima/Ag. Senado

A cerimonialista Rosângela Maia, 39 anos, moradora de Taguatinga (DF) resolveu abrir o próprio negócio há seis anos. Mas para se tornar microempreendedora individual precisou alugar um escritório para registrar como sede da empresa, a Diversão Eventos. Paga R$ 700 mensais de aluguel, mais a tarifa de energia, para manter o local, distante uns dez quilômetros de casa. Com a nova lei sancionada em abril (Lei Complementar 154/2016), que autorizou o uso do endereço da residência para sediar o estabelecimento comercial, Rosângela poderá cortar esse custo do escritório.

Casos como o dela mostram que é possível arrefecer a crise econômica e oferecer alternativa aos milhões de desempregados do país. Desde 2012, aproximadamente 1 milhão de pessoas tem se formalizado como microempreendedores a cada ano, segundo dados do Sebrae. Em 2015, foram 5,6 milhões de inscritos em todo o país e a expectativa é que esse número aumente mais em 2016, confirmando o dinamismo do setor.

A nova lei que autorizou os microempreendedores individuais (MEIs) a registrar o negócio em sua própria casa, sempre que não for exigida a existência de local próprio para o exercício da atividade, veio para ajudar.

— Como atendo mais por e-mail e por telefone, não precisarei de um escritório. Isso é um custo a menos para a empresa e um pouco mais de conforto para mim. Consigo assim dar mais atenção à família ao não precisar sair da minha casa — comemora Rosângela.

Facilidades
Senado Federal - Portal de NotíciasA lei, de iniciativa do deputado Mauro Mariani (PMDBSC), foi aprovada no fim de março pelo Congresso. Ela acrescentou o parágrafo 25 ao artigo 18-A da Lei Complementar 123/2006, que criou o Simples Nacional. A intenção é facilitar a adesão das pessoas ao Simples, afastando restrições impostas por leis estaduais que não permitem o uso do endereço residencial para cadastro de empresas.

Conforme explica José Carlos Silveira, consultor legislativo do Senado na área de direito econômico e regulação, direito empresarial e do consumidor, a lei cria um ambiente mais propício para a formalização das empresas ao afastar qualquer possibilidade de conflito para a residência funcionar como sede do estabelecimento. Além disso, ao permitir que o MEI dispense o aluguel de um imóvel comercial, a lei reduz despesas, fazendo com que sobrem mais recursos para empreender.

— As melhorias começam, basicamente, com a facilidade para abertura de empresas, desburocratizando o ambiente. E, num país com mais de 10 milhões de desempregados, é mais um estímulo para que ele formalize o negócio — acredita o consultor.

Para Blairo Maggi (PR-MT), que relatou o projeto na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), são grandes os benefícios da lei.

— Empreender ficava mais caro, com aluguel, energia, e segurança. Isso impedia as pessoas de iniciarem um pequeno negócio. Com essa mudança, as coisas se inverteram. Tudo ficou mais barato e ainda é possível contar com a ajuda dos filhos e dos cônjuges para secretariar o processo, coisas que antes não havia condições de fazer — reforça.

foto1 10 05 2016 temproarioSonhos
O presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos, sustenta que muitos profissionais alimentam o sonho de abrir o próprio negócio. Mas, por terem emprego, se mantêm numa espécie de zona de conforto. Ao serem demitidos, recebem o sinal para tentar concretizar o sonho e ir à luta.

Levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com base em dados da Receita Federal, indicou o avanço de registros de microempreendedores individuais no primeiro trimestre de 2016 em comparação com o mesmo período de 2015. A pesquisa mostrou que os registros de MEIs cresceram 14,3%, enquanto as microempresas e demais formas jurídicas diminuíram 10,4% e 19,6%, respectivamente.

Para Afif Domingos, os MEIs contribuem para movimentar a economia do país, ressaltando que, nos últimos anos, contingente equivalente à população do Uruguai saiu da informalidade e se tornou microempreendedor.

— Essas pessoas passam a ser tanto contribuintes da Previdência Social quanto beneficiários. Ajudam a gerar renda. E se tiverem sucesso, geram empregos — explica o presidente do Sebrae.

O início do programa de MEIs foi difícil, diz Afif Domingos, que foi secretário especial da Micro e Pequena Empresa do governo federal. Ao registrar o próprio endereço como sede da empresa, muitas vezes o microempreendedor via a prefeitura e as concessionárias de energia, telefone ou água subirem os valores das cobranças pelo serviço por identificar o local como de funcionamento de pessoa jurídica. Ou então, ao perceberem que era somente a residência do empreendedor, proibiam que aquele endereço fosse usado como sede do estabelecimento. Com a nova lei, o uso do endereço residencial não acarretará em aumento de IPTU, luz e água.

— Por exemplo: o cidadão limpa piscinas e dá o endereço da residência porque presta serviços nas casas dos clientes. Antes ele tinha de ir ao contador, que criava um endereço e cobrava por isso. Era comum encontrarmos em determinada casa mais de 300 CNPJs de microempreendedores que alugavam aquele endereço para formalizar suas atividades. Agora isso é desnecessário — esclarece.

Modernização
Blairo afirma que a lei converge com os novos modelos de trabalho, em que se estimula cada vez mais o home office (escritório doméstico). A popularização da internet e das redes sociais facilitou o trabalho em casa.

Ao autorizar o registro da empresa no endereço residencial, a nova lei não definiu quais as atividades de risco que precisam de regulamentação. Para Blairo, o MEI tem de ter responsabilidade para não incomodar os vizinhos. Lembrou que em caso de barulho ou risco para a vizinhança, há órgãos competentes para fiscalizar e resolver o problema.

Para o Sebrae, o risco é baixo. Os MEIs se concentram, principalmente no setor de serviços, com 42,12% do total de registros. O comércio detém 36,6%. A participação dos outros é pequena: indústria (11.6%), construção ( 9,44%) e agropecuária (0,08%).

Mais artigos...

  1. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  2. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  3. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  4. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  5. Senado debate limitação da internet fixa
  6. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  7. Rosa despetalada
  8. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  9. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  10. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  11. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  12. Depressão também atinge populações da Amazônia
  13. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  14. O circo chega às escolas
  15. Infarto também é assunto de mulher
  16. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  17. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  18. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  19. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  20. Chaplin a serviço de Chaplin
  21. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  22. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  23. Relatório revela privatização da educação pública no país
  24. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  25. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  26. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  27. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  28. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  29. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  30. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  31. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  32. O pêndulo demográfico
  33. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  34. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  35. Congresso combate violência obstétrica
  36. Sob a lona, o poder do riso
  37. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  38. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  39. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  40. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  41. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  42. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  43. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  44. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  45. Quando as emoções entram em pane
  46. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  47. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  48. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  49. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  50. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  51. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  52. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  53. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  54. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  55. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  56. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  57. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  58. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  59. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  60. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  61. Mais tempo para mães de prematuros
  62. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  63. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  64. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  65. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  66. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  67. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  68. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  69. Vegetais: crus ou cozidos?
  70. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  71. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  72. Aída foi a primeira a voar
  73. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  74. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  75. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  76. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  77. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  78. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  79. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  80. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  81. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  82. Licença para voar
  83. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  84. A supressão da cidadania nas celas
  85. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  86. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  87. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  88. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  89. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  90. Pequeno príncipe, grande aviador
  91. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  92. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  93. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  94. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  95. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  96. Revelando o turista-fotógrafo
  97. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  98. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  99. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  100. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171