ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Primeira senadora foi recebida com flor e poesia

Ao longo de um século e meio, apenas políticos homens entraram no Senado. Isso mudou há 40 anos, quando a primeira senadora tomou posse. A mulher que rompeu com a exclusividade masculina na Câmara Alta foi Eunice Michiles, uma ex-professora de grupo escolar e ex-deputada estadual do Amazonas

imagem 04 temproario

Eunice Michiles ganhou flores dos colegas no dia em que tomou posse no Senado. Fotos: Arquivo pessoal

Ricardo Westin/Ag. Senado/Arquivo S

A posse histórica ocorreu em 31 de maio de 1979. Documentos guardados no Arquivo do Senado mostram que os parlamentares receberam a colega do sexo feminino com deferência e empolgação. A novata foi presenteada com flor, chocolate e poesia.

O senador Dirceu Cardoso (MDB-ES) discursou:

— Foi por causa das mulheres guerreiras que galopavam nos seus árdegos cavalos que se deu ao rio o nome de Amazonas. Tinha, portanto, que ser da Amazônia a nossa primeira senadora, essa mulher que, como a estrela nova, desce neste Plenário e asperge luz sobre todos nós. Saúdo Vossa Excelência como representante da mulher brasileira, como representante da minha esposa e das minhas filhas.

 arena temproario

Cartaz de 1978 apresenta candidatos arenistas do Amazonas, incluindo Eunice. Foto: Biblioteca Nacional

O senador Lomanto Júnior (Arena-BA) disse o que esperava da colega:

— Que Vossa Excelência possa aqui emprestar, com sua inteligência, sua sensibilidade, seu coração e sua beleza, a colaboração de que o Senado tanto necessita. A sua presença aqui é, para nós, motivo de enternecimento.

O senador Almir Pinto (Arena-CE) recitou um poema de sua própria lavra em que lembrou que a Câmara já tinha três mulheres:

— O Senado sesquicentão [que tinha 150 anos] / agora está como quer. / A exemplo da outra Casa, / tem na Casa uma mulher.

Nesse dia, um cesto com rosas vermelhas chegou às mãos da senadora. O mimo foi providenciado pelo senador Paulo Brossard (RS), em nome da bancada do MDB, o partido oposicionista. Eunice pertencia à Arena, a sigla de sustentação da ditadura.

Eunice tomou posse fora de época. Nas eleições de 1978, as urnas haviam dado a vaga do Amazonas a João Bosco (Arena). Ele assumiu em fevereiro de 1979, com os outros novos senadores, mas mal chegou a atuar. Três meses depois, sofreu um AVC e morreu. Como Eunice havia ficado em segundo lugar, a vaga foi para ela.

imagem materia temproario 

Eunice Michiles fala em evento no Senado: projetos a favor das mulheres. Foto: Arquivo Senado Federal

Quebra de tabu
No discurso inaugural, a nova senadora se apresentou como uma “mulher simples, misto de dona de casa e política”, e disse qual seria o norte de sua atuação parlamentar:

— Como primeira senadora, sinto os olhares de milhões de mulheres na expectativa de que eu lhes saiba interpretar as reivindicações. O Código Civil nos coloca ao nível do índio, da criança e do débil mental. Somos fruto de uma cultura patriarcal e machista, onde a mulher vive à sombra do homem e rende obediência ao pai, ao marido ou, na falta deste, ao filho mais velho. Em 1979, temos muito a melhorar.

Eunice, de fato, seguiu essa linha. Um de seus primeiros projetos de lei eliminava do Código Civil de 1916 o artigo que permitia ao homem anular o casamento e devolver a mulher aos pais caso descobrisse que ela não era virgem. A senadora, que tinha 50 anos, argumentou:

— Vejam como era difícil a situação das moças do meu tempo. Éramos incentivadas a ser bonitas e provocantes, mas ai de nós se cedêssemos aos impulsos e fôssemos “desonradas”. A virgindade era a marca maior de nossa conotação de objeto. Exige-se que um objeto, ao ser adquirido, seja zero quilômetro. Com o homem, era diferente. Quanto mais rodado, melhor. O tempo se encarregou de mudar conceitos e atitudes. A geração jovem não atribui à virgindade feminina o mesmo valor da geração passada. Assim, o dispositivo de nosso Código Civil é uma distorção entre o social e o jurídico e por isso precisa ser reformulado.

Outro dos projetos de Eunice permitia que a mulher com filhos fizesse uma jornada de trabalho mais curta, com redução proporcional no salário. Ela também apresentou uma proposta que acabava com a possibilidade de o homem casado em comunhão de bens contratar empréstimos e dar o patrimônio da família como garantia, sem o consentimento da mulher.

A ideia de aproximar a mulher do homem no quesito direitos foi mal recebida pelos políticos. Nos oito anos de mandato, Eunice não conseguiu aprovar nenhum projeto. Enquanto alguns foram rejeitados logo de cara, outros foram ignorados e nem entraram na pauta de votação.

A pauta feminina naufragou, mas não porque Eunice fosse inepta para a política.

Pelo contrário. Ela tinha excelente trânsito no Palácio do Planalto. Em 1982, fez parte do grupo que convenceu o presidente João Figueiredo a nomear a primeira ministra do Brasil — a advogada Esther de Figueiredo Ferraz, que chefiou o Ministério da Educação. Em 1983, quando Figueiredo se submeteu a uma cirurgia cardíaca nos Estados Unidos, a senadora foi uma das poucas autoridades que tiveram permissão para visitá-lo no hospital.

Pele bronzeada
Talvez o fracasso dos projetos de Eunice se explique pela mentalidade assumidamente machista de 40 anos atrás. No exercício do mandato, a primeira senadora do Brasil foi alvo de hostilidades e até de assédio moral. Numa palestra que proferiu numa entidade de empresários, ela foi interrompida pelo presidente da instituição, que a acusou de tratar apenas de “assuntos secundários”, como planejamento familiar, e afirmou que a mulher só estaria “em condições de igualdade com o homem” quando discutisse “temas como energia nuclear”.

Em outra ocasião, um senador governista repreendeu Eunice em tom ríspido diante de todo o Plenário. Ele estava irritado porque ela e outros dois parlamentares não haviam chegado a tempo para uma votação e, sem o voto deles, o governo não conseguiu aprovar um projeto importante. Embora os atrasados tivessem sido três, o senador só descontou a raiva na colega mulher.

A imprensa também não tratava a senadora mulher da mesma forma que tratava os homens. A primeira grande entrevista que Eunice concedeu após saber que iria para o Senado foi ao Jornal do Brasil. O texto informou que ela era “bonita”, tinha “os olhos azuis contrastando com a tonalidade bronzeada da pele” e estava “discretamente vestida com um conjunto de malha em tons de bege e marrom”. A entrevista não saiu nas páginas de política, mas no caderno de variedades.

 imagem materia 01 temproario

A senadora Eunice Michiles conversa com o presidente João Figueiredo: proximidade com o Palácio do Planalto. Foto: Arquivo Pessoal

A revista Manchete publicou fotos em que a senadora aparecia comprando feijão no supermercado, picando cebola na cozinha, aguando flores no jardim e até fazendo ginástica na sala de casa, trajando collant e polaina.

Em 1986, Eunice Michiles abriu mão de disputar a reeleição no Senado e candidatou-se a deputada federal. Eleita pelo PFL, participou da Assembleia Nacional Constituinte e, agora respaldada por uma bancada feminina, finalmente conseguiu ajudar a aprovar inúmeros direitos para as mulheres. Em 1999, ela se retirou da vida pública. Hoje com 89 anos, Eunice vive em Brasília.

A segunda senadora do Brasil foi Laélia de Alcântara (PMDB-AC), que tomou posse em 1981. A atual bancada feminina do Senado tem 13 parlamentares.

Mais artigos...

  1. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  2. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  3. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  4. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  5. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  6. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  7. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  8. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  9. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  10. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  11. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  12. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  13. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  14. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  15. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  16. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  17. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  18. Dança e Direitos Humanos
  19. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  20. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  21. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  22. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  23. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  24. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  25. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  26. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  27. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  28. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  29. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  30. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  31. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  32. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  33. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  34. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  35. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  36. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  37. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  38. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  39. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  40. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  41. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  42. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  43. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  44. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  45. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  46. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  47. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  48. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  49. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  50. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  51. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  52. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  53. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  54. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  55. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  56. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  57. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  58. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  59. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  60. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  61. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  62. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  63. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  64. Busca por doenças raras
  65. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  66. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  67. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  68. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  69. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  70. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  71. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  72. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  73. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  74. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  75. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  76. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  77. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  78. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  79. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  80. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  81. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  82. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  83. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  84. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  85. Uma desnecessária operação de guerra
  86. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  87. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  88. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  89. Eram os deuses jornaleiros?
  90. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  91. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  92. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  93. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  94. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  95. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  96. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  97. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  98. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  99. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  100. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171