ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular

O acúmulo excessivo de gordura na região abdominal já é um conhecido indicador de risco para doenças cardiovasculares

Relacao 1 temproario

A obesidade é considerada uma epidemia global pela OMS. No Brasil, pesquisa da Vigitel de 2017, que 18,9% dos brasileiros estão obesos.

Foto: Ginecomastia.org/ABr

Camila Maciel/Agência Brasil

A medida, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não deve ultrapassar 94 centímetros (cm) nos homens e 90 cm nas mulheres. Um novo estudo, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no entanto, identificou que pessoas fisicamente ativas e sem sobrepeso, mas com valores de relação cintura-estatura (RCE) próximos ao limite do risco, também têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios no coração.

O RCE é obtido pela divisão da circunferência da cintura pela estatura. “Até então, os valores acima de 0.5 indicavam alto risco de desenvolver alguma doença cardiovascular ou metabólica. Os valores abaixo de 0.5 indicavam que a pessoa tinha aparentemente menor risco”, explicou Vitor Engrácia Valenti, professor da Unesp de Marília e coordenador da pesquisa. Para o estudo foram selecionados 52 homens saudáveis e fisicamente ativos, com idade entre 18 e 30 anos. Segundo Valenti, estudos recentes sugerem que a RCE fornece informações mais precisas de riscos cardiovasculares do que o Índice de Massa Corporal (IMC), que avalia a distribuição de gordura pelo corpo.

“O resultado que encontramos chama a atenção daquelas pessoas que acham que [estão fora dos grupos de risco] por não ter barriga, mas não fazem atividade física ou mantêm hábito alimentar saudável. Mesmo sem barriga, pode ser um risco”, alertou o professor com base no trabalho. O estudo, que tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi feito em colaboração com a Oxford Brookes University, na Inglaterra, e publicada na revista Scientific Reports.

159959-3 temproario

Foto: Reprodução/Internet

Avaliação
Os participantes do trabalho foram divididos em três grupos: o primeiro, composto por homens com menor percentual de gordura corporal e com RCE entre 0,40 e 0,449; o segundo, formado por homens com RCE entre 0,45 e 0,50, próximo ao limiar de risco; e o terceiro, por homens com RCE acima do limite de risco, entre 0,5 e 0,56. “Nós avaliamos parâmetros fisiológicos do sistema nervoso autônomo, por meio do ritmo do coração, antes e durante uma hora após a recuperação do exercício”, explicou Valenti.

Eles foram avaliados durante dois dias. No primeiro exercício, os participantes tiveram que permanecer 15 minutos sentados e em repouso e, em seguida, fizeram uma corrida com esforço máximo em uma esteira ergométrica. O objetivo era constatar que todos eram fisicamente ativos. Embora não fossem atletas, mantinham atividades regulares. Em seguida, teriam que ficar em repouso por 60 minutos.

No segundo dia, foram submetidos a um exercício físico moderado: uma caminhada de 30 minutos em uma esteira. A intensidade seria de aproximadamente 60% do esforço máximo. A intenção era observar, durante o repouso e a primeira hora após os exercícios, a velocidade de recuperação cardíaca autonômica. “Quanto mais tempo o organismo demora para se recuperar após o exercício, isso é indicativo de que essa pessoa tem probabilidade maior de desenvolver doença cardiovascular, como hipertensão, infarto, AVC”, disse o pesquisador.
Os resultados mostraram que os grupos com RCE próximo e acima do limite de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas apresentaram recuperação cardíaca autonômica mais lenta, tanto no esforço máximo quanto no moderado. “Mesmo aqueles saudáveis e fisicamente ativos, que não tinham sobrepeso e nem obesidade, mas que tinham valores de normalidade mais próximos dos valores de risco, tinham risco maior do que aquele grupo que era composto por indivíduos com menor tamanho de cintura e estatura”, destacou Valenti.

O pesquisador explicou que este é um estudo inicial, mas com “fortes evidências” da necessidade de rever os valores de referência. “Vamos sugerir agora que ele seja feito em outros países, com outra população, em outras condições. Aqui verificamos na população brasileira. Se pensarmos na população da China, do Japão, que tem cultura diferente, costumes diferentes, não podemos generalizar com base nos resultados apenas dos brasileiros”, advertiu.

Obesidade
A obesidade é considerada uma epidemia global pela OMS. Estima-se que 1,9 bilhão de adultos tenham sobrepeso, dos quais 600 milhões estão obesos. No Brasil, a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2017, do Ministério da Saúde, mostrou que 18,9% dos brasileiros estão obesos. Além disso, mais da metade da população das capitais brasileiras (54%) têm excesso de peso.

Estudo temproario

Foto: Reprodução/Internet

Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta

Um estudo conduzido pela organização EAT-Lancet comprovou que maus hábitos à mesa provocam mais riscos para a saúde do que tabaco, sexo sem proteção e álcool juntos. O relatório aponta que, para salvar as pessoas e o planeta, deve-se dobrar o consumo de frutas, verduras, legumes e nozes, além de reduzir pela metade a ingestão de açúcares e carne vermelha até 2050.

O estudo foi apresentado na quinta-feira (17), em Oslo, na Noruega, e publicado na revista científica Lancet. A comissão de estudiosos, financiada pela Fundação EAT, do casal norueguês Petter e Gunhild Stordalen, reúne autores considerados dentre os mais renomados da nutrição e da sustentabilidade, desde o professor de Harvard Walter Willett ao inventor do "km zero" Tim Lang, provenientes de universidades de todo o mundo e de organizações como FAO e OMS.

O objetivo da publicação é propor uma dieta saudável universal de referência, baseada em critérios científicos, para nutrir uma população mundial de 10 bilhões de pessoas em 2050 de modo sustentável, evitando a morte de mais de 11 milhões de indivíduos por ano por doenças ligadas a maus hábitos alimentares. A proposta da comissão tem como referência a dieta mediterrânea, em sua versão usada na Grécia da metade do século passado, em um regime que prevê a ingestão de 2,5 mil quilocalorias por dia.

Além de mudar o consumo, a comissão sugere ainda limites no uso de terra, água e nutrientes, para a produção de uma agricultura sustentável. Para atingir esses resultados, a pesquisa indica uma variedade de áreas de intervenção, envolvendo governos, indústrias e sociedade. Entretanto, segundo a Associação Europeia dos Transformadores de Carne (Clitravi), o estudo da Lancet propõe velhos argumentos antizootecnia e distorce dados para fins ideológicos.

"Um voo de ida e volta de Roma a Bruxelas gera emissões mais elevadas que o consumo anual de carne de uma pessoa", diz a Clitravi. Segundo a associação, a EAT ignora o impacto ambiental de outros setores. "Uma dieta equilibrada e exercícios físicos regulares podem fazer a diferença. Esperamos que a comissão perceba isso e veja todas as inovações em que o setor investe para reduzir o impacto ambiental", conclui a associação (ANSA).

Mais artigos...

  1. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  2. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  3. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  4. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  5. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  6. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  7. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  8. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  9. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  10. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  11. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  12. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  13. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  14. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  15. Uma desnecessária operação de guerra
  16. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  17. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  18. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  19. Eram os deuses jornaleiros?
  20. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  21. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  22. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  23. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  24. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  25. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  26. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  27. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  28. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  29. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  30. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  31. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  32. Em busca do trem perdido
  33. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  34. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  35. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  36. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  37. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  38. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  39. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  40. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  41. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  42. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  43. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  44. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  45. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  46. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  47. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  48. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  49. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  50. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  51. A água no Brasil: da abundância à escassez
  52. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  53. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  54. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  55. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  56. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  57. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  58. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  59. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  60. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  61. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  62. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  63. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  64. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  65. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  66. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  67. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  68. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  69. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  70. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  71. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  72. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  73. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  74. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  75. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  76. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  77. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  78. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  79. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  80. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  81. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  82. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  83. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  84. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  85. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  86. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  87. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  88. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  89. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  90. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  91. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  92. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  93. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  94. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  95. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  96. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  97. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  98. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  99. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  100. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171