ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres

No Brasil, enquanto 83% dos estudantes mais ricos saem da escola pública tendo aprendido o adequado em língua portuguesa ao final do ensino médio, entre os estudantes mais pobres, essa porcentagem é 17%

Pais 2 temproario

Sistema de cotas e política tributária têm impacto social mais rápido. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Mariana Tokarnia/Agência Brasil

Em matemática, 63,6% dos alunos mais ricos aprenderam o adequado e apenas 3,1% dos mais pobres saem da escola sabendo o mínimo considerado suficiente na disciplina. Os dados são do Todos pela Educação (TPE), organização social, sem fins lucrativos.

A entidade analisou os microdados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2017 e mostrou que há diferença grande e constante, desde 2011, entre o desempenho dos mais ricos e dos mais pobres em todos os níveis analisados, no 5º e no 9º ano do ensino fundamental e no 3º ano do ensino médio. A disparidade entre as porcentagens de estudantes que aprendem o adequado chega a ser quase cinco vezes maior entre aqueles com maior nível socioeconômico e os com menor nível.

"A educação, que poderia ser uma das principais ferramentas para diminuir a desigualdade de aprendizagem não tem conseguido fazer isso de maneira consistente no Brasil", diz o diretor de Políticas Educacionais do TPE, Olavo Nogueira Filho. "A gente está avançando na média brasileira, mas está mantendo um alto grau de desigualdade entre alunos de nível socioeconômico mais alto e mais baixo. Estamos melhorando sem conseguir diminuir esse resultado entre mais ricos e mais pobres", avalia.

O Saeb avalia estudantes quanto aos conhecimentos de língua portuguesa e matemática e é aplicado de dois em dois anos. A avaliação é de responsabilidade do Inep, que classifica os estudantes em seis grupos, considerando o nível socioeconômico. O grupo 1 reúne os estudantes com o menor poder aquisitivo. São, em maior parte, estudantes com renda familiar mensal de até um salário mínimo e que têm, em casa, bens elementares, como uma geladeira e uma televisão, sem máquina de lavar roupa ou computador. Os pais ou responsáveis têm formação até o 5º ano do ensino fundamental ou inferior.

 Pais 1 temproario

Disparidade chega a ser de 5 vezes, segundo nível socioeconômico. Foto: Arquivo/ABr

Na outra ponta, está o grupo 6, com estudantes com renda familiar mensal de sete salários mínimos ou mais, cujos pais ou responsáveis completaram a faculdade e que tem em casa três ou mais televisores, dois ou mais computadores, entre outros bens. A diferença é constatada desde o 5º ano do ensino fundamental, quando 90,4% dos mais ricos aprendem o adequado em língua portuguesa e 83,9%, em matemática e apenas 26,3% dos mais pobres aprendem o adequado em português e 18,1%, em matemática.

De acordo com Nogueira Filho, a escola pública não está cumprindo um de seus principais potenciais: reduzir desigualdades. "Para fazer isso, é preciso ter uma política educacional que se preocupe com essa questão. Uma política educacional que se traduza em mais recursos para quem tem maior desafio", defende. De acordo com o diretor, ocorre o contrário no país. “Os municípios mais vulneráveis, em geral, são os que têm menor investimento por aluno quando comparados com regiões de nível socioeconômico mais elevado".

De acordo com o levantamento do TPE, em média, considerando juntos todos os níveis socioeconômicos, houve melhora na aprendizagem no país, no ensino fundamental. No ensino médio, há praticamente estagnação desde 2001. O maior salto foi no 5º ano do ensino fundamental. Em 2001, 23,7% dos estudantes aprendiam o adequado em língua portuguesa e 14,9%, em matemática. Essas porcentagens chegaram a 60,7% e a 48,9%, respectivamente, em 2017.

No final do ensino médio, em 2001, 25,8% dos jovens deixavam a escola sabendo o mínimo adequado em português e 11,6%, em matemática. Em 2017, essas porcentagens passaram para 29,1% em língua portuguesa e reduziram para 9,1% em matemática. O TPE considera como aprendizagem adequada estudantes que obtiveram pelo menos, em língua portuguesa, 200 pontos no 5º ano do ensino fundamental, 275 no 9º ano e 300 no final do ensino médio. Em matemática, é necessário tirar pelo menos 225 pontos no 5º ano, 300 pontos no 9º ano e 350 pontos no 3º ano do ensino médio.

As pontuações foram definidas por um conjunto de especialistas que buscou como referência, inclusive, o desempenho de estudantes de nível semelhante em outros países. Seguindo os níveis propostos pelo Inep, essas pontuações significam que os estudantes devem estar pelo menos no nível 5 de 10 níveis em matemática e no nível 4 de 9 níveis em língua portuguesa, no 5º ano; no nível 4 de 8 níveis em português e 5 de 9 níveis em matemática, no 9º ano; e no 6 de 10 em matemática e nível 4 de 8 níveis em língua portuguesa, no 3º ano do ensino médio.

Acesso universal à educação é insuficiente para diminuir desigualdade

Pais 3 temproario

Foto: Divulgação/Internet

Se tivéssemos tornado o sistema educacional brasileiro perfeito em 1956, no início do Plano de Metas de JK, “só hoje a força de trabalho seria completamente diferente”.

Gilberto Costa/Agência Brasil

É possível reduzir a desigualdade socioeconômica no Brasil só pela via educacional? Os sociólogos Marcelo Medeiros (Ipea/UnB), Flávio Carvalhaes (UFRJ) e Rogério Barbosa (USP) fizeram uma série de análises com dados estatísticos e confirmaram que sim. Porém, o resultado é muito aquém do que o senso comum costuma acreditar. Se a partir de 1994, ano do Plano Real, tivéssemos um sistema educacional “perfeito” para todos os alunos, a desigualdade no país seria apenas 2% menor do que é hoje.

Por sistema educacional perfeito, os especialistas entendem que é aquele em que todas as crianças e adolescentes do país estão matriculadas regularmente, não repetem de ano, não evadem da escola e após se formar no ensino médio conseguem emprego. O Índice de Gini é a maneira mais comum no Brasil de medir a desigualdade a partir da renda. Conforme o IBGE, o Gini de 2017 no Brasil foi de 0,549, conforme a renda média mensal domiciliar per capita. O indicador varia de zero a um, quanto mais próximo de zero, mais perto de uma situação ideal de absoluta igualdade.

“É fundamental que a desigualdade no Brasil caia. Só que isso é pouco [2%] diante do grande esforço educacional que nós teríamos feito. É pouco diante do grande desafio que a gente tem de combater a desigualdade e a pobreza. A conclusão disso é que nós precisamos de educação e algo mais para combater desigualdade e pobreza. O discurso ‘basta investir em educação que o problema será resolvido’ é um discurso errado”, pondera Marcelo Medeiros, um dos autores do estudo.

Além de efeito diminuto, a mudança no quadro social é mais lenta do que se idealiza. Se tivéssemos tornado o sistema educacional brasileiro perfeito em 1956, no início do Plano de Metas de JK, “só hoje a força de trabalho seria completamente diferente”. Conforme o especialista, “demora meio século” para trocar inteiramente a qualificação do conjunto da força de trabalho. “Meio século é tempo demais para esperar”, avalia.

Conforme o estudo em apresentação no encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciências Sociais (Anpocs), em Caxambu (MG), a redução da desigualdade ocorreria mais rápido se fossem adotadas medidas contra a discriminação de gênero, raça e cor no mercado de trabalho e se fosse feita reforma tributária, que diminuísse a regressividade dos impostos - quando os mais pobres comprometem proporcionalmente mais a sua renda para pagar tributos, o que acontece nos chamados “impostos indiretos”, como é o caso do ICMS.

“A educação é necessária, mas não é suficiente. Você tem que complementar esse esforço educacional com uma série de esforços. Isso mostra que gênero e raça são muito importantes. O Brasil tem que também combater essas desigualdades”, acrescenta Medeiros.

O estudo, a ser publicado pelo Ipea e já disponível em inglês, “apoia a ideia de que as cotas [para a inclusão de negros na escola e no emprego] são importantes e que é necessário tornar o mercado de trabalho menos tolerante com a diferença”, assinala o sociólogo.

“É claro que você deve tentar melhorar o nível educacional da população negra desde a pré-escola. Só que isso é insuficiente”, opina Medeiros que defende as cotas para emprego, além das universidades, porque facilita a entrada no mercado de trabalho, “a quem não teve boas escolas no passado, e não vão ter porque não dá para voltar atrás no tempo”.

No caso das mulheres, elas já são mais qualificadas que a mão de obra masculina, mas ganham menos do que os homens. Para reduzir a desigualdade entre homens e mulheres no trabalho, há políticas públicas conhecidas como aumentar ofertas de creche e de escolas de ensino fundamental e outras medidas como melhorar o serviço público de transporte para agilizar o deslocamento das mães, lembra Medeiros.

Mais artigos...

  1. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  2. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  3. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  4. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  5. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  6. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  7. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  8. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  9. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  10. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  11. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  12. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  13. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  14. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  15. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  16. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  17. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  18. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  19. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  20. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  21. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  22. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  23. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  24. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  25. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  26. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  27. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  28. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  29. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  30. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  31. Busca por doenças raras
  32. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  33. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  34. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  35. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  36. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  37. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  38. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  39. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  40. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  41. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  42. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  43. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  44. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  45. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  46. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  47. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  48. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  49. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  50. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  51. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  52. Uma desnecessária operação de guerra
  53. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  54. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  55. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  56. Eram os deuses jornaleiros?
  57. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  58. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  59. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  60. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  61. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  62. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  63. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  64. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  65. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  66. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  67. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  68. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  69. Em busca do trem perdido
  70. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  71. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  72. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  73. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  74. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  75. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  76. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  77. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  78. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  79. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  80. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  81. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  82. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  83. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  84. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  85. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  86. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  87. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  88. A água no Brasil: da abundância à escassez
  89. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  90. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  91. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  92. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  93. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  94. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  95. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  96. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  97. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  98. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  99. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  100. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171