ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular

'No pain, no gain' (sem dor, sem ganho) é uma frase comum entre quem faz musculação, pois o dano é considerado essencial para o aumento de massa muscular

Lesao 1 temproario

A pesquisa investigou se o dano muscular induzido pelo treinamento de força (com pesos) tem algum papel na hipertrofia muscular (aumento da área muscular).

Foto: Jeevanreddy007/Wikimedia Commons

Júlio Bernardes/Jornal da USP

Porém, uma pesquisa da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP mostra que não há relação entre lesões no treino e crescimento dos músculos. Eles vão crescer apenas com o aumento da síntese proteica após a redução das lesões no decorrer do treinamento. O estudo de doutorado de Felipe Damas recebeu menção honrosa na área de Ciências da Saúde do Prêmio Tese Destaque USP 2018.

O dano muscular (ou microlesões adaptativas na musculatura) envolve também perda de função muscular no curto prazo e dor tardia na musculatura pós-treino. “A pesquisa investigou se o dano muscular induzido pelo treinamento de força (com pesos) tem algum papel na hipertrofia muscular (aumento da área muscular)”, explica Damas, “ou seja, se o dano seria o processo que explicaria como nossos músculos crescem com o treinamento de força ou se ao menos potencializa o processo de crescimento muscular”.

Segundo o pesquisador, até recentemente acreditava-se, tanto no meio acadêmico, mas ainda mais fortemente entre treinadores e praticantes de treinamento de força, que o dano muscular seria o processo por trás do crescimento dos músculos com o treino. “Essa crença se intensificou com o ditado no pain, no gain, ou seja, sem dor, sem ganho”, conta. “A pesquisa trouxe informações que refutam essa premissa, demonstrando que o dano muscular não é o processo que explica a hipertrofia muscular, nem mesmo a potencializa.”

 

Lesao 2 temproario

O treinamento de força pode ser iniciado com exercícios que causem menos dano muscular, aumentando a intensidade conforme os danos diminuem no decorrer do treino.

Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Avaliação
O estudo avaliou dez homens jovens que realizaram treinamento de força durante dez semanas. “Todas as variáveis envolvidas na pesquisa – taxa de síntese proteica, dano muscular e hipertrofia muscular – foram medidas no começo, na terceira e na última semana de treino”, destaca Damas. “Com isso, pudemos avaliar como estas medidas variam no decorrer do treinamento e as relações entre elas”.

 

A taxa de síntese proteica, que mostra o quanto de proteína está sendo incorporado na musculatura no decorrer do tempo, foi avaliada por meio de biópsias musculares, coletas de saliva e ingestão de água pesada. “O dano muscular foi verificado por meio de marcador direto (microlesões presentes nas biópsias musculares) e marcadores indiretos (perda de força muscular, aumento de dor tardia, alguns marcadores sanguíneos de lesão e inflamação), relata o pesquisador. “A hipertrofia muscular foi apontada por meio da área das fibras musculares (também nas biópsias musculares) e análise da área de secção transversa muscular por ultrassom.”

Os resultados da pesquisa indicam que o dano muscular faz com que a taxa de síntese de proteínas seja utilizada para reparar o tecido muscular, e não para fazê-lo crescer. “Somente quando o dano muscular é progressivamente diminuído, o que acontece com o passar das sessões de treino, é que a síntese de proteínas é ‘liberada’ para contribuir com a hipertrofia muscular”, ressalta Damas. “Desta forma, o dano parece impedir que o músculo cresça, e só quando o dano é atenuado ou mesmo inexistente, a taxa de síntese de proteínas é direcionada para aumentar a área muscular (hipertrofia muscular). Ou seja, sem dor, com ganho!”.

 

Treinamento
Com base nas conclusões do estudo, treinadores e praticantes de treinamento de força podem modular melhor seus treinos, segundo o pesquisador. “Por exemplo, eles podem começar nas primeiras semanas com treinos mais ‘leves’, não necessariamente só em termos de intensidade ou peso, mas que não acarretem tanto dano muscular, como contrações concêntricas ou isométricas isoladas, baixo volume de treino, etc.”, diz. “O interessante é que o dano é rapidamente atenuado no decorrer do treino (em duas semanas já há pouquíssimo dano) e o praticante pode treinar ‘forte’, sem problemas, que a hipertrofia irá acontecer.”

“Um detalhe: o fato do dano muscular não explicar ou potencializar a hipertrofia, não quer dizer que não temos que treinar ‘forte’, ou seja, com alto grau de esforço e fadiga”, alerta o pesquisador. “Só indica que não precisamos sentir dor muscular para hipertrofiar, podendo começar ‘leve’, evitando tanto dano e dor, para nas próximas semanas treinar com altos graus de esforço e fadiga que maximizarão a hipertrofia muscular no médio e longo prazo”.

musculacao-para-deficientes-26102018064822253 temproario

A atividade física organizada não apenas aumenta a independência, autoestima
e autonomia do indivíduo como também estimula o corpo e a mente de maneiras que podem auxiliar na reabilitação.

Foto: R7 Meu Estilo

A importância do esporte e da fisioterapia para pessoas com deficiência

Fabiana Maurano Pinelli (*)

Em dezembro, é celebrado anualmente o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

Apesar de grandes progressos nos últimos anos, muitos ainda travam uma batalha diária contra preconceitos, falta de acessibilidade e até mesmo contra seus próprios corpos. Neste último quesito, o acompanhamento de um fisioterapeuta e atividades físicas são imprescindíveis para ajudar o indivíduo a alcançar todo seu potencial funcional, garantindo autonomia e uma maior qualidade de vida.

A terapia física é parte integral da rotina de um grande número de pessoas com deficiência. Em um primeiro momento, por exemplo na infância ou após o surgimento dos primeiros sintomas, as atividades focam em necessidades básicas e diárias, como o cuidado com a higiene pessoal, a alimentação, o deslocamento para evitar ferimentos e até mesmo o manejo adequado de cadeira de rodas, quando necessário.

É apenas depois deste aprendizado que o indivíduo, agora com mais autoconfiança, inicia a reinserção na sociedade e pode até buscar a recuperação de movimentos motores e a melhora das funções vitais, de acordo com sua deficiência. Neste processo, a tecnologia pode se tornar uma grande aliada. É o caso, por exemplo, da hidroterapia, que utiliza uma piscina e motores a jato para proporcionar não apenas mais relaxamento, como também melhorias de força e condicionamento físico.

Outro bom exemplo é a gameterapia, que promove a reabilitação motora com o uso de jogos com realidade virtual. Existem também softwares bastante interessantes para pessoas com deficiência, como o Headmouse, aplicativo espanhol que permite que o cursor do mouse de computadores seja controlado apenas com a movimentação da cabeça.

O esporte é também um grande parceiro de pessoas com deficiência. A atividade física organizada não apenas aumenta a independência, autoestima e autonomia do indivíduo como também estimula o corpo e a mente de maneiras que podem auxiliar na reabilitação. Diversas entidades, como a ADD (Associação Desportiva para Deficientes) e a CPB (Confederação Paralímpica Brasileira) oferecem programas de iniciação ao esporte e oportunidades para praticar diferentes modalidades, como o basquete em cadeira de rodas, o tênis de mesa e a bocha.
A prática de esportes e o acompanhamento fisioterapêutico são imperativos para a vida saudável de qualquer um. Quando tratamos de pessoas com deficiências, porém, a necessidade só aumenta. Porém, é necessário lembrar que todo tratamento deve ser recomendado por um médico especializado e que conheça bem o histórico do paciente.
Cada pessoa vive com sua diferente defi­ciên­cia e, assim, cada um terá um tratamento individualizado. Procure o esporte e a fisioterapia que se encaixe com você, sua rotina e vontades, e veja quanto sua qualidade de vida cresce exponencialmente.

(*) - É fisioterapeuta do HSANP, centro hospitalar da Zona Norte de São Paulo.

Mais artigos...

  1. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  2. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  3. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  4. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  5. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  6. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  7. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  8. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  9. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  10. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  11. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  12. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  13. Uma desnecessária operação de guerra
  14. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  15. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  16. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  17. Eram os deuses jornaleiros?
  18. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  19. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  20. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  21. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  22. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  23. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  24. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  25. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  26. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  27. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  28. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  29. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  30. Em busca do trem perdido
  31. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  32. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  33. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  34. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  35. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  36. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  37. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  38. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  39. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  40. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  41. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  42. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  43. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  44. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  45. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  46. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  47. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  48. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  49. A água no Brasil: da abundância à escassez
  50. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  51. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  52. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  53. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  54. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  55. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  56. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  57. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  58. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  59. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  60. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  61. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  62. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  63. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  64. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  65. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  66. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  67. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  68. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  69. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  70. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  71. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  72. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  73. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  74. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  75. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  76. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  77. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  78. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  79. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  80. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  81. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  82. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  83. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  84. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  85. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  86. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  87. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  88. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  89. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  90. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  91. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  92. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  93. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  94. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  95. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  96. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  97. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  98. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  99. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  100. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171