ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão

As investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Francisco da Silva e o motorista Anderson Pedro Gomes completaram ontem (14) 11 meses sem conclusão

Investigacoes 1 temproario

Foto: Marcelo Camargo/ABr

Homenagem a Marielle Franco e Anderson Gomes na Câmara dos Deputados.

Vitor Abdala/Agência Brasil

Eles foram mortos a tiros no centro do Rio de Janeiro após um evento político. Onze meses depois, a autoria do crime ainda é incerta. “O assassinato de uma defensora dos direitos humanos não é apenas o assassinato de uma pessoa, é um ataque aos direitos como um todo”, diz Renata Neder, coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional Brasil. As investigações são resguardadas por sigilo. Não faltam hipóteses para o crime.

O mais provável, segundo investigadores e autoridades que acompanham o assunto, é que o crime tenha sido cometido por milicianos. No Rio, os milicianos, grupos paramilitares, são conhecidos por controlar, ilegalmente e de forma armada, territórios mais pobres do estado. O então secretário estadual de Segurança Pública, general Richard Nunes, disse, em setembro de 2018, que há indícios que a execução foi cometida por criminosos experientes que sabiam como dissimular as evidências. Em dezembro de 2018, o chefe do Departamento de Homicídios da Polícia Civil do Rio, Giniton Alves, disse que “o absoluto sigilo das apurações realizadas” é a “maior garantia para o alcance dos autores e mandantes dos crimes investigados”.

Também no ano passado, o então ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que havia indícios relevantes de práticas de corrupção, ocultamento e compra de agentes públicos para impedir a descoberta dos mandantes do crime. Em nota, o Comando Militar do Leste informou que as investigações estão com a Secretaria Estadual da Polícia Civil. Por sua vez, a Polícia Civil disse, também em comunicado, que as investigações sobre o caso Marielle estão sob sigilo. A Polícia Federal afirmou que não comenta.

Investigacoes 2 temproario

Foto: Marcelo Camargo/ABr

Protesto contra a morte da vereadora Marielle Franco em frenteda Assembleia Legislativa no Rio.

Está na memória o que ocorreu no Rio de Janeiro, às 21h, do dia 14 de março de 2018, quando a vereadora desce as escadas do número 122 da Rua dos Inválidos, na Lapa, onde funciona a ONG Casa das Pretas. Momentos antes, a parlamentar havia sido aplaudida por ativistas dos direitos das mulheres negras, durante uma mesa-redonda. Em um discurso que destacou a importância de se combater a violência, em especial contra as mulheres negras, sua última fala ressaltava a liberdade, em uma citação da ativista dos direitos civis americana Audre Lorde. “Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo que as correntes dela forem diferentes das minhas”, disse Marielle Franco ao final do evento.

Ao entrar no carro, um Chevrolet Agile branco, a vereadora não percebeu a movimentação daqueles que acabariam com a sua vida dali a instantes. O veículo deixa a Rua dos Inválidos e segue em direção à casa da vereadora, na Tijuca, na zona norte. Em um cruzamento das ruas Joaquim Palhares, Estácio de Sá e João Paulo I, pouco mais de um quilômetro distante de sua casa, um carro emparelhou com seu Chevrolet Agile e vários tiros foram disparados contra o banco de trás, justamente onde se sentava Marielle. Treze atingiram o carro.

Quatro disparos atingiram a cabeça da parlamentar. Apesar dos tiros terem sido disparados contra o vidro traseiro, três deles, por causa da trajetória dos projéteis, chegaram até a frente do carro e perfuraram as costas do motorista Anderson Gomes. Os dois morreram ainda no local.

“Só quem perde um filho sabe o tanto que faz falta. Marielle sempre foi uma filha muito boa, Marielle ficou quase cinco anos como filha única, até a Anielle nascer. Então é uma falta muito grande”, desabafou Marinete da Silva, mãe de Marielle.

A única sobrevivente foi uma assessora de Marielle. O carro, ou os carros usados no crime, pois há suspeitas de dois veículos, deixaram o local, sem que os autores do homicídio pudessem ser identificados: as câmeras de trânsito que existem na região estavam desligadas.

Em 10 meses temproario

Foto: Vladimir Platonow/ABr

Em 10 meses de intervenção no Rio, R$ 1,2 bilhão foram investidos

Alana Gandra/Agência Brasil

Relatório do Observatório da Intervenção, vinculado ao Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, sobre as ações das forças de segurança no Rio de Janeiro, mostra que R$ 1,2 bilhão foram aplicados nos 10 meses de atuação dos agentes no Rio de Janeiro. “Durante os dez meses da intervenção federal, tivemos um olhar específico para operações que desde o começo se mostraram grandiosas com mais de três, quatro mil homens, com resultados pouco expressivos”, disse o coordenador de pesquisa, Pablo Nunes.

Para ele, o investimento foi grande, mas sem todos os resultados esperados. Com base em informações do Instituto de Segurança Pública do Rio, o relatório mostra que a letalidade violenta caiu no estado, durante a intervenção federal, de 569 casos, em fevereiro, para 447 casos, em dezembro passado. Os homicídios dolosos, ou seja, com intenção de matar, caíram de 441 para 341, acumulando no período total pesquisado 4.468 homicídios, queda de 8,2% em comparação a igual período de 2017.

As mortes por ação de agentes do Estado caíram de 102, em fevereiro, para 88, em dezembro. No acumulado dos 320 dias da intervenção, entretanto, somaram 1.375 mortes, mais 33,6% do que o verificado em 2017, no mesmo período. O monitoramento do Observatório destaca também o elevado nível de mortes de policiais, que subiu de 3, em fevereiro, para 5 em dezembro, com total de 99 entre o início e o fim da intervenção federal no Rio. O total de roubos de rua, envolvendo pedestres, coletivos e assaltos de aparelho celular, diminuiu de 10.433, em fevereiro, para 9.802, em dezembro de 2018.

O documento mostra que as mortes violentas em confrontos caíram 1,7% entre 16 de fevereiro e 31 de dezembro do ano passado, em comparação a igual período de 2017, somando 6.041 pessoas mortas. No entanto, chama a atenção que, embora tenham sido registradas reduções de 9,4% e de 6,5 % nas mortes violentas na capital e na Baixada Fluminense, respectivamente, houve aumento da violência no interior, da ordem de 15,8%.

Segundo o Observatório da Intervenção, os tiroteios e disparos de armas de fogo cresceram 56,6% durante a intervenção federal na segurança pública, contra diminuição de 8,2% na apreensão de armas longas. De acordo com Pablo Nunes, quanto maior for o número de operações e de agentes, maior será o total de tiroteios, mortes pela polícia e balas perdidas. “As escolas fecham, as pessoas não conseguem ir trabalhar, acaba a luz. Há transtornos que são violências cotidianas também causadas por esses confrontos e disparos”.

O roubo de cargas registrou queda no estado 17,2% entre fevereiro e dezembro, enquanto teria ocorrido elevação desse tipo de roubo na Grande Niterói (19,1%) e no interior do estado (46,5 %), o que evidenciaria o deslocamento do crime para o interior fluminense. O cientista social lembrou que é preciso acompanhar a cadeia que envolve este tipo de crime com “operações de inteligência para entender [não só] quem rouba, mas também quem recebe esse material roubado, quem distribui e quem compra porque roubo de carga é uma cadeia completa”.

A coordenadora do Observatório da Intervenção, Silvia Ramos, avaliou que a entrada de generais no comando da segurança pública foi recebida com esperança por boa parte da população. Advertiu, contudo, que “o uso reiterado de tropas do Exército em crises de segurança produz o risco de desgastar a imagem das Forças Armadas”. O modelo militar intervencionista foi pouco efetivo diante de instituições policiais do estado que “necessitam de reformas estruturais, combate à corrupção e choque de eficiência em inteligência”.

Mais artigos...

  1. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  2. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  3. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  4. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  5. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  6. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  7. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  8. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  9. Busca por doenças raras
  10. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  11. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  12. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  13. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  14. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  15. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  16. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  17. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  18. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  19. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  20. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  21. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  22. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  23. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  24. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  25. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  26. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  27. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  28. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  29. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  30. Uma desnecessária operação de guerra
  31. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  32. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  33. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  34. Eram os deuses jornaleiros?
  35. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  36. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  37. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  38. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  39. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  40. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  41. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  42. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  43. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  44. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  45. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  46. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  47. Em busca do trem perdido
  48. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  49. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  50. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  51. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  52. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  53. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  54. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  55. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  56. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  57. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  58. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  59. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  60. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  61. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  62. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  63. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  64. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  65. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  66. A água no Brasil: da abundância à escassez
  67. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  68. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  69. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  70. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  71. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  72. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  73. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  74. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  75. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  76. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  77. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  78. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  79. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  80. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  81. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  82. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  83. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  84. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  85. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  86. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  87. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  88. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  89. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  90. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  91. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  92. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  93. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  94. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  95. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  96. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  97. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  98. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  99. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  100. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171