ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano

Melhora no cenário econômico e safra recorde de grãos devem fazer este ano ser de retomada de crescimento para a pecuária leiteira brasileira.

Estagnada 4 temproario

Há uma demanda reprimida por produtos lácteos e algum crescimento econômico irá impulsionar a venda desses produtos. Foto: destaquerural.com.br

Rubens Neiva/Embrapa Gado de Leite

A análise é de pesquisadores da equipe de socioeconomia da Embrapa Gado de Leite (MG) que fizeram um balanço do setor leiteiro no ano que se passou. Segundo Glauco Carvalho, um dos integrantes da equipe, quando forem publicados os índices do período, a atividade deve fechar o ano estagnada ou crescer muito pouco em relação a 2017.

Naquele ano, a produção de leite inspecionado cresceu 5%, após um biênio complicado: 2015 (queda de 2,8%) e 2016 (queda de 3,7%). Isso significa que o setor deve fechar 2018 com um volume anual menor que o ano de 2014, antes da intensificação da crise econômica, quando a produção inspecionada foi de 24,7 bilhões de litros de leite e o volume total chegou a 35,1 bilhões de litros. O primeiro desafio foi o preço do litro de leite pago ao produtor, que começou o ano em cerca de R$1,20 (pouco acima do que era pago em 2016, no auge da crise).

Além dos preços baixos no início do ano, o custo de produção ficou elevado, fechando o primeiro semestre com alta de quase 6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os itens que mais tiveram impacto na rentabilidade do pecuarista foram os ligados à alimentação do rebanho (concentrado, produção de volumosos e sal mineral). Os preços do milho e da soja subiram em plena safra devido à quebra da produção de grãos na Argentina e à redução da safra brasileira de milho, entre outros fatores.

Estagnada 2 temproarioAlta de 18,5% dos custos em 12 meses

Os preços internacionais dos grãos também foram influenciados pela forte valorização do dólar frente ao real e pelos reflexos da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Somados ao aumento dos preços da energia e do combustível no Brasil, isso levou a uma alta de 18,5% nos custos de produção no período de outubro de 2017 a outubro de 2018. Dessa forma, o preço real ao produtor em 2018, deflacionado pelo custo de produção, registrou queda de 1,5% em relação a 2017.

Outro desafio foi a greve dos caminhoneiros, que além de afetar a produção primária, comprometendo a alimentação dos animais, paralisou as atividades da indústria e consumiu os estoques dos laticínios e dos varejistas. Em maio, quando ocorreu a greve, registrou-se o pior índice que se tem notícia para um único mês, com a produção ficando 9,3% mais baixa em relação a maio do ano anterior. Esse número revela que deixaram de ser captados 176,7 milhões de litros de leite. Sem poder escoar a produção durante os dez dias de paralisação, a conta da greve foi paga pelos pecuaristas e laticínios.

Leite argentino e uruguaio mais competitivo

O terceiro desafio veio de fora. Argentina e Uruguai, os principais exportadores de leite do Mercosul, apresentaram preços mais competitivos que o Brasil, com o produto chegando a custar R$ 1,00 o litro. Por aqui, no pico do preço, o produtor chegou a receber pelo litro de leite acima R$ 1,50. Com valores dos países vizinhos tão baixos, a importação foi estimulada, principalmente no último trimestre. “O País continua sendo um importador líquido e devemos fechar 2018 com um déficit de meio bilhão de dólares, o que equivale a um bilhão de litros de leite”, frisa Carvalho.

O cenário mundial, para além do Mercosul, também não é favorável aos preços. Segundo o índice do Global Dairy Trade (GDT), o leite em pó integral foi vendido, na primeira semana de dezembro, a US$ 2.667,00 a tonelada. Nos últimos três anos, a melhor cotação ocorreu em dezembro de 2016: cerca de US$ 3.600,00.

Estagnada 3 temproarioJá o quarto desafio é um velho conhecido da cadeia produtiva do leite: o fraco desempenho do consumo de produtos lácteos, associado à baixa renda da população. Apesar da tímida recuperação da economia, a taxa de desemprego ainda é alta (11,6%). O pesquisador da Embrapa Gado de Leite, João César Resende, diz que o consumo de lácteos é bastante sensível às variações do poder de compra do consumidor. Segundo ele, quando há uma retração da economia, produtos como iogurte e queijo são alguns dos primeiros a serem eliminados da lista de compras.

Mesmo com o litro do leite UHT sendo vendido a R$ 1,85 em alguns supermercados, no quarto trimestre, a demanda não demonstrou fôlego para se aquecer. As previsões para o PIB também decepcionaram. Em janeiro, a expectativa dos economistas era de que o PIB fechasse 2018 com um crescimento de 2,66%. No fim do ano, a expectativa caiu para 1,30%. Os pesquisadores acreditam que 2019 será melhor para a cadeia produtiva do leite.

A primeira barreira a ser superada diz respeito aos preços dos concorrentes no Mercosul. O analista da Embrapa, Denis Teixeira da Rocha, afirma que os preços praticados pelos parceiros do Cone Sul não são sustentáveis e devem, em algum momento, voltar à realidade. “Devido à rentabilidade negativa, nos últimos anos, três grandes laticínios fecharam suas portas no Uruguai”, destaca Rocha.

O mundo precisará de mais leite

Com relação ao mercado global, durante a conferência anual da International Farm Comparison Network (IFCN), em 2018, realizada em Parma, na Itália, os especialistas estimaram um crescimento um pouco mais robusto na demanda de lácteos para 2019. Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Lorildo Stock, que representou o Brasil na conferência, as estimativas do IFCN são que, para atender à demanda por produtos lácteos em 2030, o setor deverá aumentar a produção em 304 milhões de toneladas por ano. Isso equivale a três vezes a produção leiteira dos Estados Unidos, atualmente. Para ativar essa produção, o IFCN acredita que o preço do leite mundial atinja US$0,40, valor superior à média histórica.

Internamente, a expectativa de mudanças na economia com o novo governo tem animado o mercado. A OCDE prevê um crescimento da economia brasileira de 2,1%. Já o mercado espera por um índice um pouco maior: 2,5%. De qualquer forma, segundo Carvalho, será o ritmo de andamento das reformas que irá ditar o compasso do mercado para este ano. Para o pesquisador, há uma demanda reprimida por produtos lácteos que se arrasta por anos e algum crescimento econômico irá impulsionar a venda desses produtos. Carvalho acredita ainda em melhoria nas margens de lucro dos laticínios, que se encontram baixas desde meados de 2016.

Mais grãos, menos custos com alimentação

Estagnada 1 temproario

O setor deve fechar 2018 com um volume anual menor que o ano de 2014. Foto: iStock

No que diz respeito aos lucros do produtor, 2019 começou com os preços em patamares um pouco mais elevados que os do início do ano anterior. A boa produção de grãos da safra 2018/2019, que pela expectativa da Conab deve superar 230 milhões de toneladas, é um ponto positivo para a pecuária de leite. O recorde nas safras de soja e milho contribui para o recuo nos custos com a alimentação das vacas, sobretudo a produção de concentrados. “A redução do preço de importantes insumos deve melhorar a rentabilidade das fazendas, culminando na expansão da produção leiteira em 2019”, conclui Carvalho.

Mais informações sobre o tema: (www.embrapa.br/fale-conosco/sac/).

Mais artigos...

  1. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  2. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  3. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  4. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  5. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  6. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  7. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  8. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  9. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  10. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  11. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  12. Uma desnecessária operação de guerra
  13. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  14. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  15. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  16. Eram os deuses jornaleiros?
  17. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  18. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  19. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  20. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  21. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  22. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  23. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  24. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  25. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  26. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  27. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  28. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  29. Em busca do trem perdido
  30. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  31. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  32. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  33. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  34. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  35. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  36. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  37. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  38. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  39. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  40. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  41. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  42. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  43. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  44. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  45. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  46. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  47. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  48. A água no Brasil: da abundância à escassez
  49. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  50. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  51. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  52. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  53. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  54. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  55. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  56. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  57. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  58. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  59. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  60. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  61. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  62. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  63. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  64. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  65. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  66. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  67. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  68. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  69. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  70. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  71. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  72. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  73. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  74. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  75. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  76. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  77. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  78. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  79. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  80. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  81. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  82. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  83. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  84. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  85. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  86. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  87. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  88. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  89. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  90. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  91. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  92. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  93. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  94. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  95. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  96. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  97. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  98. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  99. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  100. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171